Pular para o conteúdo principal

Melhor que final de novela.*


Mais um final de semana e mais uma vez o Portal Soterorockpolitano adentrou na noite roqueira de Salvador. Dessa vez, fomos conferir os shows das bandas Van der Vous e do Murilo Sá e Grande Elenco, no Portela Café. O Rio Vermelho estava cheio, como de costume, mas a observação mais interessante no momento da chegada foi a de que quase todo mundo ali parecia ter saído de casa para... assistir o final da novela global. Tanta coisa interessante acontecendo ao redor e boa parte das pessoas nos bares com os olhos vidrados na TV.

Sem muito a esperar e tão pouco para ver na televisão, rumei para o local do evento. No caminho me bati com um grupo de pessoas fantasiadas de mico (eu acho que era mico), que corriam desesperadamente de algo ou para algum lugar, me deixando meio confuso quanto a isso. Chegando ao Portela Café era perceptível a baixa quantidade de pessoas no lugar. Isso talvez tenha ocorrido pelo fato de haver muita coisa acontecendo na cidade, inclusive nas outras duas casas de shows do bairro. Esse aspecto e um certo atraso no inicio das atividades acabaram rendendo bons papos entre os presentes sobre o cotidiano, a cena local e as origens roqueiras da cidade baixa.

Abrindo a noite a Van der Vous se apresentou desta vez como um trio, que é na verdade a sua formação original. Eles fizeram uma apresentação no nível dos seus shows anteriores, mas foi perceptível a falta da segunda guitarra no seu som. Mesmo com a saída do guitarrista a banda segurou bem a performance e não deixou a desejar. Além de músicas do seu primeiro disco, o repertório contou com um cover do Ty Segall e mais duas ótimas canções inéditas do grupo, canções essas com mais personalidade e com influências de Pink Floyd, na fase “Animals”, e Nirvana. Sim, essa fusão é possível! Seguindo a VDV foi a vez do Murilo Sá e Grande Elenco subir ao palco.

Soteropolitano, mas há muito tempo vivendo em São Paulo, ele trouxe pela primeira vez o show do seu cd de estreia, “Sentido Centro”, para terras baianas depois de já ter se apresentado pela capital paulistana e excursionado pelo sul do país. Contando com uma banda com músicos já bem estabelecidos da cena local, como o Thiago Jende (bateria), Jorge Solovera (guitarra) e Heitor Dantas (baixo), Murilo Sá executou um som bem interessante e com boas melodias, influenciado por bandas sessentistas e psicodelismo. A apresentação teve a sua continuidade prejudicada pelo fato da guitarra do Murilo Sá teimar em desafinar em vários momentos, mas isso não tirou o seu bom humor e nem a qualidade das canções. O improviso da banda em algumas passagens da performance foi um aspecto positivo no show, mostrando espontaneidade e competência, assim como as músicas “Sentido Centro” e “Elevador Panorâmico” foram bons momentos na noite. Essa última eu fiquei assobiando dentro da minha cabeça na volta pra casa.

Depois, com um pouco mais de uma hora de apresentação para cada uma das bandas, só me restou pegar o longo caminho para a cidade baixa em uma madrugada chuvosa. Mas valeu muito mais a pena ter saído de casa para vê-las tocar do que ter conferido o final da novela e o tal destino confuso do comendador.

*Matéria originalmente publicada em 27/03/2015

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção. Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia. Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, ess

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava