Pular para o conteúdo principal

Bom humor na medida e rock a todo instante.*


O rock acima de tudo é diversão. Você pode esbravejar para os quatro (ou mais) cantos do mundo o quanto está puto e insatisfeito com o sistema, o quanto está triste e com o coração partido por ter sido deixado de lado e até mesmo o quanto foi boa ou traumatizante a sua experiência de abdução por alienígenas sedentos em estudar o seu DNA, mas tudo de certa forma ganha graça para quem monta seus acordes sobre os seus temas. De certa maneira é um jeito estranho de se divertir, mas esse elemento está lá e esse tipo de música garante a quem a escuta e a faz uma sensação boa no final das contas.

É bem assim com a banda soteropolitana Pancreas, que lançou recentemente o seu terceiro álbum de sua carreira, Cru e Vivo. O disco é um apanhado ao vivo de boa parte de suas canções disponibilizadas anteriormente em seus dois discos, com mais duas versões de outras bandas feitas por eles. O cd foi gravado no projeto Casarão/Homepocket Clipoems, onde alguns grupos da cena local gravaram sessões ao vivo de seus shows em um estúdio, lançando-os aos poucos na web. E esse Cru e Vivo é a primeira investida em disco físico dessas bandas e traz para o ouvinte como são de certa forma as apresentações delas ao vivo pelos palcos da Bahia. É uma boa oportunidade para conhecer tais conjuntos e a Pancreas dá um bom start nessa empreitada.

Sendo uma das mais ativas no cenário atual, o quarteto tem a seu favor o bom humor e um rock fincado no punk oitentista, no hard rock, com letras que fala sobre cotidiano e de situações no mínimo interessantes que certamente alguém vai se identificar de cara com os primeiros versos cantados pelo Shinna Voxzelicks. A obra abre com A Morte te dá as Mãos, um aviso para aqueles que gostam de viver perigosamente depois de tomar umas biritas e sair de carro depois de uma balada na madrugada. Em seguida vem Na Esquina, um punk rock veloz com alguns momentos arrastados de bons riffs de guitarra e cozinha entrosada. Em Rio Acima a velocidade continua com a voz rasgada de Shinna e um segundo de jazz em sua metade para voltar ao seu ritmo normal até o seu término.

A Lenda de Leopoldo tem uma letra interessante, que fala de um rapaz que era um verdadeiro leite com pera na sua adolescência, resolvendo os problemas de física para as meninas e não ficava com ninguém, mas que sofreu uma transformação que mudou a sua condição radicalmente e se fez um dos caras mais bem-sucedidos nos aspectos em que era um desastre. Mas quem será Leopoldo? Fica a o mistério. Isso, diga-se de passagem, com um som empolgante do início ao fim. Priscila é a balada da banda, com versos românticos que detalham o quanto o letrista deseja tanto o seu amor à Priscila e o quanto ele quer faze-la sentir prazer explorando todos os cantos do seu corpo. Simplesmente singela e verdadeira! Em Daniele continua com uma declaração de amor de uma maneira mais animada e com intenções escancaradas de leva-la para cama.

Em O Corno, a banda começa com uma versão arrocha bem-humorada da canção, dedicando ela a um amigo para depois acertar no ritmo certo e citar algumas condições pelas quais alguns sofredores devem passar quando se encontram em tais condições. Depois dela surgem na sequencia duas boas versões de canções de outras bandas, a primeira é a ótima Remédio da baiana Jato Invisível que tem uma letra bem inteligente e com momentos que lembram Dead Kennedys e a segunda é Help!, dos Beatles, em uma versão mais rápida e punkerosa.

O final do disco tem uma sequência de duas das melhores músicas da banda e que são responsáveis em animar o lugar onde estão. Ela Gosta de Forró, trilha com passagens épicas e bom solo de guitarra, é uma maneira boa de expressar como tanto tipo de música é insignificante e que mesmo sendo uma moça interessante, ela pode ter um gosto musical duvidoso que pode comprometer a relação. Muitos não estão a salvos de algumas pragas! E Eu Quero Você Pra Mim encerra o disco com chave de ouro, sendo ela uma das mais animadas do grupo, com uma pegada de ska e bem apropriada para a pista de dança e declarações de desejo para várias coisas, inclusive desejando alguém para si mesmo.

A sonoridade do álbum é de excelente qualidade e de boa captação, uma vez que foi feita ao vivo, algo muito difícil de se executar. Ela transmite bem a atmosfera da banda em seus shows. Volto a afirmar que esta é uma maneira de se ter uma noção de como é a banda em cima de um palco, que anima e diverte com seu rock que, ao mesmo tempo é levado a sério, engajado com as causas da cena e bem-humorado na medida certa que deve ser. Se vale a pena escuta-los? É lógico que sim, se você ainda não conhece o Pancreas você corre o sério risco de acordar no outro dia com uma ressaca chata e sem uma boa história para contar.

Conheça o som da Pencreas: https://soundcloud.com/pancreasoficial


*Matéria originalmente publicada em 15/06/2016.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...