Pular para o conteúdo principal

Cidade baixa em peso e em peso.*


            Mais uma vez o Portal Soterorock foi conferir o que estava acontecendo na cena rocker da capital baiana e rumou para o Rio Vermelho para conferir duas grandes apresentações de bandas da cidade baixa. Em meio aos entulhos da reforma do famoso bairro boêmio, a Game Over Riverside e a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes não deram trégua alguma aos ouvidos de quem estava na festa.

            O lugar não estava cheio, a obra da prefeitura finalmente chegou do lado oposto da pista e isso de certa forma acabou afastando os frequentadores da casa. A organização do evento e os grupos esperavam  um pouco mais de pessoas por lá, mas mesmo assim, isso não foi um fator desanimador. Na noite, duas bandas em momentos diferentes e especiais em suas respectivas carreiras. A G.O.R.  voltando a dar os seus primeiros passos no cenário rocker local e a BVEAODE se firmando cada vez mais na cena como uma das melhores e mais atuantes bandas daqui.

            Depois do DJ Rodrigo Sputter entreter os presentes com suas pérolas musicais, a Game Over Riverside subiu no palco para a primeira performance da noite. O quinteto fez um show mais descontraído que o anterior, sem a carga tensa que o momento de retorno às atividades levou  ao emocional que cada um deles segurou. O som também estava melhor, fazendo fluir as canções dentro de um repertório ligeiramente mais reduzido. O vocalista se comunicou bem quando pôde com a audiência, puxando sempre em seguida um pouco das curiosas historias das musicas antes de toca-as. O som explosivo de Deep Waters, o punch certeiro e hit atemporal de Little Marchioness e os momentos psicodélicos de Why We Don't Kill Our Pets foram boas passagens ao longo de meia hora de apresentação, que arrancaram reações positivas de quem assistia a performance. I Can't Hardly Wait, deu um final com um pouco de suspense, mais explosão, peso e raiva musical ao show, deixando um gosto de quero mais e preparando o terreno para a próxima banda. Foi uma apresentação interessante, que também contou com o humor estranho e refinado das ruas da cidade baixa, que é característico do conjunto. Foi uma boa junção das duas coisas que funcionou bem.

            Na sequência e encerrando a noite, a BVEAODE fez o seu já conhecido som dentro da casa. Já perdi a conta de quantas vezes falei aqui sobre a dupla, mas sempre há algo novo, um elemento surpresa trazido pelos rapazes em seus shows. A sonoridade pomposa teve um impacto maior naquela noite, era um estrondo sonoro a cada riff de guitarra e a cada virada da bateria. Ouvir o duo bem de perto dos PA's tem seus benefícios, até porque a qualidade dos rapazes no tablado não machuca os ouvidos, foi como se ouvisse um estrondo vindo do céu em um dia de tempestade com trovões. Mulher Kriptonita teve uma apreciação diferenciada por estar na minha cabeça desde de manhã cedo, a versão de Dos Margaritas, do Paralamas do Sucesso, sempre pegando ouvidos mais atentos de surpresa e Chão Pisado e Olhos Virados mais pesadas e encorpadas como nunca, com a segunda ganhando mais profundidade na letra. A empolgação e o peso foram tão intensos que a caixa da bateria furou no meio da apresentação, mas nada comprometedor, muito pelo contrário, assim as coisas no rock também são muito boas. No final, volto a afirmar aqui o que já fiz em outras resenhas: os rapazes conseguiram mais adeptos para o seu crescente exército "búfalos".


            Terminada a noite e com a diversão sendo posta em dia pelos grupos, só restava voltar para casa e recarregar as baterias. O caminho de volta foi tranquilo, mas com espaço para assuntos que foram de BAVI a Esfera de Dyson. Especulação cósmica e gargalhadas também combinam uma com a outra.


*Matéria originalmente publicada em 19/10/2015.

Popular Posts

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”