Pular para o conteúdo principal

Bom humor, rock e um lugar do caralho.*


       Na última quinta feira teve mais uma noite de Festival Warm Up: Big Bands, no Dubliners Irish Pub, com o início da turnê nordestina do cantor e compositor Wander Wildner, e o Portal Soterorock foi até lá para conferir como foi a sua apresentação. O show ainda contou com a participação do grupo Os Jonsóns com  a missão de encerrar as atividades.

            Dia de quinta também tem bastante rock na cidade e sempre com alguém querendo ver essa música ao vivo, mas esperava um pouco mais de gente para assistir os artistas nessa ocasião. Na chegada se podia notar uma quantidade boa de pessoas na porta do pub e com a proximidade do inicio do som foram chegando outras mais, mas eu esperava ver um numero maior formando a audiência. No final deu gente, o lugar ficou cheio, mas poderia chegar um pouco mais.

            Depois de muito papo do lado de fora do local e de escutar bons sons da discotecagem do Bruno Aziz do lado de dentro, o Wander Wildner foi o primeiro a subir no palco. Já se passava da meia noite quando ele deu seus primeiros acordes em sua guitarra. A apresentação começou com ele sozinho cantando músicas do repertório da sua carreira solo, com a platéia acompanhando junto a maioria. A guitarra alta e a conhecida rouquidão da sua melancólica voz preencheram bem o ambiente da casa. O seu bom humor também foi notável quando falava com o público entre uma canção e outra, em um momento agradeceu as palmas dizendo que aquelas músicas eram "daquele cara ali", apontando para a sua imagem em uma foto projetada no fundo do palco. Só houve um momento em que ele falou muito sério, foi quando pediram Surfista Calhorda onde ele afirmou que não toca mais essa música. Ainda insistiram, mas ele não deu ouvidos e seguiu. Assim foi melhor!

            Da metade do show em diante, o Wander Wildner chamou para acompanha-lo no palco os irmãos Gagliano, formando a banda que completou a performance do compositor até o seu final. A partir daí a apresentação ficou bem mais empolgante, tanto que na segunda música a caixa de baixo já tinha estourado. O clima foi esquentando, o seu bom humor também não perdeu o ritmo e casa, público e artista acabaram ganhando mais uma apresentação extra nessa segunda (07/09). Encerrando as atividades, Os Jonsóns tocaram para um público muito reduzido. A grande maioria que estava no show anterior deixou o lugar, sendo que alguns retornaram timidamente para ver a sua apresentação. O show dos rapazes normalmente faz muita gente dançar e dessa vez não foi diferente, dançou quase todo mundo que estava lá. Inclusive presenciei uma e outra performance que deixaria o John Travolta mordido de inveja. Também alguns olhares atentos se fixaram no palco percebendo o bom entrosamento do grupo, esse é um bom trunfo para quem tem tocado com uma boa frequência na cena.


            Terminadas as atrações só restava pegar o caminho de volta para casa. Na saída do Irish Pub ainda havia um rapaz tocando no violão a música Um Lugar do Caralho para um grupo de amigos. "De novo?", me perguntei. Duas vezes já tinha sido bom, mas três vezes em uma mesma noite era demais, acho que nem o Júpiter Maçã aguentaria tanto ela no juízo. Mas lá dentro foi massa. Passei rápido, segui direto e entrei na primeira condução que vi.


*Matéria originalmente publicada em 08/09/2015.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso