Pular para o conteúdo principal

É para ficar de boa mesmo.*


            A Callangazoo é uma banda da qual gosto de escrever. Além de gostar do seu som, ela é uma das mais ativas do cenário, seja fazendo shows, ou gravando disco (um a cada ano desde o início de suas atividades) e até mesmo agindo diferente na forma de divulgação do seu trabalho, correndo atrás dos meios que podem levar as suas musicas para lugares cada vez mais distantes e fazendo valer cada esforço nesse sentido. É justo ela ter espaço por aqui sempre que lança algo novo.

            O Dipatchara é a continuidade da musica cada vez mais cheia de personalidade que os rapazes fazem. O rock ensolarado, de arranjos divertidos e swingados estão presentes nesse disco de forma mais madura e mais redonda. Ele não se difere tanto dos demais trabalhos, porém, isso não é um aspecto negativo nos calangos azuis. É até bom e interessante, porque acompanhar a evolução de um grupo como esse, atesta que há uma identidade sendo formada e cada vez mais forte. Ainda mais que novos elementos se inserem dentro dessas novas composições.

            O EP abre com O Princípio é a Intenção com uma guitarra de pegada setentista em uma roupagem pop bem adequada para tocar no radio, isso antes de cair no balanço dançante do baixo, seguido de viradas de bateria e de um solo de guitarra já característico da banda. A faixa título tem uma introdução que lembra algo feito pelo Alceu Valença quando este era chamado de "o príncipe do pop nacional" e traz a essência bem humorada e suave da banda dando as caras na obra. Espero Ter Você Ali começa mais rock com um efeito trêmulo na guitarra e riffs assobiáveis e uma boa letra que versa sobre como as coisas ficam bem quando se está acompanhado por alguém que se gosta. Em Jenesequá o grupo introduz pela primeira vez a influência da literatura em sua música, com o texto dessa faixa sendo inspirado no conto "Jenesequá: uma parábola", do Luis Fernando Veríssimo. A canção tem uma levada boa, backing vocals bem colocados e um banjo, todos eles formando uma trilha sonora de um interessante western. Redoma fecha o disco e traz consigo uma valsa envolvente e sinuosa que poderia ser esticada mais um pouquinho, misturada com o rock bem típico dos rapazes.


            Como os outros, Dipatchara é um disco que, mesmo sendo um pouco mais sério do que os anteriores, anima e deixa um dia de sol mais claro, assim como um fim de tarde mais suave no balanço da rede e na caminhada casual, sozinho ou bem acompanhado. A produção do Irmão Carlos colaborou bastante para o disco ter a sonoridade que ganhou e as novas influencias que os integrantes trouxeram para dentro da banda deu um diferencial muito significativo ao som da Callangazoo. A arte da capa, feita pelo artista Marceleza de Castilho, que é tipo uma mandala caleidoscópica, embeleza e se liga bem ao conceito do disco. Escute e fique de boa! Escute e fique dipatchara!


*Matéria originalmente publicada em 10/11/2015.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...