Pular para o conteúdo principal

Noite de chuva, noite de rock.*


            A noite era de chuva, mas mesmo assim o Portal Soterorock saiu para a rua para conferir mais um som roqueiro dentro da capital baiana. Os caminhos se direcionavam mais uma vez para o Rio Vermelho, onde aconteceram no Teverna Music Bar os shows das bandas Inventura (Alagoinhas), A Flauta Vértebra e Os Jonsóns.

            O lugar já tinha bastante gente para a hora que cheguei. Normalmente o povo só começa a aparecer muito próximo ao inicio dos trabalhos, mas desta vez foi um pouco diferente. Acho que a chuva ajudou nesse aspecto não deixando ninguém ficar do lado de fora por muito tempo antes e durante o evento. Ponto para o recorrente clima chuvoso de Salvador.

            A casa estava descontraída e já com tudo pronto para começar. Desconhecidos bebendo no bar, duas garotas e um rapaz dançando ao som de Gorillaz na pista (logo o rapaz ficaria para escanteio), uma cédula de um real emoldurada em cima de um dos arcos que divide o espaço e uma conferida no zap foram algumas das imagens que precederam o start dos sons.

            A Inventura veio mais uma vez de Alagoinhas para descarregar seu som cheio de energia aqui na cidade. Assim como no final de semana anterior, o trio se saiu muito bem na performance empolgada com um show ligeiramente mais curto do que o de uma semana atrás. Foi tanta empolgação que o guitarrista perdeu uma corda e teve que trocar de instrumento no meio da apresentação. Acontece! O local ficou muito cheio quando eles se apresentaram e com todos do publico muito agitados. As suas musicas realmente soam melhores ao vivo do que no cd e ainda incluíram o cover de "Saravá" (Mutantes) no repertório. Tudo fluiu bem para os rapazes e houve até espaço para a banda convidar a quem quisesse ir a sua cidade natal para comer um bom cuscuz, que parece ser muito bom. Aliás, Alagoinhas também tem uma fábrica de cerveja!

            Depois deles se apresentou a A Flauta Vértebra. Já havia algum tempo que estava devendo em ver a banda ao vivo, muito pelo fato dela estar ativa no cenário fazendo bastante show por aqui e pelo interior, e pelo fato de ter um bom disco gravado. Com uma proposta musical mais leve o conjunto deixou o clima do lugar mais cool, o que acabou esfriando os ânimos. O grupo ao vivo é bem entrosado nos aspectos gerais, com as próprias canções sendo bem tocadas e com a sua vocalista muito bem afinada, mesmo sendo perseguida durante o show por uma microfonia que hora ou outra aparecia. "Tanta Retórica" e "Polaroid" foram ótimos momentos da apresentação e a cover para "Balada do Louco" foi bem tocada, porém dispensável.

            Encerrando a noite os rapazes d'Os Jonsóns subiram ao palco para lançar o seu novo EP, "Riffmania". Tinha quase um ano que não os via tocando e ja era hora de conferir como estavam. Eles vinham de uma apresentação no mesmo dia, mas isso não afetou o grupo na hora da festa. A postura bem humorada ainda está presente nos seus shows e a performance pareceu melhorada em decorrência da quantidade de apresentações que eles vêm fazendo. O lugar voltou a encher e as pessoas não paravam de dançar ao som de velhas conhecidas como "Chula" e "Batedora de Vinis", e as mais novas, "Desfeita", "Showman" e "Ele é Mais Bonito que Você", também tiveram uma boa aceitação da audiência. No final ainda teve um bis rapidíssimo. Foi divertido!


            Terminadas as apresentações ainda teve mais uma hora de papo sobre tipos de cheiros preferidos, vinhos verdes e banhos no frio. Depois, só me restava pegar o caminho de volta para casa ouvindo o lamento do taxista sobre o fato de Salvador não ter uma vida noturna de verdade. Talvez ele esteja certo, ou não.


*Matéria originalmente publicada em 11/08/2015.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,