Pular para o conteúdo principal

Mais vinte anos para a Modus Operandi.*


Vinte anos não são vinte dias! Essa afirmação bastante popular pode ser bem clichê, mas o fato é que ela é verdadeira, possuindo um grande peso e significado muito profundo. Ainda mais quando posta em um contexto no qual um grupo de rock comemora mais uma primavera de atividade na cena roqueira local. A banda Modus Operandi festeja a sua segunda década de existência com o evento Modus Operandi Convida, no qual o quarteto se apresenta com mais dois conjuntos locais, em cada sábado desse mês de março, no Buk Porão Bar e com a proposta de tocar um disco da sua discografia para cada data.

Nesta investida inicial, a noite soteropolitana estava fria. Fria e aparentemente vazia. O caminho até chegar ao local deste primeiro sábado estava estranhamente calmo, considerando que foi um final de semana de pós-carnaval e no qual a cidade ainda costuma se mergulhar na ressaca (festiva!) da agitação de momo. Nem o Pelourinho estava muito além do que se poderia imaginar: muita gente, claro, mas nada fora do normal para o fluxo do centro histórico. E ventava muito também, diga-se de passagem. Mas essas condições atmosféricas e climáticas se findaram quando coloquei os pés dentro do lugar da festa.

O Buk Porão estava aquele bom e verdadeiro inferninho, com uma quantidade considerável de pessoas e um clima excelente para uma noite de rock instigante. Muita gente circulando e papeando sobre tudo o que se pode ser conversado, seja lá sobre bandas, cenário, biologia e religião, novas reflexões sobre a letra de Uma Teoria Duvidosa (Funcionaface) e, inclusive, sobre parentescos revelados. As interações estavam quentes, gelada mesmo só a cerveja que estava sendo vendida. O disco Goo (Sonic Youth) rodava de fundo enquanto várias coisas aconteciam, até a primeira banda tomar a sua formação no palco. A Vende-$e tocou com vontade o seu repertório que vem sendo executado há um bom tempo por aqui. É perceptível o quanto os rapazes tem mostrado mais entrosamento, pude vê-los antes em alguns momentos ao longo do ano passado e é nítido este fato. Mais explosivo e veloz, com o vocalista mais inquieto e letras com um conteúdo social forte, o quarteto fez o seu punk/hard core de maneira direta e objetiva, abrindo bem a noite. Que venha o seu primeiro trabalho!

Depois deles, a Carburados Rock Motor mostrou uma outra vertente do punk rock. Com uma pegada mais trash, bem mais crossover, o trio fez um som pesado, de riffs rápidos e cozinha volumosa. Em parte da apresentação, o vocalista/guitarrista cantou com uma balaclava, um item bem apropriado ao som e aos versos de protesto. Mesmo tocando um pouco mais de tempo do que a primeira banda e com um problema de corda partida no baixo, a performance empolgou, com o baterista fazendo viradas seguras no seu instrumento e o baixista segurando bem a base do som.

Fechando a noite, os anfitriões da Modus Operandi assumiram o espaço e levou quem estava por lá a uma viagem até o seu primeiro disco. O Radio Graphia (2000) foi tocado na íntegra, com músicas que estão com frequência em seus shows e algumas outras que não aparecem há muito tempo, além de ter espaço para um bis com canções do seu próximo lançamento. Com exames de raio-x espalhados pela parede do lugar, o desempenho da MO foi o turbilhão musical que ele costuma ser nas suas aparições: expressivo e caótico, uma música colada na outra, com texturas de teclado, faíscas e pulsação firme de baixo e bateria. Foi bem agitado e muita gente se balançou.


A Modus Operandi começou a sua comemoração muito bem, mostrando fidelidade a sua música em uma noite de bons shows de rock. O público prestigiou o evento e a cada grupo até o final de suas respectivas apresentações, o que foi algo bom de se ver. Ainda há mais três datas para acontecer o Modus Operandi Convida. Se você não foi neste, é só conferir o ótimo lineup no cartaz acima e escolher o seu melhor dia para comparecer. Ou escolher em ir a todos!


*Matéria originalmente publicada em 07/03/2017.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso