Pular para o conteúdo principal

Hormônios a mil.*


            O último sábado também teve noite de comemoração na cena rocker soteropolitana. A banda HAO fez o show de lançamento do seu mais novo EP, A Imoralidade das Rosas, que ocorreu no Dubliners Irish Pub e que também contou com a participação das bandas Os Jonsóns e da Van der Vous.

            Chegando no Rio Vermelho já dava para perceber o bom movimento de gente ao longo das três principais casas de eventos da rua da Paciência. O pub tava bem cheio por fora e por dentro, com um aglomerado colado na frente do palco esperando a HAO tocar. Antes deles teve o show d'Os Jonsóns, que não consegui ver por não ter chegado a tempo, espero que tenha sido bom e sem invasão de palco.

            Não demorou muito e a anfitriã da festa começou a sua apresentação, fazendo a sua música que remete muito às bandas americanas do início da década de 1990. Influênciado por sons como Pearl Jam, Blind Melon e Red Hot Chilli Peppers, a HAO mais uma vez levou todos que estavam dentro do pub para uma viagem no tempo e agradou quem estava esperando por eles. Músicas do primeiro EP e do mais recente trabalho foram tocadas para o deleite de sua interessante, devota e fiel base de fãs. As novas canções soaram bem ao vivo e o saxofone sempre surge instigante. Fora isso, o público muito jovem estava dando hormônio de graça na roda de pogo suicida sem pretensão alguma de sossegar até que o show terminasse.

            Depois deles e encerrando a noite, subiu ao palco a Van der Vous. Era de se esperar que a banda fizesse uma apresentação bem na linha das performances anteriores e foi isso mesmo o que aconteceu. O repertório tocado foi composto pelas músicas conhecidas do primeiro disco e das mais recentes que estarão no próximo trabalho da banda. No meio do show um problema técnico ocorrido foi logo resolvido e eles continuaram bem na execução das canções. E foi aí onde o show ficou mais interessante ainda. Eles começaram tocando para quase ninguém na casa (quem não estava lá estava perdendo um bom show), mas próximo ao fim o lugar começou a encher novamente e quem foi chegando foi percebendo uma atmosfera diferente no ar. Teve gente ensandecida no final das músicas, gente pedindo canção preferida e o baterista Charles Silva tocando com vontade, proporcionando bons momentos para quem gosta de ver uma boa performance na bateria (houve um instante em que um dos pratos caiu da estante, mas ele não perdeu o feeling). Quando saí tive a impressão de que alguém pediu mais uma saideira musical, acho que o pedido foi atendido.


            Foi um encerramento de noite diferente, que ainda teve espaço para bons papos com assuntos interessantes como intolerância a lactose, receitas de pão, família, policiais do futuro e qvt nas livrarias. Mistura como essa só de vez em quando.


*Matéria originalmente publicada em 02/09/2015.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um