Pular para o conteúdo principal

Energia, carisma e espontaneidade.*


          O dia foi corrido, mas deu para chegar a tempo de assistir o inicio das apresentações de mais uma noite do Warm Up Festival: Big Bands, que ocorreu neste último sábado no Dubliners Irish Pub. O lugar estava cheio, porém se esperava que o publico fosse aparecer em maior número por conta das atrações da noite.

            Considerando que no dia teve mais dois eventos voltados para um mesmo público, o pub estava com um numero considerável de pessoas. Antes das bandas houve tempo para bater um bom papo sobre a cena, escutar um setlist escolhido com muito cuidado e apreço pelo dj da casa e constatar que Camaçari é a capital baiana do indie.

            Com um line up contendo quatro bandas, a noite já sinalizava ser longa, portanto, o primeiro grupo se apresentou no horário exato que foi divulgado. A Tsunami fez uma apresentação muito boa do seu estilo nonsense, há muito proposto nas gravações de suas músicas. Com uma postura "não-banda" (inclusive não possuindo uma formação fixa), a Tsunami foi descontruindo as suas canções e as refazendo dentro de um experimento de improviso bem sucedido, em meio ao caos sonoro do seu som e dos vocais raivosos do Paulo Diniz. Antes da última música o vocalista fez uma discreta e bela homenagem ao idealizador/fundador do projeto, Maicon Charles. Muito bom!

            Depois foi a vez da Wry (SP) subir ao palco para tocar seu aguardado som britpop e shoegaze. Há um bom tempo sem tocar em terras baianas, tudo ja indicava que a banda faria um bom show mesmo antes do primeiro acorde. O carismático vocalista Mario Bross conseguiu quebrar o gelo com a audiencia os chamando para frente do palco, para que as vibrações do ambiente pudessem ser trocadas de forma mais intensa. Funcionou! As pessoas respondiam muito bem ao som dos paulistanos que chegaram ate a se misturar com a plateia nos últimos instantes do show. Foi um bom momento a sequência final com "Sister" e "Under the Sky".

            A terceira banda a se apresentar na sequência foi aquela que botou a noite no bolso. Da cidade de Alagoinhas, a Inventura foi para o tablado com uma vontade grande de fazer rock, dava para ver perfeitamente o sangue nos olhos dos rapazes. Com um repertório fincado no seu disco de estréia, tendo espaço para a versão de "Abre-te Sésamo", do Raul Seixas, e mostrando um bom entrosamento, o trio soa mais pesado e energético ao vivo. Foi uma música atrás da outra sem perder o ritmo. Se deixasse, a banda tocava mais quarenta e cinco minutos brincando, e sem se cansar. Com um rock bem elaborado para quem não gosta de ficar parado, os alagoinhenses agradaram em cheio a quem os assistiu. Foi uma grande apresentação.

            Finalizando a noite às três e meia da manhã, a Teenage Buzz fez um show com algumas adversidades. Sem o tecladista e sem o baixista original por conta de compromissos pessoais, e com um dos vocalistas com problema na garganta, a banda conseguiu se superar e fazer uma boa apresentação. Poucos ficaram para ver o som britpop dos rapazes, que tocaram no seu setlist músicas do seu disco de estréia recém lançado, mas deu para animar bem o final da festa.


            Foi, de fato, uma noite inspirada. O elemento espontaneidade e, algumas vezes, o elemento improviso estavam presentes no lugar e se mostraram extremamente importantes para as bandas e para o evento em si. Isso é um grande trunfo para o rock. Valeu a pena a correria do dia.


*Matéria originalmente publicada em 02/08/2015.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…