Pular para o conteúdo principal

Energia, carisma e espontaneidade.*


          O dia foi corrido, mas deu para chegar a tempo de assistir o inicio das apresentações de mais uma noite do Warm Up Festival: Big Bands, que ocorreu neste último sábado no Dubliners Irish Pub. O lugar estava cheio, porém se esperava que o publico fosse aparecer em maior número por conta das atrações da noite.

            Considerando que no dia teve mais dois eventos voltados para um mesmo público, o pub estava com um numero considerável de pessoas. Antes das bandas houve tempo para bater um bom papo sobre a cena, escutar um setlist escolhido com muito cuidado e apreço pelo dj da casa e constatar que Camaçari é a capital baiana do indie.

            Com um line up contendo quatro bandas, a noite já sinalizava ser longa, portanto, o primeiro grupo se apresentou no horário exato que foi divulgado. A Tsunami fez uma apresentação muito boa do seu estilo nonsense, há muito proposto nas gravações de suas músicas. Com uma postura "não-banda" (inclusive não possuindo uma formação fixa), a Tsunami foi descontruindo as suas canções e as refazendo dentro de um experimento de improviso bem sucedido, em meio ao caos sonoro do seu som e dos vocais raivosos do Paulo Diniz. Antes da última música o vocalista fez uma discreta e bela homenagem ao idealizador/fundador do projeto, Maicon Charles. Muito bom!

            Depois foi a vez da Wry (SP) subir ao palco para tocar seu aguardado som britpop e shoegaze. Há um bom tempo sem tocar em terras baianas, tudo ja indicava que a banda faria um bom show mesmo antes do primeiro acorde. O carismático vocalista Mario Bross conseguiu quebrar o gelo com a audiencia os chamando para frente do palco, para que as vibrações do ambiente pudessem ser trocadas de forma mais intensa. Funcionou! As pessoas respondiam muito bem ao som dos paulistanos que chegaram ate a se misturar com a plateia nos últimos instantes do show. Foi um bom momento a sequência final com "Sister" e "Under the Sky".

            A terceira banda a se apresentar na sequência foi aquela que botou a noite no bolso. Da cidade de Alagoinhas, a Inventura foi para o tablado com uma vontade grande de fazer rock, dava para ver perfeitamente o sangue nos olhos dos rapazes. Com um repertório fincado no seu disco de estréia, tendo espaço para a versão de "Abre-te Sésamo", do Raul Seixas, e mostrando um bom entrosamento, o trio soa mais pesado e energético ao vivo. Foi uma música atrás da outra sem perder o ritmo. Se deixasse, a banda tocava mais quarenta e cinco minutos brincando, e sem se cansar. Com um rock bem elaborado para quem não gosta de ficar parado, os alagoinhenses agradaram em cheio a quem os assistiu. Foi uma grande apresentação.

            Finalizando a noite às três e meia da manhã, a Teenage Buzz fez um show com algumas adversidades. Sem o tecladista e sem o baixista original por conta de compromissos pessoais, e com um dos vocalistas com problema na garganta, a banda conseguiu se superar e fazer uma boa apresentação. Poucos ficaram para ver o som britpop dos rapazes, que tocaram no seu setlist músicas do seu disco de estréia recém lançado, mas deu para animar bem o final da festa.


            Foi, de fato, uma noite inspirada. O elemento espontaneidade e, algumas vezes, o elemento improviso estavam presentes no lugar e se mostraram extremamente importantes para as bandas e para o evento em si. Isso é um grande trunfo para o rock. Valeu a pena a correria do dia.


*Matéria originalmente publicada em 02/08/2015.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...