Pular para o conteúdo principal

Hormônios a mil.*


            O último sábado também teve noite de comemoração na cena rocker soteropolitana. A banda HAO fez o show de lançamento do seu mais novo EP, A Imoralidade das Rosas, que ocorreu no Dubliners Irish Pub e que também contou com a participação das bandas Os Jonsóns e da Van der Vous.

            Chegando no Rio Vermelho já dava para perceber o bom movimento de gente ao longo das três principais casas de eventos da rua da Paciência. O pub tava bem cheio por fora e por dentro, com um aglomerado colado na frente do palco esperando a HAO tocar. Antes deles teve o show d'Os Jonsóns, que não consegui ver por não ter chegado a tempo, espero que tenha sido bom e sem invasão de palco.

            Não demorou muito e a anfitriã da festa começou a sua apresentação, fazendo a sua música que remete muito às bandas americanas do início da década de 1990. Influênciado por sons como Pearl Jam, Blind Melon e Red Hot Chilli Peppers, a HAO mais uma vez levou todos que estavam dentro do pub para uma viagem no tempo e agradou quem estava esperando por eles. Músicas do primeiro EP e do mais recente trabalho foram tocadas para o deleite de sua interessante, devota e fiel base de fãs. As novas canções soaram bem ao vivo e o saxofone sempre surge instigante. Fora isso, o público muito jovem estava dando hormônio de graça na roda de pogo suicida sem pretensão alguma de sossegar até que o show terminasse.

            Depois deles e encerrando a noite, subiu ao palco a Van der Vous. Era de se esperar que a banda fizesse uma apresentação bem na linha das performances anteriores e foi isso mesmo o que aconteceu. O repertório tocado foi composto pelas músicas conhecidas do primeiro disco e das mais recentes que estarão no próximo trabalho da banda. No meio do show um problema técnico ocorrido foi logo resolvido e eles continuaram bem na execução das canções. E foi aí onde o show ficou mais interessante ainda. Eles começaram tocando para quase ninguém na casa (quem não estava lá estava perdendo um bom show), mas próximo ao fim o lugar começou a encher novamente e quem foi chegando foi percebendo uma atmosfera diferente no ar. Teve gente ensandecida no final das músicas, gente pedindo canção preferida e o baterista Charles Silva tocando com vontade, proporcionando bons momentos para quem gosta de ver uma boa performance na bateria (houve um instante em que um dos pratos caiu da estante, mas ele não perdeu o feeling). Quando saí tive a impressão de que alguém pediu mais uma saideira musical, acho que o pedido foi atendido.


            Foi um encerramento de noite diferente, que ainda teve espaço para bons papos com assuntos interessantes como intolerância a lactose, receitas de pão, família, policiais do futuro e qvt nas livrarias. Mistura como essa só de vez em quando.


*Matéria originalmente publicada em 02/09/2015.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...