Pular para o conteúdo principal

Creia na palavra!*


Não é de agora que música e literatura andam juntas e de mãos dadas. Ao longo dos anos ambos vêm influenciando um ao outro, muito mais o segundo sobre o primeiro, e discos ou musicas inspirados em poetas, romancistas e obras literárias surgem frequentemente de tempos em tempos. Assim foi com Maria Bethania, que recentemente lançou a obra “O Vento Lá Fora”, divulgando a obra do Fernando Pessoa e, mais recentemente ainda, com o Tony Lopes homenageando a poesia boêmia e marginal do velho safado Charles Bukowski.

Desta vez no comando da sua banda virtual, Os Elefantes Elegantes, o Reverendo T musica alguns poemas deste que é um dos escritores mais cultuados no mundo inteiro. Tendo extraído-os dos livros “O Amor é Tudo que Dissemos que Não Era” e “Esta Loucura Roubada que Não Desejo a Ninguém a Não Ser a Mim Mesmo Amém”, e com tradução do Fernando Koprosky, o disco intitulado “Os Elefantes Elegantes Mergulham na Poesia Ácida de Charles Bukowski” é uma grande viagem pelo mundo do literato e é uma boa oportunidade para apreciar os seus versos. Mesmo o ouvinte sendo já iniciado, ou não, no universo bukowskiano.

O disco tem bons momentos e a voz sussurrada, aspecto já característico nos trabalhos do Tony Lopes, dá um tom especial as interpretações dos poemas. “O Homem ao Piano” traz bem o clima solitário e melancólico do instrumentista em sua labuta, em “Garotas Quietas” pinta um quadro vertiginoso sobre a condição do autor em aguardar a sua mulher ideal enquanto tantas outras desviadas aparecem no seu caminho, “Estilo” é um dos bons momentos do cd com o próprio Tony Lopes incluindo, de forma bem justa até, um verso extra no poema. “Rugindo” tem musicalidade suave que casa bem com o poema, já em “Jogue os Dados” um sax afrobeat da um tom de mantra sendo marcado por um sintetizador, “Criar Arte” é mais frenética e com guitarras distorcidas traduzindo bem a acidez dos versos.

“Conselho de Amigo” é mais uma que se destaca no disco, muito pelas palavras e também pela interpretação pausada do Reverendo T, “Evidencia” é misteriosa e reveladora ao mesmo tempo e “Nós, Dinossauros” tem o clima mais deprê do disco e isso não poderia ser diferente ao interpretar versos como “nascemos nisso/em hospitais tão caros que á mais barato morrer/em advogados que cobram tanto/que é mais barato se declarar culpado”. “Sim, sim” tem uma levada swingada e palpita sobre as criações de Deus, em “A Crise” uma bela canção faz uma bela roupagem para os versos verdadeiros do Bukowski e “Palavras Bonitas” traz mais uma verdade do universo, que é a de que qualquer um, inclusive palavras e mulheres bonitas, também enrugam e morrem.

Mesmo com um bom desfecho o álbum peca um pouco pela sonoridade. Seria mais interessante e satisfatório se fosse mais orgânico, tocado por uma banda real, assim como foi o ótimo “Azul Profundo” do Reverendo T e os Discípulos Descrentes. Mas o disco todo tem interpretações inspiradíssimas de um artista que tem propriedade nos assuntos rock e poesia. Tony Lopes soube escolher bem os poemas para interpreta-los e também soube dar a roupagem ideal para cada um deles.


O resultado agrada no que se refere ao clima que se consegue com a junção das canções com os poemas do autor e fazem o ouvinte entrar bem nesse universo sem deixar de se divertir. A ilustração da capa, feita pelo artista Bruno Aziz, fortalece ainda mais esse ponto. Esta é uma boa e diferente oportunidade para apreciar as palavras do Charles Bukowski.


*Matéria originalmente publicada em 01/06/2015

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso