Pular para o conteúdo principal

Como uma força da natureza.*


Salvador, meio de semana. Uma quinta feira com cara de quase final de semana, um início de noite levemente chuvosa na capital baiana e jogo da seleção brasileira contra a seleção da Bolívia pelas eliminatórias. Então o negócio era ficar em casa, certo? Negativo! A resposta é um não bem redondo, pois na cidade estava por acontecer o evento Noites de Radioca, no qual a aguardada grade da segunda edição do Festival Radioca, que acontece em dezembro, seria anunciada e, que traria como atração musical os sergipanos do The Baggios para esta ocasião. E se engana aquele que pensa que o nome da dupla tem relação com copa do mundo.

Na chegada no Portela Café dava para ver que o lugar estava cheio e fervilhando por uma boa noite de rock. Muita gente curiosa para saber das atrações do evento e arrisco em dizer que a mesma quantidade de pessoas ansiosas para ver a banda de perto novamente por aqui. Na casa, o dj El Cabong mandava temas da nova MPB e do rock baiano e nacional, enquanto algumas pessoas dançavam, bebericavam e conversavam sobre bateria. O papo é bom quando se juntam despretensiosamente quatro a cinco bateristas de uma vez só e eles conversam sobre o melhor instrumento do mundo (os outros também são ótimos, mas nesse momento não tenho como dizer o contrário, ok?!)

Anunciadas as atrações do festival com um vídeo bem criativo, que foram Josyara (BA), Retrofoguetes (BA), Jards Macalé (RJ), Karina Buhr (PE), Giovani Cidreira (BA), Carne Doce (GO), Aláfia (SP) e Dona Onete (PA), a The Baggios subiu ao palco para fazer o show de estreia da turnê do seu excelente e novíssimo álbum, Brutown. Na estrada há bastante tempo e bem calejada de apresentações, o duo sergipano, formado por Júlio Andrade e Gabriel Perninha, começou a sua apresentação acompanhado do tecladista Rafael Ramo com três canções conhecidas do bom público presente (uma delas foi O Azar Me Consome) arrebatando mentes de quem colava próximo ao tablado para vê-los. De cara foi mostrado que os rapazes estavam com vontade de fazer rock, bem à vontade na casa e isso foi percebido por uma audiência atenta e receptiva, que assistiu muito empolgada a sua performance do início ao fim.

Não demorou muito e eles começaram a mostrar as suas novas canções e como elas funcionam ao vivo. Brutown foi uma das primeiras a ser apresentada, assim como Medo, que teve direito a um bom duelo entre a guitarra e o teclado nela. Sangue e Lama com sua letra relacionada as tragédias ocorridas no distrito de Bento Rodrigues, na cidade de Mariana (MG), e na boate Bataclan (Paris) ganhou uma ótima roupagem ao vivo, com timbre de guitarra bastante fiel ao disco, assim como o som volumoso da bateria. Sem Condição empolgou e Esturra Leão empolgou mais ainda, ganhando uma versão mais esticada com a ajuda da plateia.

O final ficou por conta da versão deles para uma música do Alceu Valença, Vou Danado Pra Catende, com um clima mais psicodélico, porém ainda com energia e mais fôlego. Sendo essa a minha primeira jornada de perto com a banda, foi bom escutar um som encorpado e pesado ganhando mais volume na sua execução, com boa sonoridade e entrosamento. Uma música extremamente bem tocada, empolgante e visceral, tendo no desempenho do grupo alguns momentos de bom diálogo musical improvisado e de um certo mistério quando o chapéu do seu frontman caia sobre os seus olhos. Foi como uma força da natureza!

Terminado o show, o evento retomou o som que saía das pick-ups como acontecia no início da festa. Muita gente foi conferir os rapazes e muita gente continuou na casa para aproveitar como podia o resto da noite, bebendo um pouco mais e conversando um pouco mais, ainda na vibração do momento. Voltei para casa torcendo para que a seleção tivesse perdido o jogo, seria melhor. Mas não, ganhou de goleada. De madrugada teve até relâmpago e trovoada, mas nada mais sonoro do que a The Baggios.


*Matéria originalmente publicada em 09/10/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…