Pular para o conteúdo principal

Biergarten: Bier, Blues und Rock’n‘ Roll.**


            Hallo Leute! Domingo passado (29 de novembro), como amante de bebida e cultura alemã, decidi ir ao Biergarten no Trapiche Barnabé, evento nos moldes alemãs que trouxe bebida, comida e música em um ambiente agradável (biergarten significa jardim de cerveja em alemão). Peguei meu chapéu verde com peninha que comprei em Blumenau ano passado e fui lá tomar cervejas artesanais. O evento foi caro, 15 reais a entrada e com cervejas que iam de 6 a 25 reais e algumas ainda mais caras. Mas, como eu havia dito, gosto muito da cultura alemã e paguei sem pensar duas vezes. A surpresa agradável foi que chegando lá descobri que o Eric Assmar Trio iria tocar, fato esse que tornou a entrada “mais barata”. Tocaram ainda antes da minha chegada a SSA - Som Soteropolitano Ambulante com Participação de JP, que eu, sinceramente, não tenho a mínima ideia do que se trata por não ter visto o show, por tanto não posso comentar.

            Eric Assmar trio começou meio tímido e aos poucos foi chamando atenção do público. O trio consta de Eric Assmar na guitarra, Rafael Zumaeta no baixo e Thiago Brandão na batera. A banda mostrou que tem um som bem encorpado que consegue atrair uma platéia que não está muito acostumada com blues e rock and roll. A banda também parece que redefiniu o conceito de “pocket show”, já que a mesma fez uma apresentação de duas horas sem se tornar, de forma alguma, chato!

            Aqui eu faço um pequeno intervalo para fazer um elogio e propaganda a uma cerveja que tomei: Estrela Tricolor, cerveja é clara, de baixa fermentação e com suave aroma de lúpulo. Vale a pena experimentar, mesmo se você torce para o Vitória (pasmem, rs).


            Mas enfim, voltando ao show. Senti falta de mais músicas próprias, uma vez que o show constou de muitos covers como Eric Clapton, Gary Moore, Chuck Berry, BB King, Howlin’ Wolf e Louis Armstrong, porém compreendo que um show para uma platéia não muito roqueira trazer sons de outros artistas ajuda a chamar atenção. Mas, não sendo injusto, a banda trouxe materiais próprios inclusive músicas que estarão no próximo álbum da banda que sairá no primeiro semestre de 2016.

         Outro ponto que me chamou atenção foi quando a banda trouxe o riff do White Stripes, Seven Nation Army. A banda, a meu ver, deveria tocar a música toda e não ficar somente no riff, justamente para mostrar para a platéia que a música é muito mais do que é tocado nos estádios. Fora esses pontos, que são pessoais, o show foi excelente, bastante animado e conseguiu chamar atenção do público. E por fim, volto para casa de táxi, bêbado, já que sou um bêbado responsável. Volto bêbado e feliz com uma noite de blues e rock and roll. Auf Wiedersehen!


**Matéria originalmente publicada em 04/12/2015, por Rodrigo Vergne.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Como na profundidade do cosmo. Por Leonardo cima.

Bem no começo desse ano, em janeiro, antes de toda essa agonia que nos encontramos, de pandemia e quarentena, a banda soteropolitana Vernal lançou o seu mais recente trabalho, Epicteto. Essa ressalva inicial do período desse lançamento se faz presente pelo fato de trazer uma recordação recente, de se botar na praça algo novo e poder circular livremente por aí pelas gigs e se esbarrar com os seus autores em um palco tocando as suas canções. Digo isso de maneira geral, até. As produções da cena continuaram e continuam em meio a quarentena, mas esse sabor de presenciar as coisas de perto já começa a pesar, de certa maneira, e visitar esse disco da Vernal também é visitar esse período de cerca de dois meses e meio, ou três (quase!), de liberdade sem restrições que ainda gozávamos. Olhando mais para dentro desse momento, o trio estava vivendo uma boa projeção na cena, com boa frequência de shows e aparição em canais de comunicação alternativa, alguns deles em seus passos iniciai

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,