Pular para o conteúdo principal

Noite quente e reinvenção pertinente.*


Na última terça feira teve mais um jogo da seleção brasileira de futebol pelas eliminatórias da Copa do Mundo e, mais uma vez, teve uma noite quente de rock na capital baiana. É claro que, sem pensar duas vezes, não iria ficar em casa para ver o Brasil contra a Venezuela. Nem se fosse contra uma seleção menos freguesa optaria por assistir o time nacional nesta véspera do feriado no lugar das três bandas daquela noite. Ainda mais com uma oportunidade mais do que interessante de se presenciar dentro da cena local, como foi no evento Quanto Vale o Show? do dia 11/10/16.

A chegada foi no início da noite, bem a tempo de pegar um Rio Vermelho ainda vazio para ver o povo se encontrando aos poucos. E foi bem assim, a presença e comunhão de novos e velhos amigos dessa jornada roqueira baiana foi acontecendo de vez em vez, com cada um somando ideias ao papo em seus ganchos finais a medida em que chegavam, até tudo se transformar em uma grande via de conversas boas e intermináveis, com fluências e risadas. Coisa cada vez mais rara para os dias de hoje, de aplicativos e redes sociais. Com isso o tempo passou rápido e foi chegado o momento de conferir Pastel de Miolos, 32 Dentes a Aborígenes, bandas da região metropolitana (Lauro de Freitas) e interior (Feira de Santana e Alagoinhas) dando as caras mais uma vez em Salvador.

Quem abriu as atividades foi a veterana Pastel de Miolos, que gerava uma expectativa muito grande para este momento por conta da estreia da sua nova formação, como um duo. Na verdade, seria uma reestruturação, perto até de uma reinvenção da dinâmica do seu som em cima do palco. Eu, particularmente, estava muito curioso em saber como a música da banda havia ficado. Lidar com a saída de um integrante importante e de um elemento importante (a guitarra) dentro de uma banda de punk rock com muitos anos de estrada não é uma tarefa das mais fáceis. Deixei de lado todas as referências de grupos que conheço neste formato para vê-los e procurei aproveitar o máximo do momento. E o som deles mudou sem ter mudado. Pode parecer algo complicado, ou sem sentido, para ser interpretado aqui nesse texto. Mas o fato é que o punk rock como antigamente estava lá para muita gente que os segue, ao mesmo tempo em que o baixo e os recursos utilizados nele supriam as necessidades que a falta de um instrumento poderia fazer para a dupla.

A velocidade característica da banda não foi deixada de lado, o André Felipe segurou muito bem os vocais e soube utilizar muito bem o sistema de pedais que usou, provavelmente um bom fruto da sua escola dentro do metal. Como bons exemplos em seu repertório, Ruas e Desobediência Civil se destacaram tendo a mesma energia de outrora e com a nova roupagem que ganhou, não perdeu a agressividade em seus arranjos e ainda botou muita gente para abrir uma roda de pogo. A apresentação foi relativamente rápida, porém muito satisfatória para público e dupla (que falou só o necessário entre as canções), com todos se divertindo e aliviando as tensões. O novo formato da PDM funcionou bem, é claro que uma ou outra coisa ainda será ajustada no decorrer da jornada dessa sua mais nova fase. A experiência de uma apresentação ao vivo e toda a adrenalina envolvida que ela traz, provavelmente, vai deixar esse novo som da Pastel de Miolos ainda mais redondo do que pareceu ser. É uma questão de tempo para potencializar isso.

A casa estava muito cheia quando a banda terminou a sua apresentação. Television era a trilha sonora do ambiente e, caminhado para fora do lugar, já dava para perceber que o Rio Vermelho em si estava muito movimentado, com muito mais gente do que no início da noite. Não demorou muito e a feirense 32 Dentes subiu ao palco para fazer a sua apresentação no evento. Depois de quase se perder na chegada a Salvador, o trio estava empolgado em sua performance, executando bem as suas trilhas mesmo com alguns imprevistos no palco, que foram logo solucionados (o martelo do pedal do bumbo se saltou na primeira música). Problema sanado, o grave do bumbo deu mais impulsão às canções e foi empolgando gradualmente os músicos e a plateia, em alto e bom som, com as texturas de guitarra se encorpado aos espaços do Irish Pub juntamente com bons solos e cozinha entrosada. Em alguns momentos o instrumental se avolumava um pouco mais que o vocal, o forçando a cantar um pouco mais alto, mas isso não foi um problema visto a noite inspirada dos rapazes.

Depois deles, a Aborígenes, da cidade de Alagoinhas, foi até o tablado para fazer seu power-hard-punk-rock veloz para encerrar a noite. Canções do seu novo disco foram executadas naquela noite e, assim como os grupos anteriores, empolgou a si próprio e a quem estava os assistindo. Eles tocaram tudo o que poderiam tocar do seu repertório, sons antigos e novos foram mostrados e muita gente se divertiu ao som dos três. Aliás, diga-se de passagem, não há quem se divirta com os shows de bandas locais e de fora como o pessoal da Modus Operandi. Você pode se divertir melhor ou pior do que eles, mas como eles, não tem igual. Completando a performance, a Aborígenes tocou alguns covers a pedidos de quem os assistia, tendo em Bodies (Sex Pistols) a mais festejada. Tranquilidade e segurança são marcas registradas da música dos três de Alagoinhas e fecharam muito bem uma noite de bom rock.


Na volta para casa, ainda no bairro, percebia-se um movimento quase que agoniante de gente, de muita gente, talvez um número maior que o normal pelas ruas. Pessoas com um olho no celular e outro no interlocutor. Se isso é bom, ou ruim, sinceramente, eu não sei dizer. Houve uma época em que isso não queria dizer muita coisa e de certa forma continua não sendo parâmetro para algo, multidão e nada não mandam mensagem alguma para alguém. Mas o que importa é que a noite com as bandas foi bem acima da média, com veteranos se reinventando, mas mantendo a sua essência e atuantes do cenário do estado se saindo muito bem mais uma vez aqui na capital. Essa foi a verdadeira mensagem.


*Matéria originalmente publicada em 18/10/2016.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…