Pular para o conteúdo principal

Melhor que final de novela.*


Mais um final de semana e mais uma vez o Portal Soterorockpolitano adentrou na noite roqueira de Salvador. Dessa vez, fomos conferir os shows das bandas Van der Vous e do Murilo Sá e Grande Elenco, no Portela Café. O Rio Vermelho estava cheio, como de costume, mas a observação mais interessante no momento da chegada foi a de que quase todo mundo ali parecia ter saído de casa para... assistir o final da novela global. Tanta coisa interessante acontecendo ao redor e boa parte das pessoas nos bares com os olhos vidrados na TV.

Sem muito a esperar e tão pouco para ver na televisão, rumei para o local do evento. No caminho me bati com um grupo de pessoas fantasiadas de mico (eu acho que era mico), que corriam desesperadamente de algo ou para algum lugar, me deixando meio confuso quanto a isso. Chegando ao Portela Café era perceptível a baixa quantidade de pessoas no lugar. Isso talvez tenha ocorrido pelo fato de haver muita coisa acontecendo na cidade, inclusive nas outras duas casas de shows do bairro. Esse aspecto e um certo atraso no inicio das atividades acabaram rendendo bons papos entre os presentes sobre o cotidiano, a cena local e as origens roqueiras da cidade baixa.

Abrindo a noite a Van der Vous se apresentou desta vez como um trio, que é na verdade a sua formação original. Eles fizeram uma apresentação no nível dos seus shows anteriores, mas foi perceptível a falta da segunda guitarra no seu som. Mesmo com a saída do guitarrista a banda segurou bem a performance e não deixou a desejar. Além de músicas do seu primeiro disco, o repertório contou com um cover do Ty Segall e mais duas ótimas canções inéditas do grupo, canções essas com mais personalidade e com influências de Pink Floyd, na fase “Animals”, e Nirvana. Sim, essa fusão é possível! Seguindo a VDV foi a vez do Murilo Sá e Grande Elenco subir ao palco.

Soteropolitano, mas há muito tempo vivendo em São Paulo, ele trouxe pela primeira vez o show do seu cd de estreia, “Sentido Centro”, para terras baianas depois de já ter se apresentado pela capital paulistana e excursionado pelo sul do país. Contando com uma banda com músicos já bem estabelecidos da cena local, como o Thiago Jende (bateria), Jorge Solovera (guitarra) e Heitor Dantas (baixo), Murilo Sá executou um som bem interessante e com boas melodias, influenciado por bandas sessentistas e psicodelismo. A apresentação teve a sua continuidade prejudicada pelo fato da guitarra do Murilo Sá teimar em desafinar em vários momentos, mas isso não tirou o seu bom humor e nem a qualidade das canções. O improviso da banda em algumas passagens da performance foi um aspecto positivo no show, mostrando espontaneidade e competência, assim como as músicas “Sentido Centro” e “Elevador Panorâmico” foram bons momentos na noite. Essa última eu fiquei assobiando dentro da minha cabeça na volta pra casa.

Depois, com um pouco mais de uma hora de apresentação para cada uma das bandas, só me restou pegar o longo caminho para a cidade baixa em uma madrugada chuvosa. Mas valeu muito mais a pena ter saído de casa para vê-las tocar do que ter conferido o final da novela e o tal destino confuso do comendador.

*Matéria originalmente publicada em 27/03/2015

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…