Pular para o conteúdo principal

Bom humor, rock e um lugar do caralho.*


       Na última quinta feira teve mais uma noite de Festival Warm Up: Big Bands, no Dubliners Irish Pub, com o início da turnê nordestina do cantor e compositor Wander Wildner, e o Portal Soterorock foi até lá para conferir como foi a sua apresentação. O show ainda contou com a participação do grupo Os Jonsóns com  a missão de encerrar as atividades.

            Dia de quinta também tem bastante rock na cidade e sempre com alguém querendo ver essa música ao vivo, mas esperava um pouco mais de gente para assistir os artistas nessa ocasião. Na chegada se podia notar uma quantidade boa de pessoas na porta do pub e com a proximidade do inicio do som foram chegando outras mais, mas eu esperava ver um numero maior formando a audiência. No final deu gente, o lugar ficou cheio, mas poderia chegar um pouco mais.

            Depois de muito papo do lado de fora do local e de escutar bons sons da discotecagem do Bruno Aziz do lado de dentro, o Wander Wildner foi o primeiro a subir no palco. Já se passava da meia noite quando ele deu seus primeiros acordes em sua guitarra. A apresentação começou com ele sozinho cantando músicas do repertório da sua carreira solo, com a platéia acompanhando junto a maioria. A guitarra alta e a conhecida rouquidão da sua melancólica voz preencheram bem o ambiente da casa. O seu bom humor também foi notável quando falava com o público entre uma canção e outra, em um momento agradeceu as palmas dizendo que aquelas músicas eram "daquele cara ali", apontando para a sua imagem em uma foto projetada no fundo do palco. Só houve um momento em que ele falou muito sério, foi quando pediram Surfista Calhorda onde ele afirmou que não toca mais essa música. Ainda insistiram, mas ele não deu ouvidos e seguiu. Assim foi melhor!

            Da metade do show em diante, o Wander Wildner chamou para acompanha-lo no palco os irmãos Gagliano, formando a banda que completou a performance do compositor até o seu final. A partir daí a apresentação ficou bem mais empolgante, tanto que na segunda música a caixa de baixo já tinha estourado. O clima foi esquentando, o seu bom humor também não perdeu o ritmo e casa, público e artista acabaram ganhando mais uma apresentação extra nessa segunda (07/09). Encerrando as atividades, Os Jonsóns tocaram para um público muito reduzido. A grande maioria que estava no show anterior deixou o lugar, sendo que alguns retornaram timidamente para ver a sua apresentação. O show dos rapazes normalmente faz muita gente dançar e dessa vez não foi diferente, dançou quase todo mundo que estava lá. Inclusive presenciei uma e outra performance que deixaria o John Travolta mordido de inveja. Também alguns olhares atentos se fixaram no palco percebendo o bom entrosamento do grupo, esse é um bom trunfo para quem tem tocado com uma boa frequência na cena.


            Terminadas as atrações só restava pegar o caminho de volta para casa. Na saída do Irish Pub ainda havia um rapaz tocando no violão a música Um Lugar do Caralho para um grupo de amigos. "De novo?", me perguntei. Duas vezes já tinha sido bom, mas três vezes em uma mesma noite era demais, acho que nem o Júpiter Maçã aguentaria tanto ela no juízo. Mas lá dentro foi massa. Passei rápido, segui direto e entrei na primeira condução que vi.


*Matéria originalmente publicada em 08/09/2015.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida