Pular para o conteúdo principal

Expectativas atendidas.*


            Mais uma vez nessa semana o Poral Soterorock foi conferir um show na cidade e constatou que tambem tem rock dia de quinta na capital baiana. O Taverna Music Bar reservava duas bandas do estado que estão em boa ascenção na cena local, dentro de um evento cada vez mais consolidado por aqui.

            O Warm Up Festival: Big Bands trouxe para o line up deste seu quinto dia as bandas Novelta (Feira de Santana) e Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes para deixar Salvador ainda mais quente nessa noite tropical. A chegada no Rio Vermelho foi complicada por conta das obras que estão acontecendo bem na curva da rua da Paciência, mas mesmo assim o bairro estava com o numero de frequentadores alto para o dia.

            A casa estava com o ambiente agradável, já preparada para receber as bandas, que por sua vez já adiantavam a organização dos seus sets enquanto o público, que compareceu em número significativo, bebericava, papeava e esperava pacientemente pelo inicio dos shows. A primeira a tocar foi a feirense Novelta com o seu stoner rock. É bem clara a influencia de Queens of the Stone Age no som da banda (até a dança "joshhommeniana" do seu vocalista está incorporada na estética do grupo), o que combina bem com os temas das letras. A apresentação dos rapazes começou um pouco timida, porém com energia, mas foi crescendo ao passo de cada música e melhorando muito da metade para o seu fim. A sequencia das quatro útimas canções foi realmente muito boa, com destaque para "Um Espelho" e "O Golpe". Cabia até mais, mas tudo bem ficar um pouco na vontade.

            Depois deles subiram no palco os atiradores de elite da cidade baixa, a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes. Os irmãos Jende estão cada vez mais entrosados e aparentemente mais pesados a cada apresentação. Também houve algo corriqueiro nas apresentações deles, que é a forma como as pessoas se surpreendem com o fato de apenas dois caras fazerem um som tão volumoso como o que eles fazem. A sonoridade é importante na performance da banda e, sempre disciplinados, primam por manter o bom nível nos seus shows. Volto a repertir o fato da BVEAODE estar formando um publico cada vez mais assíduo nas suas audiências. Ontem não foi diferente! Momentos como "Mulher Kriptonita", "Chão Pisado" e a versão búfalo para "Coroné Antônio Bento", do Tim Maia, foram destaques no set list. Avante Búfalos!


            Com a festa da noite terminada a boa vibe continuou pelo lugar, mas só restou para todos trocar um pouco mais de idéia e depois voltar para casa. As expectativas foram atendidas e só lamento para quem não pôde comparecer para prestigiar as bandas e o evento. É o rock aqui na Bahia cada vez mais em alta.


*Matéria originalmente publicada em 31/07/2015.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...