Pular para o conteúdo principal

Estranheza, rock e ocupe o Pelourinho.*


            Tava meio estranho o Pelourinho nessa sexta. Caminhei do inicio da Avenida Carlos Gomes até o centro histórico e o habitual agitado movimento corriqueiro daquela parte da cidade não estava lá. Uma ou outra pessoa subia comigo a Praça Castro Alves em direção a Praça da Sé e quanto mais me aproximava do Terreiro de Jesus, parecia que o lugar estava ainda mais vazio. Dava até para ouvir o vento frio passando por entre as árvores de lá. Porque? Feriado? Talvez. Crise? Talvez. Medo? Talvez. Descuido com o lugar e com a sua imagem na mídia? Talvez.

            O fato é que foi até difícil de encontrar uma baiana do acarajé que estivesse vendendo um abará para eu poder forrar o meu estômago. Mas achei! E comi bem devagar vendo a baiana voltar a receber os cuidados da sua pedicure, cuidados que interrompi quando cheguei. Um som de voz e violão solitário, com uma paletada que lembrava o Caetano e que ecoava ao longe, foi a trilha sonora do momento e foi a mesma que me guiou para a o Largo Pedro Arcanjo para conferir as bandas Squadro, Circo Litoral e O Terno (SP).

            Salientando que o Pelourinho é muito bem policiado, o caminho até o local do show não teve uma paisagem muito diferente. Ainda com o gosto do quitute baiano na boca adentrei no lugar que tinha pouquíssima gente. Uma pequena parte do espaço havia sido reservada para acomodar uma festa de formatura que começou após o termino do evento, mas que não atrapalhou em nada. As pessoas chegavam devagar e muitos do que foram já estavam presentes antes da primeira banda tocar. Depois de uma certa espera a Squadro subiu ao palco e fez um som bem fincado em bandas brasileiras da década de 1980. Dava para perceber essas influências em algumas melodias e em boa parte no estilo vocal do seu frontman, onde ficaram claras as referências de Barão Vermelho (fase Frejat), Cazuza e Renato Russo. O som do palco não ajudou muito, deixando a música com um aspecto vazio em alguns momentos, mas permitindo a banda se superar em algumas baladas. Para a minha surpresa, ou não, eles encerraram a apresentação com um cover dos Mutantes.

            Com um intervalo curto, foi a vez da Circo Litoral subir ao palco e fazer um som com mais referencias que a banda anterior. Variando entre o indie e as bandas brasileiras dos anos 2000, o conjunto acordou um pouco mais o lugar com canções mais agitadas e um pouco mais conhecidas da maioria das pessoas que foram conferir o evento. Foi um bom repertório quase que completamente autoral, mas que deu espaço para um cover do Muse, que foi desnecessário diante da veia los hermanica da banda. Show e cover agradaram e prepararam o ambiente para o conjunto que viria a seguir. Encerrando a noite os paulistanos d'O Terno fizeram um show que atendeu bem as expectativas de quem foi assisti-los. Com um som que passeia pela jovem guarda, Mutantes, pelo psicodelismo e neo-psicodelismo, pelo garage rock sessentista e com temas que falam sobre o cotidiano e outras coisas sombrias o trio tocou quase tudo o que podia naquela noite.

            A ênfase no seu setlist foi dada para as músicas do seu segundo álbum e para algumas do seu primeiro trabalho, além de atender a pedidos de última hora da platéia que não sossegava em pedir mais uma a mais outra canção. A banda é realmente boa ao vivo, executando com fidelidade os arranjos e texturas que estão nas suas gravações, sendo que em alguns momentos o espírito do Tame Impala baixava com muita força na performance dos rapazes. Quando Estamos Dormindo, Medo do Medo e a versão de Trem Azul, do Clube da Esquina, foram bons momentos e o encerramento com Zé, o Assassino Compulsivo causou estranheza nos convidados da formatura que se ajeitavam em suas cadeiras. Foi um bom show e quem ficou até o final pôde ganhar um autografo da banda que se dispôs a atender a cada um que a procurou.


            Na saída, a estranheza inicial diminuiu bastante quando passei pelo Bar do Nêgo Fua e vi a grande quantidade de gente que se encontrava por lá. O samba estava quente do lado de dentro e muita gente degustando o seu cravinho, ou a sua cerveja, do lado de fora. A Praça Quincas Berro D'agua também não estava diferente, com a sua lotação quase no máximo, cheia de gente aproveitando o ensaio de um artista afropop que será provavelmente uma nova/velha sensação do próximo verão. É esperar para ver! Deu um alívio ver o Pelourinho daquele jeito na saída. Acho que é uma boa questão de ocupação.


*Matéria originalmente publicada em 19/10/2015.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso