Noite chuvosa, música quente.*


Sexta feira foi mais um dia de sair para a rua e curtir um bom rock feito em terras baianas. Estava um início de final de semana chuvoso, o cacau caindo de verdade na capital baiana e que parecia que não iria dar trégua alguma para quem quisesse se dispor a sair de casa. Mas havia um bom, ótimo e interessante motivo para não ficar na frente do computador ou da televisão vendo repórter dando um “tapa” para depois virar meme infinito na internet. A boa da vez foi o Warm-Up Moto Beer Rock 2016, o aquecimento para o festival de mesmo nome que acontece ainda este mês, contando com dezesseis bandas espalhadas em quatro dias no The Other Place, no bairro de Brotas.

O local vem se consolidando cada vez mais na cena propondo pautas diversificadas dentro do gênero e nesta noite recebeu um público significativo para prestigiar a festa e as três bandas escaladas para a ocasião. Muita gente trocando ideia (novidades da música local, séries, filmes e afins estavam nas pautas), tomando uma boa cerveja artesanal e deixando o lugar mais vívido e preparado para os grupos executarem suas respectivas apresentações. É bom ver um ambiente com muita gente interessante e interessada em acompanhar a cena e ver de perto o que está acontecendo.

A primeira banda a subir no palco foi a feirense Novelta. O quarteto que já não tocava em gigs desde janeiro deste ano desceu o braço com vontade nos seus instrumentos e fez um show redondo com repertório bem estruturado. Teve momento que não foi perdido o fôlego emendando uma música na outra e bom humor para falar com a audiência quando havia brecha para tal. Dentro do setlist teve canção nova que estará no próximo trabalho do grupo (A Estrada me deixou curioso pelo que está por vir) e outras já bem conhecidas de muita gente que estava por lá e que acompanhou junto em meio a cantiga regional, muito fuzz, distorções e batidas de cabeça. Foi empolgante! Depois foi a vez da Jack Doido fazer o seu grunge no tablado do The Other Place. Prestes a lançar o seu primeiro EP, o conjunto tocou, desta vez, sem o seu baixista original as canções que estarão no seu primeiro registro e nem precisava ter feito os covers já conhecidos em suas apresentações.

O som de guitarra interessante com boa influência de Dinosaur Jr, a bateria e baixo nervosos mostraram que o seu trabalho autoral caminha bem e aumenta a expectativa pelo lançamento do seu disco. Fechando a sequência de bandas a Ronco fez o seu blues-rock-stoner em um show que mostrou primar cada vez mais pela sua qualidade sonora. As timbragens e efeitos de guitarra, os efeitos do baixo e o som volumoso da bateria preencheram bem o lugar da apresentação e atestaram a boa fase que a banda vivencia no momento. Cada vez melhor e com uma boa objetividade, o trio executou as canções já conhecidas pelo público, além de estar visivelmente se divertindo no palco. A coisa se manteve quente!


Na volta para casa, a chuva ainda insistia em cair. Sempre é um peso extra voltar para casa sob nuvens carregadas e pingos de água pesados que batiam na janela do carro. Locais extremamente alagados foram também o assunto no caminho, além da descoberta do fato das baratas se sentirem atraídas pelo cheiro dos orifícios humanos: boca, nariz, ouvido, essas coisas (é melhor escovar bem a boca antes de dormir). Mas tudo isso sem esquecer do bom rock baiano presenciado naquela noite, que foi quente e proveitoso. Ótimo warm-up!


*Matéria originalmente publicada em 04/07/2016.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Curumin Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Far From Alaska Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jadsa Castro Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lívia Nery Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Metá Metá Modus Operandi Mopho Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Paul McCartney Pesadelo Pio Lobato Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Quartabê Radioca Raimundo Sodré Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rincon Sapiencia Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Soterorock Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas