Pular para o conteúdo principal

No final da madrugada.*


Já conhecia a Old Stove há algum tempo por aqui pela web, mas foi bem inusitado e bom ser pego de surpresa ao sair de um lugar, em um aparente final de noite, em um Rio Vermelho ainda de cabeça para baixo por conta da sua reforma na época e se bater com a banda tocando no passeio, rente a grade das quadras. Já era quase quatro da manhã, o sol não ameaçava aparecer e a banda estava ali como se a noitada estivesse começando.

Quem organizou o evento e quem os trouxe, infelizmente eu não sei dizer. Só sei que a noite era de halloween e o trio de Vitória da Conquista estava ali, na minha frente, tocando um stoner rock denso e pesado, fazendo a trilha sonora para muita coisa que estava acontecendo ao seu redor naquele exato momento. Buzinas de carro, briga entre duas mulheres enciumadas, gente tropeçando nos buracos do lugar e romances sob a luz do luar. Tudo ao mesmo tempo “naquele agora”. Foi diferente o meu primeiro contato ao vivo com #1, primeiro disco da banda, porém interessante.

Disco esse com uma certa referência grunge acentuada e que possui um tom bastante sombrio e psicodélico, bem em voga dentre vários grupos do gênero na atualidade. #1 começa com Place Pigalle, canção de boas timbragens, arrastada, porém empolgante, com guitarra e cozinha pesada, e solo bem em evidência. Depois, Consider This já entrega um momento mais psicodélico da obra, dentro de uma massa sonora significativa para dar ao ouvinte uma atmosfera de ondas lentas, com bastante fuzz e distorção. This Side of Paradise se inicia só com guitarras e é onde os elementos do grunge começa a florescer no som do conjunto, com uma cadência que lembra algo bom do Soundgarden na fase Down on the Upside até explodir no refrão com vocais laynestaleyanos, possuindo momentos de climas sombrios e misteriosos mesclados a personalidade da faixa para explodir novamente no refrão. Talvez a melhor deste trabalho!

Days and Hours continua trazendo a essência grunge do conjunto, porém em meio de uma névoa mais densa que este gênero somado ao stoner podem proporcionar. O seu solo se destaca no minuto final da faixa, que é cuidadosa mente colada com Glória, trilha aparentemente mais tranquila por conta de sua longa intro. Isso somente até cada instrumento entrar em alto volume nos ouvidos e depois vir com o refrão poderoso e uma finalização com boa textura de guitarra. Encerrando, To Come tem bons momentos da bateria, que surge com viradas seguras e também pelo fato de mostrar um som mais conciso dentro do psicodelismo desértico que o disco caminhou até chegar neste ponto. Mais uma ótima faixa!

O som arrastado da Old Stove tem qualidade e mostra um lado diferente do stoner sendo feito aqui na Bahia. Mais denso e com boa dose de psicodelia, a banda mostra uma boa fusão entre esse estilo e o grunge, gêneros que se fundem com facilidade em muitas bandas que seguem esse caminho, e tentou equilibrar ambos nesta primeira investida. Em certos momentos um se sobressai mais que o outro, mas nada que tirasse o mérito de #1 ser um bom registro. Do nosso “encontro” inusitado no Rio Vermelho, até o último segundo de som na web foi uma boa apreciação.

Conheça o som da Old Stove: https://oldstove.bandcamp.com/releases



*Matéria originalmente publicada em 25/02/2016.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Como na profundidade do cosmo. Por Leonardo cima.

Bem no começo desse ano, em janeiro, antes de toda essa agonia que nos encontramos, de pandemia e quarentena, a banda soteropolitana Vernal lançou o seu mais recente trabalho, Epicteto. Essa ressalva inicial do período desse lançamento se faz presente pelo fato de trazer uma recordação recente, de se botar na praça algo novo e poder circular livremente por aí pelas gigs e se esbarrar com os seus autores em um palco tocando as suas canções. Digo isso de maneira geral, até. As produções da cena continuaram e continuam em meio a quarentena, mas esse sabor de presenciar as coisas de perto já começa a pesar, de certa maneira, e visitar esse disco da Vernal também é visitar esse período de cerca de dois meses e meio, ou três (quase!), de liberdade sem restrições que ainda gozávamos. Olhando mais para dentro desse momento, o trio estava vivendo uma boa projeção na cena, com boa frequência de shows e aparição em canais de comunicação alternativa, alguns deles em seus passos iniciai

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,