Pular para o conteúdo principal

Estranheza, rock e ocupe o Pelourinho.*


            Tava meio estranho o Pelourinho nessa sexta. Caminhei do inicio da Avenida Carlos Gomes até o centro histórico e o habitual agitado movimento corriqueiro daquela parte da cidade não estava lá. Uma ou outra pessoa subia comigo a Praça Castro Alves em direção a Praça da Sé e quanto mais me aproximava do Terreiro de Jesus, parecia que o lugar estava ainda mais vazio. Dava até para ouvir o vento frio passando por entre as árvores de lá. Porque? Feriado? Talvez. Crise? Talvez. Medo? Talvez. Descuido com o lugar e com a sua imagem na mídia? Talvez.

            O fato é que foi até difícil de encontrar uma baiana do acarajé que estivesse vendendo um abará para eu poder forrar o meu estômago. Mas achei! E comi bem devagar vendo a baiana voltar a receber os cuidados da sua pedicure, cuidados que interrompi quando cheguei. Um som de voz e violão solitário, com uma paletada que lembrava o Caetano e que ecoava ao longe, foi a trilha sonora do momento e foi a mesma que me guiou para a o Largo Pedro Arcanjo para conferir as bandas Squadro, Circo Litoral e O Terno (SP).

            Salientando que o Pelourinho é muito bem policiado, o caminho até o local do show não teve uma paisagem muito diferente. Ainda com o gosto do quitute baiano na boca adentrei no lugar que tinha pouquíssima gente. Uma pequena parte do espaço havia sido reservada para acomodar uma festa de formatura que começou após o termino do evento, mas que não atrapalhou em nada. As pessoas chegavam devagar e muitos do que foram já estavam presentes antes da primeira banda tocar. Depois de uma certa espera a Squadro subiu ao palco e fez um som bem fincado em bandas brasileiras da década de 1980. Dava para perceber essas influências em algumas melodias e em boa parte no estilo vocal do seu frontman, onde ficaram claras as referências de Barão Vermelho (fase Frejat), Cazuza e Renato Russo. O som do palco não ajudou muito, deixando a música com um aspecto vazio em alguns momentos, mas permitindo a banda se superar em algumas baladas. Para a minha surpresa, ou não, eles encerraram a apresentação com um cover dos Mutantes.

            Com um intervalo curto, foi a vez da Circo Litoral subir ao palco e fazer um som com mais referencias que a banda anterior. Variando entre o indie e as bandas brasileiras dos anos 2000, o conjunto acordou um pouco mais o lugar com canções mais agitadas e um pouco mais conhecidas da maioria das pessoas que foram conferir o evento. Foi um bom repertório quase que completamente autoral, mas que deu espaço para um cover do Muse, que foi desnecessário diante da veia los hermanica da banda. Show e cover agradaram e prepararam o ambiente para o conjunto que viria a seguir. Encerrando a noite os paulistanos d'O Terno fizeram um show que atendeu bem as expectativas de quem foi assisti-los. Com um som que passeia pela jovem guarda, Mutantes, pelo psicodelismo e neo-psicodelismo, pelo garage rock sessentista e com temas que falam sobre o cotidiano e outras coisas sombrias o trio tocou quase tudo o que podia naquela noite.

            A ênfase no seu setlist foi dada para as músicas do seu segundo álbum e para algumas do seu primeiro trabalho, além de atender a pedidos de última hora da platéia que não sossegava em pedir mais uma a mais outra canção. A banda é realmente boa ao vivo, executando com fidelidade os arranjos e texturas que estão nas suas gravações, sendo que em alguns momentos o espírito do Tame Impala baixava com muita força na performance dos rapazes. Quando Estamos Dormindo, Medo do Medo e a versão de Trem Azul, do Clube da Esquina, foram bons momentos e o encerramento com Zé, o Assassino Compulsivo causou estranheza nos convidados da formatura que se ajeitavam em suas cadeiras. Foi um bom show e quem ficou até o final pôde ganhar um autografo da banda que se dispôs a atender a cada um que a procurou.


            Na saída, a estranheza inicial diminuiu bastante quando passei pelo Bar do Nêgo Fua e vi a grande quantidade de gente que se encontrava por lá. O samba estava quente do lado de dentro e muita gente degustando o seu cravinho, ou a sua cerveja, do lado de fora. A Praça Quincas Berro D'agua também não estava diferente, com a sua lotação quase no máximo, cheia de gente aproveitando o ensaio de um artista afropop que será provavelmente uma nova/velha sensação do próximo verão. É esperar para ver! Deu um alívio ver o Pelourinho daquele jeito na saída. Acho que é uma boa questão de ocupação.


*Matéria originalmente publicada em 19/10/2015.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…