Pular para o conteúdo principal

Melhor que final de novela.*


Mais um final de semana e mais uma vez o Portal Soterorockpolitano adentrou na noite roqueira de Salvador. Dessa vez, fomos conferir os shows das bandas Van der Vous e do Murilo Sá e Grande Elenco, no Portela Café. O Rio Vermelho estava cheio, como de costume, mas a observação mais interessante no momento da chegada foi a de que quase todo mundo ali parecia ter saído de casa para... assistir o final da novela global. Tanta coisa interessante acontecendo ao redor e boa parte das pessoas nos bares com os olhos vidrados na TV.

Sem muito a esperar e tão pouco para ver na televisão, rumei para o local do evento. No caminho me bati com um grupo de pessoas fantasiadas de mico (eu acho que era mico), que corriam desesperadamente de algo ou para algum lugar, me deixando meio confuso quanto a isso. Chegando ao Portela Café era perceptível a baixa quantidade de pessoas no lugar. Isso talvez tenha ocorrido pelo fato de haver muita coisa acontecendo na cidade, inclusive nas outras duas casas de shows do bairro. Esse aspecto e um certo atraso no inicio das atividades acabaram rendendo bons papos entre os presentes sobre o cotidiano, a cena local e as origens roqueiras da cidade baixa.

Abrindo a noite a Van der Vous se apresentou desta vez como um trio, que é na verdade a sua formação original. Eles fizeram uma apresentação no nível dos seus shows anteriores, mas foi perceptível a falta da segunda guitarra no seu som. Mesmo com a saída do guitarrista a banda segurou bem a performance e não deixou a desejar. Além de músicas do seu primeiro disco, o repertório contou com um cover do Ty Segall e mais duas ótimas canções inéditas do grupo, canções essas com mais personalidade e com influências de Pink Floyd, na fase “Animals”, e Nirvana. Sim, essa fusão é possível! Seguindo a VDV foi a vez do Murilo Sá e Grande Elenco subir ao palco.

Soteropolitano, mas há muito tempo vivendo em São Paulo, ele trouxe pela primeira vez o show do seu cd de estreia, “Sentido Centro”, para terras baianas depois de já ter se apresentado pela capital paulistana e excursionado pelo sul do país. Contando com uma banda com músicos já bem estabelecidos da cena local, como o Thiago Jende (bateria), Jorge Solovera (guitarra) e Heitor Dantas (baixo), Murilo Sá executou um som bem interessante e com boas melodias, influenciado por bandas sessentistas e psicodelismo. A apresentação teve a sua continuidade prejudicada pelo fato da guitarra do Murilo Sá teimar em desafinar em vários momentos, mas isso não tirou o seu bom humor e nem a qualidade das canções. O improviso da banda em algumas passagens da performance foi um aspecto positivo no show, mostrando espontaneidade e competência, assim como as músicas “Sentido Centro” e “Elevador Panorâmico” foram bons momentos na noite. Essa última eu fiquei assobiando dentro da minha cabeça na volta pra casa.

Depois, com um pouco mais de uma hora de apresentação para cada uma das bandas, só me restou pegar o longo caminho para a cidade baixa em uma madrugada chuvosa. Mas valeu muito mais a pena ter saído de casa para vê-las tocar do que ter conferido o final da novela e o tal destino confuso do comendador.

*Matéria originalmente publicada em 27/03/2015

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...