Pular para o conteúdo principal

Expectativas atendidas.*


            Mais uma vez nessa semana o Poral Soterorock foi conferir um show na cidade e constatou que tambem tem rock dia de quinta na capital baiana. O Taverna Music Bar reservava duas bandas do estado que estão em boa ascenção na cena local, dentro de um evento cada vez mais consolidado por aqui.

            O Warm Up Festival: Big Bands trouxe para o line up deste seu quinto dia as bandas Novelta (Feira de Santana) e Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes para deixar Salvador ainda mais quente nessa noite tropical. A chegada no Rio Vermelho foi complicada por conta das obras que estão acontecendo bem na curva da rua da Paciência, mas mesmo assim o bairro estava com o numero de frequentadores alto para o dia.

            A casa estava com o ambiente agradável, já preparada para receber as bandas, que por sua vez já adiantavam a organização dos seus sets enquanto o público, que compareceu em número significativo, bebericava, papeava e esperava pacientemente pelo inicio dos shows. A primeira a tocar foi a feirense Novelta com o seu stoner rock. É bem clara a influencia de Queens of the Stone Age no som da banda (até a dança "joshhommeniana" do seu vocalista está incorporada na estética do grupo), o que combina bem com os temas das letras. A apresentação dos rapazes começou um pouco timida, porém com energia, mas foi crescendo ao passo de cada música e melhorando muito da metade para o seu fim. A sequencia das quatro útimas canções foi realmente muito boa, com destaque para "Um Espelho" e "O Golpe". Cabia até mais, mas tudo bem ficar um pouco na vontade.

            Depois deles subiram no palco os atiradores de elite da cidade baixa, a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes. Os irmãos Jende estão cada vez mais entrosados e aparentemente mais pesados a cada apresentação. Também houve algo corriqueiro nas apresentações deles, que é a forma como as pessoas se surpreendem com o fato de apenas dois caras fazerem um som tão volumoso como o que eles fazem. A sonoridade é importante na performance da banda e, sempre disciplinados, primam por manter o bom nível nos seus shows. Volto a repertir o fato da BVEAODE estar formando um publico cada vez mais assíduo nas suas audiências. Ontem não foi diferente! Momentos como "Mulher Kriptonita", "Chão Pisado" e a versão búfalo para "Coroné Antônio Bento", do Tim Maia, foram destaques no set list. Avante Búfalos!


            Com a festa da noite terminada a boa vibe continuou pelo lugar, mas só restou para todos trocar um pouco mais de idéia e depois voltar para casa. As expectativas foram atendidas e só lamento para quem não pôde comparecer para prestigiar as bandas e o evento. É o rock aqui na Bahia cada vez mais em alta.


*Matéria originalmente publicada em 31/07/2015.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…