Pular para o conteúdo principal

Cidade baixa em peso e em peso.*


            Mais uma vez o Portal Soterorock foi conferir o que estava acontecendo na cena rocker da capital baiana e rumou para o Rio Vermelho para conferir duas grandes apresentações de bandas da cidade baixa. Em meio aos entulhos da reforma do famoso bairro boêmio, a Game Over Riverside e a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes não deram trégua alguma aos ouvidos de quem estava na festa.

            O lugar não estava cheio, a obra da prefeitura finalmente chegou do lado oposto da pista e isso de certa forma acabou afastando os frequentadores da casa. A organização do evento e os grupos esperavam  um pouco mais de pessoas por lá, mas mesmo assim, isso não foi um fator desanimador. Na noite, duas bandas em momentos diferentes e especiais em suas respectivas carreiras. A G.O.R.  voltando a dar os seus primeiros passos no cenário rocker local e a BVEAODE se firmando cada vez mais na cena como uma das melhores e mais atuantes bandas daqui.

            Depois do DJ Rodrigo Sputter entreter os presentes com suas pérolas musicais, a Game Over Riverside subiu no palco para a primeira performance da noite. O quinteto fez um show mais descontraído que o anterior, sem a carga tensa que o momento de retorno às atividades levou  ao emocional que cada um deles segurou. O som também estava melhor, fazendo fluir as canções dentro de um repertório ligeiramente mais reduzido. O vocalista se comunicou bem quando pôde com a audiência, puxando sempre em seguida um pouco das curiosas historias das musicas antes de toca-as. O som explosivo de Deep Waters, o punch certeiro e hit atemporal de Little Marchioness e os momentos psicodélicos de Why We Don't Kill Our Pets foram boas passagens ao longo de meia hora de apresentação, que arrancaram reações positivas de quem assistia a performance. I Can't Hardly Wait, deu um final com um pouco de suspense, mais explosão, peso e raiva musical ao show, deixando um gosto de quero mais e preparando o terreno para a próxima banda. Foi uma apresentação interessante, que também contou com o humor estranho e refinado das ruas da cidade baixa, que é característico do conjunto. Foi uma boa junção das duas coisas que funcionou bem.

            Na sequência e encerrando a noite, a BVEAODE fez o seu já conhecido som dentro da casa. Já perdi a conta de quantas vezes falei aqui sobre a dupla, mas sempre há algo novo, um elemento surpresa trazido pelos rapazes em seus shows. A sonoridade pomposa teve um impacto maior naquela noite, era um estrondo sonoro a cada riff de guitarra e a cada virada da bateria. Ouvir o duo bem de perto dos PA's tem seus benefícios, até porque a qualidade dos rapazes no tablado não machuca os ouvidos, foi como se ouvisse um estrondo vindo do céu em um dia de tempestade com trovões. Mulher Kriptonita teve uma apreciação diferenciada por estar na minha cabeça desde de manhã cedo, a versão de Dos Margaritas, do Paralamas do Sucesso, sempre pegando ouvidos mais atentos de surpresa e Chão Pisado e Olhos Virados mais pesadas e encorpadas como nunca, com a segunda ganhando mais profundidade na letra. A empolgação e o peso foram tão intensos que a caixa da bateria furou no meio da apresentação, mas nada comprometedor, muito pelo contrário, assim as coisas no rock também são muito boas. No final, volto a afirmar aqui o que já fiz em outras resenhas: os rapazes conseguiram mais adeptos para o seu crescente exército "búfalos".


            Terminada a noite e com a diversão sendo posta em dia pelos grupos, só restava voltar para casa e recarregar as baterias. O caminho de volta foi tranquilo, mas com espaço para assuntos que foram de BAVI a Esfera de Dyson. Especulação cósmica e gargalhadas também combinam uma com a outra.


*Matéria originalmente publicada em 19/10/2015.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso