Pular para o conteúdo principal

Noite chuvosa, música quente.*


Sexta feira foi mais um dia de sair para a rua e curtir um bom rock feito em terras baianas. Estava um início de final de semana chuvoso, o cacau caindo de verdade na capital baiana e que parecia que não iria dar trégua alguma para quem quisesse se dispor a sair de casa. Mas havia um bom, ótimo e interessante motivo para não ficar na frente do computador ou da televisão vendo repórter dando um “tapa” para depois virar meme infinito na internet. A boa da vez foi o Warm-Up Moto Beer Rock 2016, o aquecimento para o festival de mesmo nome que acontece ainda este mês, contando com dezesseis bandas espalhadas em quatro dias no The Other Place, no bairro de Brotas.

O local vem se consolidando cada vez mais na cena propondo pautas diversificadas dentro do gênero e nesta noite recebeu um público significativo para prestigiar a festa e as três bandas escaladas para a ocasião. Muita gente trocando ideia (novidades da música local, séries, filmes e afins estavam nas pautas), tomando uma boa cerveja artesanal e deixando o lugar mais vívido e preparado para os grupos executarem suas respectivas apresentações. É bom ver um ambiente com muita gente interessante e interessada em acompanhar a cena e ver de perto o que está acontecendo.

A primeira banda a subir no palco foi a feirense Novelta. O quarteto que já não tocava em gigs desde janeiro deste ano desceu o braço com vontade nos seus instrumentos e fez um show redondo com repertório bem estruturado. Teve momento que não foi perdido o fôlego emendando uma música na outra e bom humor para falar com a audiência quando havia brecha para tal. Dentro do setlist teve canção nova que estará no próximo trabalho do grupo (A Estrada me deixou curioso pelo que está por vir) e outras já bem conhecidas de muita gente que estava por lá e que acompanhou junto em meio a cantiga regional, muito fuzz, distorções e batidas de cabeça. Foi empolgante! Depois foi a vez da Jack Doido fazer o seu grunge no tablado do The Other Place. Prestes a lançar o seu primeiro EP, o conjunto tocou, desta vez, sem o seu baixista original as canções que estarão no seu primeiro registro e nem precisava ter feito os covers já conhecidos em suas apresentações.

O som de guitarra interessante com boa influência de Dinosaur Jr, a bateria e baixo nervosos mostraram que o seu trabalho autoral caminha bem e aumenta a expectativa pelo lançamento do seu disco. Fechando a sequência de bandas a Ronco fez o seu blues-rock-stoner em um show que mostrou primar cada vez mais pela sua qualidade sonora. As timbragens e efeitos de guitarra, os efeitos do baixo e o som volumoso da bateria preencheram bem o lugar da apresentação e atestaram a boa fase que a banda vivencia no momento. Cada vez melhor e com uma boa objetividade, o trio executou as canções já conhecidas pelo público, além de estar visivelmente se divertindo no palco. A coisa se manteve quente!


Na volta para casa, a chuva ainda insistia em cair. Sempre é um peso extra voltar para casa sob nuvens carregadas e pingos de água pesados que batiam na janela do carro. Locais extremamente alagados foram também o assunto no caminho, além da descoberta do fato das baratas se sentirem atraídas pelo cheiro dos orifícios humanos: boca, nariz, ouvido, essas coisas (é melhor escovar bem a boca antes de dormir). Mas tudo isso sem esquecer do bom rock baiano presenciado naquela noite, que foi quente e proveitoso. Ótimo warm-up!


*Matéria originalmente publicada em 04/07/2016.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…