É para ficar de boa mesmo.*


            A Callangazoo é uma banda da qual gosto de escrever. Além de gostar do seu som, ela é uma das mais ativas do cenário, seja fazendo shows, ou gravando disco (um a cada ano desde o início de suas atividades) e até mesmo agindo diferente na forma de divulgação do seu trabalho, correndo atrás dos meios que podem levar as suas musicas para lugares cada vez mais distantes e fazendo valer cada esforço nesse sentido. É justo ela ter espaço por aqui sempre que lança algo novo.

            O Dipatchara é a continuidade da musica cada vez mais cheia de personalidade que os rapazes fazem. O rock ensolarado, de arranjos divertidos e swingados estão presentes nesse disco de forma mais madura e mais redonda. Ele não se difere tanto dos demais trabalhos, porém, isso não é um aspecto negativo nos calangos azuis. É até bom e interessante, porque acompanhar a evolução de um grupo como esse, atesta que há uma identidade sendo formada e cada vez mais forte. Ainda mais que novos elementos se inserem dentro dessas novas composições.

            O EP abre com O Princípio é a Intenção com uma guitarra de pegada setentista em uma roupagem pop bem adequada para tocar no radio, isso antes de cair no balanço dançante do baixo, seguido de viradas de bateria e de um solo de guitarra já característico da banda. A faixa título tem uma introdução que lembra algo feito pelo Alceu Valença quando este era chamado de "o príncipe do pop nacional" e traz a essência bem humorada e suave da banda dando as caras na obra. Espero Ter Você Ali começa mais rock com um efeito trêmulo na guitarra e riffs assobiáveis e uma boa letra que versa sobre como as coisas ficam bem quando se está acompanhado por alguém que se gosta. Em Jenesequá o grupo introduz pela primeira vez a influência da literatura em sua música, com o texto dessa faixa sendo inspirado no conto "Jenesequá: uma parábola", do Luis Fernando Veríssimo. A canção tem uma levada boa, backing vocals bem colocados e um banjo, todos eles formando uma trilha sonora de um interessante western. Redoma fecha o disco e traz consigo uma valsa envolvente e sinuosa que poderia ser esticada mais um pouquinho, misturada com o rock bem típico dos rapazes.


            Como os outros, Dipatchara é um disco que, mesmo sendo um pouco mais sério do que os anteriores, anima e deixa um dia de sol mais claro, assim como um fim de tarde mais suave no balanço da rede e na caminhada casual, sozinho ou bem acompanhado. A produção do Irmão Carlos colaborou bastante para o disco ter a sonoridade que ganhou e as novas influencias que os integrantes trouxeram para dentro da banda deu um diferencial muito significativo ao som da Callangazoo. A arte da capa, feita pelo artista Marceleza de Castilho, que é tipo uma mandala caleidoscópica, embeleza e se liga bem ao conceito do disco. Escute e fique de boa! Escute e fique dipatchara!


*Matéria originalmente publicada em 10/11/2015.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Curumin Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Far From Alaska Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jadsa Castro Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lívia Nery Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Metá Metá Modus Operandi Mopho Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Paul McCartney Pesadelo Pio Lobato Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Quartabê Radioca Raimundo Sodré Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rincon Sapiencia Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Soterorock Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas