Pular para o conteúdo principal

Noite de chuva, noite de rock.*


            A noite era de chuva, mas mesmo assim o Portal Soterorock saiu para a rua para conferir mais um som roqueiro dentro da capital baiana. Os caminhos se direcionavam mais uma vez para o Rio Vermelho, onde aconteceram no Teverna Music Bar os shows das bandas Inventura (Alagoinhas), A Flauta Vértebra e Os Jonsóns.

            O lugar já tinha bastante gente para a hora que cheguei. Normalmente o povo só começa a aparecer muito próximo ao inicio dos trabalhos, mas desta vez foi um pouco diferente. Acho que a chuva ajudou nesse aspecto não deixando ninguém ficar do lado de fora por muito tempo antes e durante o evento. Ponto para o recorrente clima chuvoso de Salvador.

            A casa estava descontraída e já com tudo pronto para começar. Desconhecidos bebendo no bar, duas garotas e um rapaz dançando ao som de Gorillaz na pista (logo o rapaz ficaria para escanteio), uma cédula de um real emoldurada em cima de um dos arcos que divide o espaço e uma conferida no zap foram algumas das imagens que precederam o start dos sons.

            A Inventura veio mais uma vez de Alagoinhas para descarregar seu som cheio de energia aqui na cidade. Assim como no final de semana anterior, o trio se saiu muito bem na performance empolgada com um show ligeiramente mais curto do que o de uma semana atrás. Foi tanta empolgação que o guitarrista perdeu uma corda e teve que trocar de instrumento no meio da apresentação. Acontece! O local ficou muito cheio quando eles se apresentaram e com todos do publico muito agitados. As suas musicas realmente soam melhores ao vivo do que no cd e ainda incluíram o cover de "Saravá" (Mutantes) no repertório. Tudo fluiu bem para os rapazes e houve até espaço para a banda convidar a quem quisesse ir a sua cidade natal para comer um bom cuscuz, que parece ser muito bom. Aliás, Alagoinhas também tem uma fábrica de cerveja!

            Depois deles se apresentou a A Flauta Vértebra. Já havia algum tempo que estava devendo em ver a banda ao vivo, muito pelo fato dela estar ativa no cenário fazendo bastante show por aqui e pelo interior, e pelo fato de ter um bom disco gravado. Com uma proposta musical mais leve o conjunto deixou o clima do lugar mais cool, o que acabou esfriando os ânimos. O grupo ao vivo é bem entrosado nos aspectos gerais, com as próprias canções sendo bem tocadas e com a sua vocalista muito bem afinada, mesmo sendo perseguida durante o show por uma microfonia que hora ou outra aparecia. "Tanta Retórica" e "Polaroid" foram ótimos momentos da apresentação e a cover para "Balada do Louco" foi bem tocada, porém dispensável.

            Encerrando a noite os rapazes d'Os Jonsóns subiram ao palco para lançar o seu novo EP, "Riffmania". Tinha quase um ano que não os via tocando e ja era hora de conferir como estavam. Eles vinham de uma apresentação no mesmo dia, mas isso não afetou o grupo na hora da festa. A postura bem humorada ainda está presente nos seus shows e a performance pareceu melhorada em decorrência da quantidade de apresentações que eles vêm fazendo. O lugar voltou a encher e as pessoas não paravam de dançar ao som de velhas conhecidas como "Chula" e "Batedora de Vinis", e as mais novas, "Desfeita", "Showman" e "Ele é Mais Bonito que Você", também tiveram uma boa aceitação da audiência. No final ainda teve um bis rapidíssimo. Foi divertido!


            Terminadas as apresentações ainda teve mais uma hora de papo sobre tipos de cheiros preferidos, vinhos verdes e banhos no frio. Depois, só me restava pegar o caminho de volta para casa ouvindo o lamento do taxista sobre o fato de Salvador não ter uma vida noturna de verdade. Talvez ele esteja certo, ou não.


*Matéria originalmente publicada em 11/08/2015.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...