Bom humor, rock e um lugar do caralho.*


       Na última quinta feira teve mais uma noite de Festival Warm Up: Big Bands, no Dubliners Irish Pub, com o início da turnê nordestina do cantor e compositor Wander Wildner, e o Portal Soterorock foi até lá para conferir como foi a sua apresentação. O show ainda contou com a participação do grupo Os Jonsóns com  a missão de encerrar as atividades.

            Dia de quinta também tem bastante rock na cidade e sempre com alguém querendo ver essa música ao vivo, mas esperava um pouco mais de gente para assistir os artistas nessa ocasião. Na chegada se podia notar uma quantidade boa de pessoas na porta do pub e com a proximidade do inicio do som foram chegando outras mais, mas eu esperava ver um numero maior formando a audiência. No final deu gente, o lugar ficou cheio, mas poderia chegar um pouco mais.

            Depois de muito papo do lado de fora do local e de escutar bons sons da discotecagem do Bruno Aziz do lado de dentro, o Wander Wildner foi o primeiro a subir no palco. Já se passava da meia noite quando ele deu seus primeiros acordes em sua guitarra. A apresentação começou com ele sozinho cantando músicas do repertório da sua carreira solo, com a platéia acompanhando junto a maioria. A guitarra alta e a conhecida rouquidão da sua melancólica voz preencheram bem o ambiente da casa. O seu bom humor também foi notável quando falava com o público entre uma canção e outra, em um momento agradeceu as palmas dizendo que aquelas músicas eram "daquele cara ali", apontando para a sua imagem em uma foto projetada no fundo do palco. Só houve um momento em que ele falou muito sério, foi quando pediram Surfista Calhorda onde ele afirmou que não toca mais essa música. Ainda insistiram, mas ele não deu ouvidos e seguiu. Assim foi melhor!

            Da metade do show em diante, o Wander Wildner chamou para acompanha-lo no palco os irmãos Gagliano, formando a banda que completou a performance do compositor até o seu final. A partir daí a apresentação ficou bem mais empolgante, tanto que na segunda música a caixa de baixo já tinha estourado. O clima foi esquentando, o seu bom humor também não perdeu o ritmo e casa, público e artista acabaram ganhando mais uma apresentação extra nessa segunda (07/09). Encerrando as atividades, Os Jonsóns tocaram para um público muito reduzido. A grande maioria que estava no show anterior deixou o lugar, sendo que alguns retornaram timidamente para ver a sua apresentação. O show dos rapazes normalmente faz muita gente dançar e dessa vez não foi diferente, dançou quase todo mundo que estava lá. Inclusive presenciei uma e outra performance que deixaria o John Travolta mordido de inveja. Também alguns olhares atentos se fixaram no palco percebendo o bom entrosamento do grupo, esse é um bom trunfo para quem tem tocado com uma boa frequência na cena.


            Terminadas as atrações só restava pegar o caminho de volta para casa. Na saída do Irish Pub ainda havia um rapaz tocando no violão a música Um Lugar do Caralho para um grupo de amigos. "De novo?", me perguntei. Duas vezes já tinha sido bom, mas três vezes em uma mesma noite era demais, acho que nem o Júpiter Maçã aguentaria tanto ela no juízo. Mas lá dentro foi massa. Passei rápido, segui direto e entrei na primeira condução que vi.


*Matéria originalmente publicada em 08/09/2015.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas