Pular para o conteúdo principal

Bom humor na medida e rock a todo instante.*


O rock acima de tudo é diversão. Você pode esbravejar para os quatro (ou mais) cantos do mundo o quanto está puto e insatisfeito com o sistema, o quanto está triste e com o coração partido por ter sido deixado de lado e até mesmo o quanto foi boa ou traumatizante a sua experiência de abdução por alienígenas sedentos em estudar o seu DNA, mas tudo de certa forma ganha graça para quem monta seus acordes sobre os seus temas. De certa maneira é um jeito estranho de se divertir, mas esse elemento está lá e esse tipo de música garante a quem a escuta e a faz uma sensação boa no final das contas.

É bem assim com a banda soteropolitana Pancreas, que lançou recentemente o seu terceiro álbum de sua carreira, Cru e Vivo. O disco é um apanhado ao vivo de boa parte de suas canções disponibilizadas anteriormente em seus dois discos, com mais duas versões de outras bandas feitas por eles. O cd foi gravado no projeto Casarão/Homepocket Clipoems, onde alguns grupos da cena local gravaram sessões ao vivo de seus shows em um estúdio, lançando-os aos poucos na web. E esse Cru e Vivo é a primeira investida em disco físico dessas bandas e traz para o ouvinte como são de certa forma as apresentações delas ao vivo pelos palcos da Bahia. É uma boa oportunidade para conhecer tais conjuntos e a Pancreas dá um bom start nessa empreitada.

Sendo uma das mais ativas no cenário atual, o quarteto tem a seu favor o bom humor e um rock fincado no punk oitentista, no hard rock, com letras que fala sobre cotidiano e de situações no mínimo interessantes que certamente alguém vai se identificar de cara com os primeiros versos cantados pelo Shinna Voxzelicks. A obra abre com A Morte te dá as Mãos, um aviso para aqueles que gostam de viver perigosamente depois de tomar umas biritas e sair de carro depois de uma balada na madrugada. Em seguida vem Na Esquina, um punk rock veloz com alguns momentos arrastados de bons riffs de guitarra e cozinha entrosada. Em Rio Acima a velocidade continua com a voz rasgada de Shinna e um segundo de jazz em sua metade para voltar ao seu ritmo normal até o seu término.

A Lenda de Leopoldo tem uma letra interessante, que fala de um rapaz que era um verdadeiro leite com pera na sua adolescência, resolvendo os problemas de física para as meninas e não ficava com ninguém, mas que sofreu uma transformação que mudou a sua condição radicalmente e se fez um dos caras mais bem-sucedidos nos aspectos em que era um desastre. Mas quem será Leopoldo? Fica a o mistério. Isso, diga-se de passagem, com um som empolgante do início ao fim. Priscila é a balada da banda, com versos românticos que detalham o quanto o letrista deseja tanto o seu amor à Priscila e o quanto ele quer faze-la sentir prazer explorando todos os cantos do seu corpo. Simplesmente singela e verdadeira! Em Daniele continua com uma declaração de amor de uma maneira mais animada e com intenções escancaradas de leva-la para cama.

Em O Corno, a banda começa com uma versão arrocha bem-humorada da canção, dedicando ela a um amigo para depois acertar no ritmo certo e citar algumas condições pelas quais alguns sofredores devem passar quando se encontram em tais condições. Depois dela surgem na sequencia duas boas versões de canções de outras bandas, a primeira é a ótima Remédio da baiana Jato Invisível que tem uma letra bem inteligente e com momentos que lembram Dead Kennedys e a segunda é Help!, dos Beatles, em uma versão mais rápida e punkerosa.

O final do disco tem uma sequência de duas das melhores músicas da banda e que são responsáveis em animar o lugar onde estão. Ela Gosta de Forró, trilha com passagens épicas e bom solo de guitarra, é uma maneira boa de expressar como tanto tipo de música é insignificante e que mesmo sendo uma moça interessante, ela pode ter um gosto musical duvidoso que pode comprometer a relação. Muitos não estão a salvos de algumas pragas! E Eu Quero Você Pra Mim encerra o disco com chave de ouro, sendo ela uma das mais animadas do grupo, com uma pegada de ska e bem apropriada para a pista de dança e declarações de desejo para várias coisas, inclusive desejando alguém para si mesmo.

A sonoridade do álbum é de excelente qualidade e de boa captação, uma vez que foi feita ao vivo, algo muito difícil de se executar. Ela transmite bem a atmosfera da banda em seus shows. Volto a afirmar que esta é uma maneira de se ter uma noção de como é a banda em cima de um palco, que anima e diverte com seu rock que, ao mesmo tempo é levado a sério, engajado com as causas da cena e bem-humorado na medida certa que deve ser. Se vale a pena escuta-los? É lógico que sim, se você ainda não conhece o Pancreas você corre o sério risco de acordar no outro dia com uma ressaca chata e sem uma boa história para contar.

Conheça o som da Pencreas: https://soundcloud.com/pancreasoficial


*Matéria originalmente publicada em 15/06/2016.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo.
Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção.

Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava em um pouco mai…