Pular para o conteúdo principal

No final da madrugada.*


Já conhecia a Old Stove há algum tempo por aqui pela web, mas foi bem inusitado e bom ser pego de surpresa ao sair de um lugar, em um aparente final de noite, em um Rio Vermelho ainda de cabeça para baixo por conta da sua reforma na época e se bater com a banda tocando no passeio, rente a grade das quadras. Já era quase quatro da manhã, o sol não ameaçava aparecer e a banda estava ali como se a noitada estivesse começando.

Quem organizou o evento e quem os trouxe, infelizmente eu não sei dizer. Só sei que a noite era de halloween e o trio de Vitória da Conquista estava ali, na minha frente, tocando um stoner rock denso e pesado, fazendo a trilha sonora para muita coisa que estava acontecendo ao seu redor naquele exato momento. Buzinas de carro, briga entre duas mulheres enciumadas, gente tropeçando nos buracos do lugar e romances sob a luz do luar. Tudo ao mesmo tempo “naquele agora”. Foi diferente o meu primeiro contato ao vivo com #1, primeiro disco da banda, porém interessante.

Disco esse com uma certa referência grunge acentuada e que possui um tom bastante sombrio e psicodélico, bem em voga dentre vários grupos do gênero na atualidade. #1 começa com Place Pigalle, canção de boas timbragens, arrastada, porém empolgante, com guitarra e cozinha pesada, e solo bem em evidência. Depois, Consider This já entrega um momento mais psicodélico da obra, dentro de uma massa sonora significativa para dar ao ouvinte uma atmosfera de ondas lentas, com bastante fuzz e distorção. This Side of Paradise se inicia só com guitarras e é onde os elementos do grunge começa a florescer no som do conjunto, com uma cadência que lembra algo bom do Soundgarden na fase Down on the Upside até explodir no refrão com vocais laynestaleyanos, possuindo momentos de climas sombrios e misteriosos mesclados a personalidade da faixa para explodir novamente no refrão. Talvez a melhor deste trabalho!

Days and Hours continua trazendo a essência grunge do conjunto, porém em meio de uma névoa mais densa que este gênero somado ao stoner podem proporcionar. O seu solo se destaca no minuto final da faixa, que é cuidadosa mente colada com Glória, trilha aparentemente mais tranquila por conta de sua longa intro. Isso somente até cada instrumento entrar em alto volume nos ouvidos e depois vir com o refrão poderoso e uma finalização com boa textura de guitarra. Encerrando, To Come tem bons momentos da bateria, que surge com viradas seguras e também pelo fato de mostrar um som mais conciso dentro do psicodelismo desértico que o disco caminhou até chegar neste ponto. Mais uma ótima faixa!

O som arrastado da Old Stove tem qualidade e mostra um lado diferente do stoner sendo feito aqui na Bahia. Mais denso e com boa dose de psicodelia, a banda mostra uma boa fusão entre esse estilo e o grunge, gêneros que se fundem com facilidade em muitas bandas que seguem esse caminho, e tentou equilibrar ambos nesta primeira investida. Em certos momentos um se sobressai mais que o outro, mas nada que tirasse o mérito de #1 ser um bom registro. Do nosso “encontro” inusitado no Rio Vermelho, até o último segundo de som na web foi uma boa apreciação.

Conheça o som da Old Stove: https://oldstove.bandcamp.com/releases



*Matéria originalmente publicada em 25/02/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…