Pular para o conteúdo principal

Biergarten: Bier, Blues und Rock’n‘ Roll.**


            Hallo Leute! Domingo passado (29 de novembro), como amante de bebida e cultura alemã, decidi ir ao Biergarten no Trapiche Barnabé, evento nos moldes alemãs que trouxe bebida, comida e música em um ambiente agradável (biergarten significa jardim de cerveja em alemão). Peguei meu chapéu verde com peninha que comprei em Blumenau ano passado e fui lá tomar cervejas artesanais. O evento foi caro, 15 reais a entrada e com cervejas que iam de 6 a 25 reais e algumas ainda mais caras. Mas, como eu havia dito, gosto muito da cultura alemã e paguei sem pensar duas vezes. A surpresa agradável foi que chegando lá descobri que o Eric Assmar Trio iria tocar, fato esse que tornou a entrada “mais barata”. Tocaram ainda antes da minha chegada a SSA - Som Soteropolitano Ambulante com Participação de JP, que eu, sinceramente, não tenho a mínima ideia do que se trata por não ter visto o show, por tanto não posso comentar.

            Eric Assmar trio começou meio tímido e aos poucos foi chamando atenção do público. O trio consta de Eric Assmar na guitarra, Rafael Zumaeta no baixo e Thiago Brandão na batera. A banda mostrou que tem um som bem encorpado que consegue atrair uma platéia que não está muito acostumada com blues e rock and roll. A banda também parece que redefiniu o conceito de “pocket show”, já que a mesma fez uma apresentação de duas horas sem se tornar, de forma alguma, chato!

            Aqui eu faço um pequeno intervalo para fazer um elogio e propaganda a uma cerveja que tomei: Estrela Tricolor, cerveja é clara, de baixa fermentação e com suave aroma de lúpulo. Vale a pena experimentar, mesmo se você torce para o Vitória (pasmem, rs).


            Mas enfim, voltando ao show. Senti falta de mais músicas próprias, uma vez que o show constou de muitos covers como Eric Clapton, Gary Moore, Chuck Berry, BB King, Howlin’ Wolf e Louis Armstrong, porém compreendo que um show para uma platéia não muito roqueira trazer sons de outros artistas ajuda a chamar atenção. Mas, não sendo injusto, a banda trouxe materiais próprios inclusive músicas que estarão no próximo álbum da banda que sairá no primeiro semestre de 2016.

         Outro ponto que me chamou atenção foi quando a banda trouxe o riff do White Stripes, Seven Nation Army. A banda, a meu ver, deveria tocar a música toda e não ficar somente no riff, justamente para mostrar para a platéia que a música é muito mais do que é tocado nos estádios. Fora esses pontos, que são pessoais, o show foi excelente, bastante animado e conseguiu chamar atenção do público. E por fim, volto para casa de táxi, bêbado, já que sou um bêbado responsável. Volto bêbado e feliz com uma noite de blues e rock and roll. Auf Wiedersehen!


**Matéria originalmente publicada em 04/12/2015, por Rodrigo Vergne.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida