Débitos em dia.*


A última sexta foi mais uma Sexta From Hell e o Portal Soterorock foi conferir como foi o evento que ocorre sempre no início do final de semana, lá no The Other Place, na garagem do Hell’s Angels. Com uma programação pronta para praticamente todo o ano, a festa já vem se consolidando na cena e atraindo mais gente a cada edição. Nessa ocasião em especial, o line up tinha bandas que há muito tempo o site devia uma visita a seus shows.

Esse débito para uma das bandas, já existia desde os primórdios do site, quando começamos a dar mais espaço para bandas locais. A Jato Invisível foi um dos primeiros grupos a ser citado por aqui e desde então muita pedra rolou em datas e desencontros para ver o quarteto em ação ao vivo. Mas enfim aconteceu. A outra banda foi a Pâncreas, que já tinha um bom tempo sem vê-los ao vivo (desde 2014, no Palco do Rock) e só agora realizamos essa presença no show dos caras depois de mais de dois anos.

Quem abriu os trabalhos foi a Jato Invisível. Tocando junto há bastante tempo, o conjunto de Lauro de Freitas se saiu bem fazendo uma apresentação bem empolgante, fazendo um punk rock de canções autorais e alguns covers de boa presença, como o Me Perco Nesse Tempo, das Mercenárias. O baterista é um membro recente na banda, porém o entrosamento da cozinha se mostrou bem encaixado com a guitarra e o ânimo não caiu durante toda a apresentação. A canção Remédio foi um ponto alto da performance, assim como o baixo sendo trocado de mãos entre o Alex e a Sioux enquanto um dos dois assumia os vocais. Bem no final da apresentação eles tiveram um pequeno problema com o cabo do microfone, mas isso não era de responsabilidade deles e também não tirou a graça da performance.

Depois a Pâncreas subiu ao palco e fez um show igualmente animada. Com um bom humor já conhecido da banda, os quatro rapazes fizeram um bom punk rock que esquentou o lugar e me fez lembrar do primeiro momento que os vi anos atrás. Eles estão mais entrosados e o seu show em um palco menor melhora o seu desempenho. Rio Acima, A Morte te dá as Mãos e as versões de Remédio (Jato Invisível) e Help (Beatles) foram bons momentos. Teve telefone celular do guitarrista tocando antes de Eu Quero Você pra Mim, que parece ter legitimado a letra na qual, segundo Shinna (vocal), foi feita baseada na condição de assédio vivida constantemente pelo seu companheiro de banda. Mais uma boa e divertida performance.

Fechando a noite ainda teve a Ronco, que havia menos tempo tendo sido visitada, mas que trouxe uma boa surpresa em seu repertório. Mesmo ditando um ritmo diferente dos grupos anteriores, menos acelerado e não menos bom, o trio fez o seu stoner rock bem feito e cada vez mais calejado nos palcos daqui. Prezando por uma boa sonoridade ao vivo, os rapazes parecem mais íntimos com sua música, arriscando mais nuances que antes não faziam nelas e deixando o som mais redondo. Daikiri ficou bem interessante e A Suicida está cada vez mais psicodélica em seu interlúdio. A surpresa ficou a cargo da inclusão de um cover no seu set list (se eu não me engane é o primeiro cover que eles botam em um show), onde, assim como a Pâncreas fez com a Jato Invisível em Remédio, a Ronco tocou Santa Poeira, dos feirenses da Novelta. Mandou bem e agradou muita gente.


Ao fim, débitos foram pagos em uma noite boa para se curtir um bom rock na cidade. Foi divertido, surpreendeu em alguns momentos e mostrou a boa qualidade que a cena desfruta atualmente. O bar ainda tocava um bluegrass acelerado enquanto algumas pessoas ainda conversavam sobre os sons e outras jogavam sinuca. Belas motos ainda podiam ser admiradas, mas o tempo corria e o taxista da vez parecia querer quebrar essa velocidade de tão rápido que estava. Quase viajei no tempo, mas só quase!


*Matéria originalmente publicada em 18/04/2016.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas