Pular para o conteúdo principal

Creia na palavra!*


Não é de agora que música e literatura andam juntas e de mãos dadas. Ao longo dos anos ambos vêm influenciando um ao outro, muito mais o segundo sobre o primeiro, e discos ou musicas inspirados em poetas, romancistas e obras literárias surgem frequentemente de tempos em tempos. Assim foi com Maria Bethania, que recentemente lançou a obra “O Vento Lá Fora”, divulgando a obra do Fernando Pessoa e, mais recentemente ainda, com o Tony Lopes homenageando a poesia boêmia e marginal do velho safado Charles Bukowski.

Desta vez no comando da sua banda virtual, Os Elefantes Elegantes, o Reverendo T musica alguns poemas deste que é um dos escritores mais cultuados no mundo inteiro. Tendo extraído-os dos livros “O Amor é Tudo que Dissemos que Não Era” e “Esta Loucura Roubada que Não Desejo a Ninguém a Não Ser a Mim Mesmo Amém”, e com tradução do Fernando Koprosky, o disco intitulado “Os Elefantes Elegantes Mergulham na Poesia Ácida de Charles Bukowski” é uma grande viagem pelo mundo do literato e é uma boa oportunidade para apreciar os seus versos. Mesmo o ouvinte sendo já iniciado, ou não, no universo bukowskiano.

O disco tem bons momentos e a voz sussurrada, aspecto já característico nos trabalhos do Tony Lopes, dá um tom especial as interpretações dos poemas. “O Homem ao Piano” traz bem o clima solitário e melancólico do instrumentista em sua labuta, em “Garotas Quietas” pinta um quadro vertiginoso sobre a condição do autor em aguardar a sua mulher ideal enquanto tantas outras desviadas aparecem no seu caminho, “Estilo” é um dos bons momentos do cd com o próprio Tony Lopes incluindo, de forma bem justa até, um verso extra no poema. “Rugindo” tem musicalidade suave que casa bem com o poema, já em “Jogue os Dados” um sax afrobeat da um tom de mantra sendo marcado por um sintetizador, “Criar Arte” é mais frenética e com guitarras distorcidas traduzindo bem a acidez dos versos.

“Conselho de Amigo” é mais uma que se destaca no disco, muito pelas palavras e também pela interpretação pausada do Reverendo T, “Evidencia” é misteriosa e reveladora ao mesmo tempo e “Nós, Dinossauros” tem o clima mais deprê do disco e isso não poderia ser diferente ao interpretar versos como “nascemos nisso/em hospitais tão caros que á mais barato morrer/em advogados que cobram tanto/que é mais barato se declarar culpado”. “Sim, sim” tem uma levada swingada e palpita sobre as criações de Deus, em “A Crise” uma bela canção faz uma bela roupagem para os versos verdadeiros do Bukowski e “Palavras Bonitas” traz mais uma verdade do universo, que é a de que qualquer um, inclusive palavras e mulheres bonitas, também enrugam e morrem.

Mesmo com um bom desfecho o álbum peca um pouco pela sonoridade. Seria mais interessante e satisfatório se fosse mais orgânico, tocado por uma banda real, assim como foi o ótimo “Azul Profundo” do Reverendo T e os Discípulos Descrentes. Mas o disco todo tem interpretações inspiradíssimas de um artista que tem propriedade nos assuntos rock e poesia. Tony Lopes soube escolher bem os poemas para interpreta-los e também soube dar a roupagem ideal para cada um deles.


O resultado agrada no que se refere ao clima que se consegue com a junção das canções com os poemas do autor e fazem o ouvinte entrar bem nesse universo sem deixar de se divertir. A ilustração da capa, feita pelo artista Bruno Aziz, fortalece ainda mais esse ponto. Esta é uma boa e diferente oportunidade para apreciar as palavras do Charles Bukowski.


*Matéria originalmente publicada em 01/06/2015

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…