Pular para o conteúdo principal

No caminho certo!*


Já falei aqui algumas vezes que o cenário do rock baiano é diverso. Ao mesmo tempo em que há uma banda com um som mais pesado e objetivo, existe também outra com uma linguagem mais leve e abrangente. É dentro dessa ultima característica que se encontra a banda A Flauta Vértebra em seu trabalho de estreia.

As influencias do quinteto se sobressaem em seu som, influencias essas que vão do rock até a MPB, passando pelo jazz. Isso não traz muita novidade para a sua música, porém soa mais verdadeiro uma vez que escolhem um caminho diferente dos demais conjuntos que possuem a mesma influência: a banda não cai na armadilha conveniente de parecer um filhote gratuito do Los Hermanos.

O disco começa com “Polaroid”, música com boa mistura de suas referências com começo e refrão rock, uma bem evidente pegada jazz no teclado que embeleza os arranjos, além de ecos de Mutantes no ar. Em seguida vem “Epílogo Atroz” com clima mais alegre, com nuances setentistas e letras que falam sobre alguém que desencanou de um romance passado e seguiu em frente. “Tanta Retórica” é disparada a melhor faixa do disco. Ela lembra algo feito pelo Caetano Veloso em meados dos anos 1980, com bons momentos na bateria e uma ótima letra. Poderia fácil, fácil tocar na radio. “Renato” é uma balada inevitável dentro do EP, trazendo para o ouvinte um momento mais calmo da audição e “Revolução – Parte 1” encerra o trabalho em ritmo dançante, com sonoridade diferente em alguns momentos na bateria e som de palmas por quase toda a trilha. Esta foi a canção escolhida pela A Flauta Vértebra para ser disponibilizada na rede antes do disco completo.

Nesta primeira investida a banda não aponta para todos os lados a esmo, mas é evidente que ainda precisa amadurecer mais para achar o equilíbrio de sua música e se tornar mais original, mais única. Com produção do Irmão Carlos o grupo conseguiu uma ótima sonoridade, mostrando um bom entrosamento. O teclado se sobressaiu em alguns momentos, garantindo assim um tom mais diferenciado ao som do disco.

A voz da vocalista Sohl também se destaca por ser suave, doce e forte nos momentos certos sem ser exagerada. A arte da capa é sutil e é um cartão de visita para o que o ouvinte irá escutar. Este trabalho é uma boa introdução ao som do grupo que já existe há um bom tempo e que só agora começa a fazer shows com mais frequência na cidade e acho que isso fará bem ao conjunto.

Conheça o som d’A Flauta Vértebra



*Matéria originalmente publicada em 22/06/2015

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,