Pular para o conteúdo principal

Em ondas calmas.*


            Mais uma primavera chegou para o André L. R. Mendes e com ela mais um disco para contabilizar na sua inspirada carreira solo. Arquipélago é o quinto cd que o ex-integrante do Maria Bacana acaba de lançar e está preenchido por nove canções com as ja conhecidas leveza e sutileza há muito presentes nas composições do cantor.

            De sua geração, André é um dos artistas mais produtivos na cena tendo lançando um disco a cada ano já há meia década, e que faz do seu trabalho algo significativo e cheio de sentido, e não um passatempo introspectivo. Acredito que a sua música também seja um bom passatempo para ele enquanto o mesmo a faz, mas não é algo que ele guarde sob sete chaves, ou que se sabote com ela.

            Novamente produzido por ele mesmo e utilizando os mesmos recursos que o disco anterior (instrumentos orgânicos, programação de bateria e um iPad), Arquipélago consegue se diferenciar do seu antecessor por dar mais destaque para os instrumentos de corda. Em "Leveza", a primeira a ser disponibilizada na web, a similaridade com Surfbudismo (2014) ainda é bem forte, já em "Casa" o novo trabalho começa a se diferenciar já com a inclusão de um ukelele e com uma ótima letra de boas vindas. Em "As Palaveras Andantes" os sintetizadores e as programações voltam de forma discreta, mas as cordas se mantêm no primeiro plano.

            "Passarinho" tem uma bela melodia bem influenciada por composições beatle e "O Martelo do Tempo" guarda algo hispanico nas suas entrelinhas e um solo de guitarra suave que é bom de escutar mais de uma vez. Em "A Hora de Nascer o Amor" e "O Amor Não se Perde" o cd tem a sua passagem mais romantica, sendo a primeira um pouco mais intimista e a segunda possuindo uma boa base de baixo e bateria, e que vai ganhando um climax maior até o seu final, sendo assim um bom potencial radiofonico. O disco se encerra com "Coração Bater", música assobiável que lembra uma canção de ninar e que possui um ótimo e inspirado solo de violão.

            Arquipélago pode agradar aquele que é grego ou que é troiano, que é de direita ou de esquerda, e mostra uma evolução natural nas composições do André L. R. Mendes. A temátia do amor é algo recorrente em seus discos e cai muito bem nos ouvidos das pessoas em tempos de extremismos. Outra caracteristica que não foi deixada de lado aqui é a atmosfera calma das músicas que está presente o tempo todo. É uma boa trilha para um final de tarde ou dias de chuva fina. Para quem procura muita agitação este não é o caminho a ser seguido, mas se preferir seguir pode gostar do que vai ouvir.

Conheça a música de Andre L. R. Mendes: http://www.andremendesmusica.com.br/


*Matéria originalmente publicada em 23/07/2015

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...