Pular para o conteúdo principal

Como uma força da natureza.*


Salvador, meio de semana. Uma quinta feira com cara de quase final de semana, um início de noite levemente chuvosa na capital baiana e jogo da seleção brasileira contra a seleção da Bolívia pelas eliminatórias. Então o negócio era ficar em casa, certo? Negativo! A resposta é um não bem redondo, pois na cidade estava por acontecer o evento Noites de Radioca, no qual a aguardada grade da segunda edição do Festival Radioca, que acontece em dezembro, seria anunciada e, que traria como atração musical os sergipanos do The Baggios para esta ocasião. E se engana aquele que pensa que o nome da dupla tem relação com copa do mundo.

Na chegada no Portela Café dava para ver que o lugar estava cheio e fervilhando por uma boa noite de rock. Muita gente curiosa para saber das atrações do evento e arrisco em dizer que a mesma quantidade de pessoas ansiosas para ver a banda de perto novamente por aqui. Na casa, o dj El Cabong mandava temas da nova MPB e do rock baiano e nacional, enquanto algumas pessoas dançavam, bebericavam e conversavam sobre bateria. O papo é bom quando se juntam despretensiosamente quatro a cinco bateristas de uma vez só e eles conversam sobre o melhor instrumento do mundo (os outros também são ótimos, mas nesse momento não tenho como dizer o contrário, ok?!)

Anunciadas as atrações do festival com um vídeo bem criativo, que foram Josyara (BA), Retrofoguetes (BA), Jards Macalé (RJ), Karina Buhr (PE), Giovani Cidreira (BA), Carne Doce (GO), Aláfia (SP) e Dona Onete (PA), a The Baggios subiu ao palco para fazer o show de estreia da turnê do seu excelente e novíssimo álbum, Brutown. Na estrada há bastante tempo e bem calejada de apresentações, o duo sergipano, formado por Júlio Andrade e Gabriel Perninha, começou a sua apresentação acompanhado do tecladista Rafael Ramo com três canções conhecidas do bom público presente (uma delas foi O Azar Me Consome) arrebatando mentes de quem colava próximo ao tablado para vê-los. De cara foi mostrado que os rapazes estavam com vontade de fazer rock, bem à vontade na casa e isso foi percebido por uma audiência atenta e receptiva, que assistiu muito empolgada a sua performance do início ao fim.

Não demorou muito e eles começaram a mostrar as suas novas canções e como elas funcionam ao vivo. Brutown foi uma das primeiras a ser apresentada, assim como Medo, que teve direito a um bom duelo entre a guitarra e o teclado nela. Sangue e Lama com sua letra relacionada as tragédias ocorridas no distrito de Bento Rodrigues, na cidade de Mariana (MG), e na boate Bataclan (Paris) ganhou uma ótima roupagem ao vivo, com timbre de guitarra bastante fiel ao disco, assim como o som volumoso da bateria. Sem Condição empolgou e Esturra Leão empolgou mais ainda, ganhando uma versão mais esticada com a ajuda da plateia.

O final ficou por conta da versão deles para uma música do Alceu Valença, Vou Danado Pra Catende, com um clima mais psicodélico, porém ainda com energia e mais fôlego. Sendo essa a minha primeira jornada de perto com a banda, foi bom escutar um som encorpado e pesado ganhando mais volume na sua execução, com boa sonoridade e entrosamento. Uma música extremamente bem tocada, empolgante e visceral, tendo no desempenho do grupo alguns momentos de bom diálogo musical improvisado e de um certo mistério quando o chapéu do seu frontman caia sobre os seus olhos. Foi como uma força da natureza!

Terminado o show, o evento retomou o som que saía das pick-ups como acontecia no início da festa. Muita gente foi conferir os rapazes e muita gente continuou na casa para aproveitar como podia o resto da noite, bebendo um pouco mais e conversando um pouco mais, ainda na vibração do momento. Voltei para casa torcendo para que a seleção tivesse perdido o jogo, seria melhor. Mas não, ganhou de goleada. De madrugada teve até relâmpago e trovoada, mas nada mais sonoro do que a The Baggios.


*Matéria originalmente publicada em 09/10/2016.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida