Pular para o conteúdo principal

Biergarten: Bier, Blues und Rock’n‘ Roll.**


            Hallo Leute! Domingo passado (29 de novembro), como amante de bebida e cultura alemã, decidi ir ao Biergarten no Trapiche Barnabé, evento nos moldes alemãs que trouxe bebida, comida e música em um ambiente agradável (biergarten significa jardim de cerveja em alemão). Peguei meu chapéu verde com peninha que comprei em Blumenau ano passado e fui lá tomar cervejas artesanais. O evento foi caro, 15 reais a entrada e com cervejas que iam de 6 a 25 reais e algumas ainda mais caras. Mas, como eu havia dito, gosto muito da cultura alemã e paguei sem pensar duas vezes. A surpresa agradável foi que chegando lá descobri que o Eric Assmar Trio iria tocar, fato esse que tornou a entrada “mais barata”. Tocaram ainda antes da minha chegada a SSA - Som Soteropolitano Ambulante com Participação de JP, que eu, sinceramente, não tenho a mínima ideia do que se trata por não ter visto o show, por tanto não posso comentar.

            Eric Assmar trio começou meio tímido e aos poucos foi chamando atenção do público. O trio consta de Eric Assmar na guitarra, Rafael Zumaeta no baixo e Thiago Brandão na batera. A banda mostrou que tem um som bem encorpado que consegue atrair uma platéia que não está muito acostumada com blues e rock and roll. A banda também parece que redefiniu o conceito de “pocket show”, já que a mesma fez uma apresentação de duas horas sem se tornar, de forma alguma, chato!

            Aqui eu faço um pequeno intervalo para fazer um elogio e propaganda a uma cerveja que tomei: Estrela Tricolor, cerveja é clara, de baixa fermentação e com suave aroma de lúpulo. Vale a pena experimentar, mesmo se você torce para o Vitória (pasmem, rs).


            Mas enfim, voltando ao show. Senti falta de mais músicas próprias, uma vez que o show constou de muitos covers como Eric Clapton, Gary Moore, Chuck Berry, BB King, Howlin’ Wolf e Louis Armstrong, porém compreendo que um show para uma platéia não muito roqueira trazer sons de outros artistas ajuda a chamar atenção. Mas, não sendo injusto, a banda trouxe materiais próprios inclusive músicas que estarão no próximo álbum da banda que sairá no primeiro semestre de 2016.

         Outro ponto que me chamou atenção foi quando a banda trouxe o riff do White Stripes, Seven Nation Army. A banda, a meu ver, deveria tocar a música toda e não ficar somente no riff, justamente para mostrar para a platéia que a música é muito mais do que é tocado nos estádios. Fora esses pontos, que são pessoais, o show foi excelente, bastante animado e conseguiu chamar atenção do público. E por fim, volto para casa de táxi, bêbado, já que sou um bêbado responsável. Volto bêbado e feliz com uma noite de blues e rock and roll. Auf Wiedersehen!


**Matéria originalmente publicada em 04/12/2015, por Rodrigo Vergne.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...