Rádio Soterorock ao Vivo!

No final da madrugada.*


Já conhecia a Old Stove há algum tempo por aqui pela web, mas foi bem inusitado e bom ser pego de surpresa ao sair de um lugar, em um aparente final de noite, em um Rio Vermelho ainda de cabeça para baixo por conta da sua reforma na época e se bater com a banda tocando no passeio, rente a grade das quadras. Já era quase quatro da manhã, o sol não ameaçava aparecer e a banda estava ali como se a noitada estivesse começando.

Quem organizou o evento e quem os trouxe, infelizmente eu não sei dizer. Só sei que a noite era de halloween e o trio de Vitória da Conquista estava ali, na minha frente, tocando um stoner rock denso e pesado, fazendo a trilha sonora para muita coisa que estava acontecendo ao seu redor naquele exato momento. Buzinas de carro, briga entre duas mulheres enciumadas, gente tropeçando nos buracos do lugar e romances sob a luz do luar. Tudo ao mesmo tempo “naquele agora”. Foi diferente o meu primeiro contato ao vivo com #1, primeiro disco da banda, porém interessante.

Disco esse com uma certa referência grunge acentuada e que possui um tom bastante sombrio e psicodélico, bem em voga dentre vários grupos do gênero na atualidade. #1 começa com Place Pigalle, canção de boas timbragens, arrastada, porém empolgante, com guitarra e cozinha pesada, e solo bem em evidência. Depois, Consider This já entrega um momento mais psicodélico da obra, dentro de uma massa sonora significativa para dar ao ouvinte uma atmosfera de ondas lentas, com bastante fuzz e distorção. This Side of Paradise se inicia só com guitarras e é onde os elementos do grunge começa a florescer no som do conjunto, com uma cadência que lembra algo bom do Soundgarden na fase Down on the Upside até explodir no refrão com vocais laynestaleyanos, possuindo momentos de climas sombrios e misteriosos mesclados a personalidade da faixa para explodir novamente no refrão. Talvez a melhor deste trabalho!

Days and Hours continua trazendo a essência grunge do conjunto, porém em meio de uma névoa mais densa que este gênero somado ao stoner podem proporcionar. O seu solo se destaca no minuto final da faixa, que é cuidadosa mente colada com Glória, trilha aparentemente mais tranquila por conta de sua longa intro. Isso somente até cada instrumento entrar em alto volume nos ouvidos e depois vir com o refrão poderoso e uma finalização com boa textura de guitarra. Encerrando, To Come tem bons momentos da bateria, que surge com viradas seguras e também pelo fato de mostrar um som mais conciso dentro do psicodelismo desértico que o disco caminhou até chegar neste ponto. Mais uma ótima faixa!

O som arrastado da Old Stove tem qualidade e mostra um lado diferente do stoner sendo feito aqui na Bahia. Mais denso e com boa dose de psicodelia, a banda mostra uma boa fusão entre esse estilo e o grunge, gêneros que se fundem com facilidade em muitas bandas que seguem esse caminho, e tentou equilibrar ambos nesta primeira investida. Em certos momentos um se sobressai mais que o outro, mas nada que tirasse o mérito de #1 ser um bom registro. Do nosso “encontro” inusitado no Rio Vermelho, até o último segundo de som na web foi uma boa apreciação.

Conheça o som da Old Stove: https://oldstove.bandcamp.com/releases



*Matéria originalmente publicada em 25/02/2016.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas