Pular para o conteúdo principal

Débitos em dia.*


A última sexta foi mais uma Sexta From Hell e o Portal Soterorock foi conferir como foi o evento que ocorre sempre no início do final de semana, lá no The Other Place, na garagem do Hell’s Angels. Com uma programação pronta para praticamente todo o ano, a festa já vem se consolidando na cena e atraindo mais gente a cada edição. Nessa ocasião em especial, o line up tinha bandas que há muito tempo o site devia uma visita a seus shows.

Esse débito para uma das bandas, já existia desde os primórdios do site, quando começamos a dar mais espaço para bandas locais. A Jato Invisível foi um dos primeiros grupos a ser citado por aqui e desde então muita pedra rolou em datas e desencontros para ver o quarteto em ação ao vivo. Mas enfim aconteceu. A outra banda foi a Pâncreas, que já tinha um bom tempo sem vê-los ao vivo (desde 2014, no Palco do Rock) e só agora realizamos essa presença no show dos caras depois de mais de dois anos.

Quem abriu os trabalhos foi a Jato Invisível. Tocando junto há bastante tempo, o conjunto de Lauro de Freitas se saiu bem fazendo uma apresentação bem empolgante, fazendo um punk rock de canções autorais e alguns covers de boa presença, como o Me Perco Nesse Tempo, das Mercenárias. O baterista é um membro recente na banda, porém o entrosamento da cozinha se mostrou bem encaixado com a guitarra e o ânimo não caiu durante toda a apresentação. A canção Remédio foi um ponto alto da performance, assim como o baixo sendo trocado de mãos entre o Alex e a Sioux enquanto um dos dois assumia os vocais. Bem no final da apresentação eles tiveram um pequeno problema com o cabo do microfone, mas isso não era de responsabilidade deles e também não tirou a graça da performance.

Depois a Pâncreas subiu ao palco e fez um show igualmente animada. Com um bom humor já conhecido da banda, os quatro rapazes fizeram um bom punk rock que esquentou o lugar e me fez lembrar do primeiro momento que os vi anos atrás. Eles estão mais entrosados e o seu show em um palco menor melhora o seu desempenho. Rio Acima, A Morte te dá as Mãos e as versões de Remédio (Jato Invisível) e Help (Beatles) foram bons momentos. Teve telefone celular do guitarrista tocando antes de Eu Quero Você pra Mim, que parece ter legitimado a letra na qual, segundo Shinna (vocal), foi feita baseada na condição de assédio vivida constantemente pelo seu companheiro de banda. Mais uma boa e divertida performance.

Fechando a noite ainda teve a Ronco, que havia menos tempo tendo sido visitada, mas que trouxe uma boa surpresa em seu repertório. Mesmo ditando um ritmo diferente dos grupos anteriores, menos acelerado e não menos bom, o trio fez o seu stoner rock bem feito e cada vez mais calejado nos palcos daqui. Prezando por uma boa sonoridade ao vivo, os rapazes parecem mais íntimos com sua música, arriscando mais nuances que antes não faziam nelas e deixando o som mais redondo. Daikiri ficou bem interessante e A Suicida está cada vez mais psicodélica em seu interlúdio. A surpresa ficou a cargo da inclusão de um cover no seu set list (se eu não me engane é o primeiro cover que eles botam em um show), onde, assim como a Pâncreas fez com a Jato Invisível em Remédio, a Ronco tocou Santa Poeira, dos feirenses da Novelta. Mandou bem e agradou muita gente.


Ao fim, débitos foram pagos em uma noite boa para se curtir um bom rock na cidade. Foi divertido, surpreendeu em alguns momentos e mostrou a boa qualidade que a cena desfruta atualmente. O bar ainda tocava um bluegrass acelerado enquanto algumas pessoas ainda conversavam sobre os sons e outras jogavam sinuca. Belas motos ainda podiam ser admiradas, mas o tempo corria e o taxista da vez parecia querer quebrar essa velocidade de tão rápido que estava. Quase viajei no tempo, mas só quase!


*Matéria originalmente publicada em 18/04/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…