Pular para o conteúdo principal

No final da madrugada.*


Já conhecia a Old Stove há algum tempo por aqui pela web, mas foi bem inusitado e bom ser pego de surpresa ao sair de um lugar, em um aparente final de noite, em um Rio Vermelho ainda de cabeça para baixo por conta da sua reforma na época e se bater com a banda tocando no passeio, rente a grade das quadras. Já era quase quatro da manhã, o sol não ameaçava aparecer e a banda estava ali como se a noitada estivesse começando.

Quem organizou o evento e quem os trouxe, infelizmente eu não sei dizer. Só sei que a noite era de halloween e o trio de Vitória da Conquista estava ali, na minha frente, tocando um stoner rock denso e pesado, fazendo a trilha sonora para muita coisa que estava acontecendo ao seu redor naquele exato momento. Buzinas de carro, briga entre duas mulheres enciumadas, gente tropeçando nos buracos do lugar e romances sob a luz do luar. Tudo ao mesmo tempo “naquele agora”. Foi diferente o meu primeiro contato ao vivo com #1, primeiro disco da banda, porém interessante.

Disco esse com uma certa referência grunge acentuada e que possui um tom bastante sombrio e psicodélico, bem em voga dentre vários grupos do gênero na atualidade. #1 começa com Place Pigalle, canção de boas timbragens, arrastada, porém empolgante, com guitarra e cozinha pesada, e solo bem em evidência. Depois, Consider This já entrega um momento mais psicodélico da obra, dentro de uma massa sonora significativa para dar ao ouvinte uma atmosfera de ondas lentas, com bastante fuzz e distorção. This Side of Paradise se inicia só com guitarras e é onde os elementos do grunge começa a florescer no som do conjunto, com uma cadência que lembra algo bom do Soundgarden na fase Down on the Upside até explodir no refrão com vocais laynestaleyanos, possuindo momentos de climas sombrios e misteriosos mesclados a personalidade da faixa para explodir novamente no refrão. Talvez a melhor deste trabalho!

Days and Hours continua trazendo a essência grunge do conjunto, porém em meio de uma névoa mais densa que este gênero somado ao stoner podem proporcionar. O seu solo se destaca no minuto final da faixa, que é cuidadosa mente colada com Glória, trilha aparentemente mais tranquila por conta de sua longa intro. Isso somente até cada instrumento entrar em alto volume nos ouvidos e depois vir com o refrão poderoso e uma finalização com boa textura de guitarra. Encerrando, To Come tem bons momentos da bateria, que surge com viradas seguras e também pelo fato de mostrar um som mais conciso dentro do psicodelismo desértico que o disco caminhou até chegar neste ponto. Mais uma ótima faixa!

O som arrastado da Old Stove tem qualidade e mostra um lado diferente do stoner sendo feito aqui na Bahia. Mais denso e com boa dose de psicodelia, a banda mostra uma boa fusão entre esse estilo e o grunge, gêneros que se fundem com facilidade em muitas bandas que seguem esse caminho, e tentou equilibrar ambos nesta primeira investida. Em certos momentos um se sobressai mais que o outro, mas nada que tirasse o mérito de #1 ser um bom registro. Do nosso “encontro” inusitado no Rio Vermelho, até o último segundo de som na web foi uma boa apreciação.

Conheça o som da Old Stove: https://oldstove.bandcamp.com/releases



*Matéria originalmente publicada em 25/02/2016.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...