Pular para o conteúdo principal

Festa, suor, cerveja e celebração.*


            A última sexta tambem foi dia de rock e novamente o Portal Soterorock saiu de onde estava para conferir o que estava acontecendo na cidade. A noite era de festa, pois seria o lançamento oficial do disco de estréia dos soteropolitanos da Teenage Buzz. O lugar desta vez foi o Pelourinho e mais três grupos formavam o lineup do evento. De fato tinha muita banda prometida para quem queria escutar bons sons.

            A chegada no Pelô foi ainda com o dia claro. Muita gente circulando saindo dos seus trabalhos e outras se dirigindo para o centro histórico para aliviar as tensões. Gosto de ir para eventos lá, mas é evidente que não se tem feito muita coisa para cuidar dele. O movimento era grande e o policiamento estava presente, porém é notável o descuido com lugar que, além de tudo, é pouco aproveitado culturalmente. Tem cultura lá? Tem, e muita. Mas poderia ter muito mais.

            Depois de mais uma vez ter sido confundido com um gringo e de uma rodada de um apimentado abará era hora de ir para o Largo Tereza Batista conferir as apresentações dos conjuntos. Quem abriu as atividades foi a Bilic Roll, uma das duas bandas do evento que ainda não tínhamos visto ao vivo. Mesmo com seu rock básico e direto e com bons solos de guitarra o trio mostrou uma necessidade de um entrosamento maior. Talvez eles não tenham percebido, mas pouco se entendia o que o seu vocalista cantava por conta do som da sua voz sair embolada nos PA's. Piorou um pouco mais quando ele pediu para aumentar o reverb e quando dava gritos. Fora isso foi divertido. Depois foi a vez da Cartel Strip Club subir ao palco e se sair muito bem. Pouco eu sabia sobre eles (e ela), inclusive sobre o fato de ser um septeto! Boas composições e inglês, energia de sobra e referências de bandas noventistas e da primeira década deste século chamaram a atenção de quem estava lá. Tinha um bom tempo que não percebia essas referências musicais em uma banda mais jovem e eles processaram bem as informações.

            Seguindo a sequência, foi a vez dos donos da festa apresentarem o seu britpop com dendê e finalmente pude ver uma performance da Teenage Buzz sem que eles tivessem algum tipo de problema no palco. O lançamento do recentíssimo Generation Dreams ocorreu com um som melhor no momento do show deles e as músicas estão mais redondas e seguras. Tudo correu bem e a resposta de quem assistia foi positiva. O setlist empolgante nem precisava dos covers do Supergrass e do Blur que a banda incluiu, mas isso também foi bom. Foi uma ótima celebração. Encerrando a noite Os Jonsóns se apresentaram com a animação já conhecida em seus shows. Nessa semana eles tiveram parte dos instrumentos roubados, mas nem isso tirou o gás dos rapazes em cima do palco. Também havia uma expectativa sobre a apresentação por conta disso, mas eles não deixaram barato e a performance foi ganhando força a cada música. Deu tempo de tocar velhas e novas canções e botar um monte de gente para dançar.

            Digo "deu tempo" porque em Bang Bang Urbano, ao chamar o vocalista da Bilic Roll para fazer uma participação especial na música, quase todos os integrantes das bandas anteriores resolveram subir no palco também. No momento que isso aconteceu já dava para perceber que alguma coisa poderia dar errado lá em cima. E deu! Tinha gente cantando o refrão na hora onde não era para cantar e alguém se esbarrou no set do baixista fazendo o baixo parar de funcionar por um bom tempo. Com aquela agitação, o técnico de som pensou que fosse o final da apresentação e cortou o som do palco no final da música, terminando o show antes da hora. Fim!

            Então, aqui vai uma dica importante: só suba no palco durante a apresentação de uma banda se você for chamado! Caso contrário, não faça isso, não se meta, pois você pode estragar o show de alguém. Ainda mais sendo um show muito bom como este que estava sendo o d'Os Jonsóns. Acredito que para a banda deve ter sido um grande balde de água fria, frustra bastante terminar um show assim. Eu entendo que é muito bom festejar e celebrar com as bandas amigas momentos como esse de festa, mas isso também tem limite.


            Terminadas as apresentações tínhamos que seguir. Para onde ir? Casa? Rio Vermelho? Continuar no Pelourinho? Sim, continuar no nosso Pelô, onde ainda deu tempo para circular, sentar em uma mesa e botar os vários papos em dia. Não é sempre que se consegue reunir boa parte dos amigos para ouvir boa música e prosear. Lá ainda é bom para se fazer isso.


*Matéria originalmente publicada em 25/08/2015.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…