Pular para o conteúdo principal

Em ondas calmas.*


            Mais uma primavera chegou para o André L. R. Mendes e com ela mais um disco para contabilizar na sua inspirada carreira solo. Arquipélago é o quinto cd que o ex-integrante do Maria Bacana acaba de lançar e está preenchido por nove canções com as ja conhecidas leveza e sutileza há muito presentes nas composições do cantor.

            De sua geração, André é um dos artistas mais produtivos na cena tendo lançando um disco a cada ano já há meia década, e que faz do seu trabalho algo significativo e cheio de sentido, e não um passatempo introspectivo. Acredito que a sua música também seja um bom passatempo para ele enquanto o mesmo a faz, mas não é algo que ele guarde sob sete chaves, ou que se sabote com ela.

            Novamente produzido por ele mesmo e utilizando os mesmos recursos que o disco anterior (instrumentos orgânicos, programação de bateria e um iPad), Arquipélago consegue se diferenciar do seu antecessor por dar mais destaque para os instrumentos de corda. Em "Leveza", a primeira a ser disponibilizada na web, a similaridade com Surfbudismo (2014) ainda é bem forte, já em "Casa" o novo trabalho começa a se diferenciar já com a inclusão de um ukelele e com uma ótima letra de boas vindas. Em "As Palaveras Andantes" os sintetizadores e as programações voltam de forma discreta, mas as cordas se mantêm no primeiro plano.

            "Passarinho" tem uma bela melodia bem influenciada por composições beatle e "O Martelo do Tempo" guarda algo hispanico nas suas entrelinhas e um solo de guitarra suave que é bom de escutar mais de uma vez. Em "A Hora de Nascer o Amor" e "O Amor Não se Perde" o cd tem a sua passagem mais romantica, sendo a primeira um pouco mais intimista e a segunda possuindo uma boa base de baixo e bateria, e que vai ganhando um climax maior até o seu final, sendo assim um bom potencial radiofonico. O disco se encerra com "Coração Bater", música assobiável que lembra uma canção de ninar e que possui um ótimo e inspirado solo de violão.

            Arquipélago pode agradar aquele que é grego ou que é troiano, que é de direita ou de esquerda, e mostra uma evolução natural nas composições do André L. R. Mendes. A temátia do amor é algo recorrente em seus discos e cai muito bem nos ouvidos das pessoas em tempos de extremismos. Outra caracteristica que não foi deixada de lado aqui é a atmosfera calma das músicas que está presente o tempo todo. É uma boa trilha para um final de tarde ou dias de chuva fina. Para quem procura muita agitação este não é o caminho a ser seguido, mas se preferir seguir pode gostar do que vai ouvir.

Conheça a música de Andre L. R. Mendes: http://www.andremendesmusica.com.br/


*Matéria originalmente publicada em 23/07/2015

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso