Pular para o conteúdo principal

Noise e liberdade artística – Resenha do disco “Crack”, da Tsunami.*


É pouco comum, mas acontece. Vez ou outra um baterista sai de trás do seu instrumento e vai assumir o posto de frontman de uma banda, ou de um novo projeto. Muito do que é visto ao final deste tipo de movimento trás como resultado uma música dentro dos moldes do convencional, não que ela seja obvia ou ruim, mas surge algo já esperado pelo público que vivencia essa expectativa. O Dave Grohl com o Foo Fighters, por exemplo! Ninguém poderia prever que tipo de som ele estaria fazendo hoje, mas é claro que não precisaria de uma bola de cristal para saber que ele não iria seguir outro caminho diferente do que ele escolheu para a sua carreira e a carreira de sua banda.

Por conta de suas influências e muito mais por estar inserido no mitiê da indústria musical, não creio que ele se arriscaria em algo experimental, mesmo se tivesse vontade - o Krist Novoselic tentou algo próximo a isso e o mercado não entendeu, desapontado, ele reclamou publicamente e decidiu parar por tempo indeterminado com seus projetos musicais. Neste caso aqui, ser um artista independente significa também ter (muita) liberdade para dar asas ao som que se quer fazer, sem amarras.

O ainda baterista Maicon Charles lançou no final do ano passado o disco de estreia da sua banda Tsunami, intitulado “Crack”. No uso das baquetas desde os oito anos de idade e tendo atuado em bandas como Velotroz e Weise, ele enxergou novas possibilidades musicais aprendendo outros instrumentos e decidiu (como frontman) montar o seu grupo. O resultado dessa empreitada foi um cd gravado nos estúdios Vous, Caverna do Som e House of Ozzy e que contém oito canções de muito experimentalismo, punk, sintetizadores ácidos, letras nonsense e bastante noise.

“Crack” começa muito bem com “1989”, um punk rock diferente de guitarras distorcidas, texturas ácidas, riff grudento e vocais nervosos. É uma faixa certa de ser repetida várias vezes depois de ser escutada. Depois dela aparece “Odeio Aqueles que se Entregam a Vaidades Enganosas”, uma canção rápida com menos de um minuto e frenética, onde se versa sobre filhos do sol e sobre todo mundo estar sem dinheiro. Uma piração das boas. A terceira é “Deus”, mais uma com bastante distorção e textura de guitarra sem perder a melodia de vista, ainda tendo belas nuances dentro do caos sonoro que a forma.

Depois dessas três primeiras canções (com o próprio Maicon Charles gravando todos os instrumentos), o disco começa uma sequencia ao vivo (já como banda) que engloba quatro músicas: “Perlita”, “K-ont”, “Russian Maffia” e “Dirty Loops”. Com uma sonoridade diferente em relação as primeiras, pode-se ouvir nessas faixas versos como “vou consertar meu toca discos lácteos”, em “Perlita”, e “o espaço é o lugar”, em “K-ont”. Depois seguem como uma grande jam, em sua maior parte instrumental e também um pouco cantada no seu final. Para quem gosta de barulho e experimentalismo, no melhor estilo Sonic Youth nos seus primeiros álbuns, vai encher os ouvidos com essa sinfonia.

Ainda se não bastassem as canções, a Tsunami trás algo mais na sua arte. É justamente o formato da sua obra que estará disponível, além de mp3, em cd físico e pendrive. Também possuirá cinquenta capas diferentes para “Crack” e, sem perder o fôlego, a banda também já está preparando o seu segundo disco que se chamará “Nonsense”, que será lançado em maio deste ano. Criatividade e liberdade musical em alta e sossego para fazer isso, coisas que, provavelmente quem se encontra no mainstream jamais teria o gosto de desfrutar como realmente gostaria.

Conheça o som da Tsunami:

Vídeos:
Clipe de “Odeio Aqueles que se Entregam a Vaidades Enganosas” - https://www.youtube.com/watch?v=iY-qErDUEZQ



*Matéria originalmente publicada em 05/04/2015

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso