Pular para o conteúdo principal

Eu aguento um pouco mais.*


         Se tem uma coisa que o rock nunca vai perder, é essa coisa da verve juvenil, do impulso jovial e da energia adolescente que ele sempre faz questão de alimentar de tempos em tempos através de um sangue novo, com os roqueiros mais velhos transmitindo esse espírito para os mais novos. É claro que como em todo e qualquer lugar, tem gente que envelhece bem, que mantêm essa chama acessa por muito tempo. Mas sempre há a necessidade de passar a tocha para quem chega em novos tempos.

            Nesse ano de 2015, em seu trabalho de estréia, o trio Bilic Roll não inventa moda e se alimenta do mais puro rock direto e tradicional, porém não foge de referências distintas do estilo. Seria preguiçoso e injusto dizer que o cd, intitulado Ninguém me Aguenta Mais, é apenas um disco de rock puro. Ele é um disco de rock puro, também. A atmosfera hard rock permeia as seis trilhas que compõem esse debut e liga os pontos entre as canções, do seu início ao fim.

            Ninguém me Aguenta Mais tem uma pegada grunge no refrão, mas já mostra a face neo rock da primeira década desse século. Além de ter uma boa dobradinha entre a guitarra e o baixo na sequência final da faixa. Intrigante Agonia é um rock mais simples e direto com claras influências de Vivendo do Ócio, é onde o hard rock aparece com mais evidência. Aqui no Ócio possui uma influência de rock de garagem-lisérgico-sessentista, com um groove hendrixniano deixando um bom gancho para o balanço das pessoas na pista. Um bom refrão e um bom solo se somam bem à canção. É o ponto alto do disco. Mais funkeada ainda, Fissura tem boas texturas de guitarra e uma cozinha que não perde o ritmo e não permite desvios de atenção do ouvinte. É a faixa que a bateria ganha um bom destaque. Velho Vinil aparece com um vocal mais chapado e becking vocals tirados do britpop da década de 1990. Um momento mais tranquilo no meio da música a tira da linearidade, para depois voltar para a porrada gritada e com os amplificadores avolumados. É mais um bom momento do EP. Fechando a obra, Veneno Doce traz novamente a influência de Hendrix no trabalho do grupo, dessa vez com o wah-wah das bandas californianas noventistas.

            Ninguém me Aguenta Mais é divertido e não se complica em momento algum. Mesmo com tantas vertentes do rock dentro das faixas, não é um quebra cabeça a ser montado. É claro que sendo jovens, os três rapazes irão ao encontro do seu próprio som, terão que amadurecer mais a sua música e talvez seja aí o lugar onde esteja a graça. A Bilic Roll tem a fagulha flamejante do rock a seu favor, só cabe a ela envelhecer bem.


Conheça o som da Bilic Roll: https://soundcloud.com/bilicroll


*Matéria originalmente publicada em 23/10/2015.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção. Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia. Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, ess

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava