Pular para o conteúdo principal

Mais vinte anos para a Modus Operandi.*


Vinte anos não são vinte dias! Essa afirmação bastante popular pode ser bem clichê, mas o fato é que ela é verdadeira, possuindo um grande peso e significado muito profundo. Ainda mais quando posta em um contexto no qual um grupo de rock comemora mais uma primavera de atividade na cena roqueira local. A banda Modus Operandi festeja a sua segunda década de existência com o evento Modus Operandi Convida, no qual o quarteto se apresenta com mais dois conjuntos locais, em cada sábado desse mês de março, no Buk Porão Bar e com a proposta de tocar um disco da sua discografia para cada data.

Nesta investida inicial, a noite soteropolitana estava fria. Fria e aparentemente vazia. O caminho até chegar ao local deste primeiro sábado estava estranhamente calmo, considerando que foi um final de semana de pós-carnaval e no qual a cidade ainda costuma se mergulhar na ressaca (festiva!) da agitação de momo. Nem o Pelourinho estava muito além do que se poderia imaginar: muita gente, claro, mas nada fora do normal para o fluxo do centro histórico. E ventava muito também, diga-se de passagem. Mas essas condições atmosféricas e climáticas se findaram quando coloquei os pés dentro do lugar da festa.

O Buk Porão estava aquele bom e verdadeiro inferninho, com uma quantidade considerável de pessoas e um clima excelente para uma noite de rock instigante. Muita gente circulando e papeando sobre tudo o que se pode ser conversado, seja lá sobre bandas, cenário, biologia e religião, novas reflexões sobre a letra de Uma Teoria Duvidosa (Funcionaface) e, inclusive, sobre parentescos revelados. As interações estavam quentes, gelada mesmo só a cerveja que estava sendo vendida. O disco Goo (Sonic Youth) rodava de fundo enquanto várias coisas aconteciam, até a primeira banda tomar a sua formação no palco. A Vende-$e tocou com vontade o seu repertório que vem sendo executado há um bom tempo por aqui. É perceptível o quanto os rapazes tem mostrado mais entrosamento, pude vê-los antes em alguns momentos ao longo do ano passado e é nítido este fato. Mais explosivo e veloz, com o vocalista mais inquieto e letras com um conteúdo social forte, o quarteto fez o seu punk/hard core de maneira direta e objetiva, abrindo bem a noite. Que venha o seu primeiro trabalho!

Depois deles, a Carburados Rock Motor mostrou uma outra vertente do punk rock. Com uma pegada mais trash, bem mais crossover, o trio fez um som pesado, de riffs rápidos e cozinha volumosa. Em parte da apresentação, o vocalista/guitarrista cantou com uma balaclava, um item bem apropriado ao som e aos versos de protesto. Mesmo tocando um pouco mais de tempo do que a primeira banda e com um problema de corda partida no baixo, a performance empolgou, com o baterista fazendo viradas seguras no seu instrumento e o baixista segurando bem a base do som.

Fechando a noite, os anfitriões da Modus Operandi assumiram o espaço e levou quem estava por lá a uma viagem até o seu primeiro disco. O Radio Graphia (2000) foi tocado na íntegra, com músicas que estão com frequência em seus shows e algumas outras que não aparecem há muito tempo, além de ter espaço para um bis com canções do seu próximo lançamento. Com exames de raio-x espalhados pela parede do lugar, o desempenho da MO foi o turbilhão musical que ele costuma ser nas suas aparições: expressivo e caótico, uma música colada na outra, com texturas de teclado, faíscas e pulsação firme de baixo e bateria. Foi bem agitado e muita gente se balançou.


A Modus Operandi começou a sua comemoração muito bem, mostrando fidelidade a sua música em uma noite de bons shows de rock. O público prestigiou o evento e a cada grupo até o final de suas respectivas apresentações, o que foi algo bom de se ver. Ainda há mais três datas para acontecer o Modus Operandi Convida. Se você não foi neste, é só conferir o ótimo lineup no cartaz acima e escolher o seu melhor dia para comparecer. Ou escolher em ir a todos!


*Matéria originalmente publicada em 07/03/2017.

Popular Posts

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…