Pular para o conteúdo principal

Hormônios a mil.*


            O último sábado também teve noite de comemoração na cena rocker soteropolitana. A banda HAO fez o show de lançamento do seu mais novo EP, A Imoralidade das Rosas, que ocorreu no Dubliners Irish Pub e que também contou com a participação das bandas Os Jonsóns e da Van der Vous.

            Chegando no Rio Vermelho já dava para perceber o bom movimento de gente ao longo das três principais casas de eventos da rua da Paciência. O pub tava bem cheio por fora e por dentro, com um aglomerado colado na frente do palco esperando a HAO tocar. Antes deles teve o show d'Os Jonsóns, que não consegui ver por não ter chegado a tempo, espero que tenha sido bom e sem invasão de palco.

            Não demorou muito e a anfitriã da festa começou a sua apresentação, fazendo a sua música que remete muito às bandas americanas do início da década de 1990. Influênciado por sons como Pearl Jam, Blind Melon e Red Hot Chilli Peppers, a HAO mais uma vez levou todos que estavam dentro do pub para uma viagem no tempo e agradou quem estava esperando por eles. Músicas do primeiro EP e do mais recente trabalho foram tocadas para o deleite de sua interessante, devota e fiel base de fãs. As novas canções soaram bem ao vivo e o saxofone sempre surge instigante. Fora isso, o público muito jovem estava dando hormônio de graça na roda de pogo suicida sem pretensão alguma de sossegar até que o show terminasse.

            Depois deles e encerrando a noite, subiu ao palco a Van der Vous. Era de se esperar que a banda fizesse uma apresentação bem na linha das performances anteriores e foi isso mesmo o que aconteceu. O repertório tocado foi composto pelas músicas conhecidas do primeiro disco e das mais recentes que estarão no próximo trabalho da banda. No meio do show um problema técnico ocorrido foi logo resolvido e eles continuaram bem na execução das canções. E foi aí onde o show ficou mais interessante ainda. Eles começaram tocando para quase ninguém na casa (quem não estava lá estava perdendo um bom show), mas próximo ao fim o lugar começou a encher novamente e quem foi chegando foi percebendo uma atmosfera diferente no ar. Teve gente ensandecida no final das músicas, gente pedindo canção preferida e o baterista Charles Silva tocando com vontade, proporcionando bons momentos para quem gosta de ver uma boa performance na bateria (houve um instante em que um dos pratos caiu da estante, mas ele não perdeu o feeling). Quando saí tive a impressão de que alguém pediu mais uma saideira musical, acho que o pedido foi atendido.


            Foi um encerramento de noite diferente, que ainda teve espaço para bons papos com assuntos interessantes como intolerância a lactose, receitas de pão, família, policiais do futuro e qvt nas livrarias. Mistura como essa só de vez em quando.


*Matéria originalmente publicada em 02/09/2015.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso