Pular para o conteúdo principal

Nos trilhos do bom rock’n roll.*


A Bahia é um estado imenso, o que é bem verdade. E não há como contestar o fato de que há rock sendo feito em cada canto que exista nesta terra. Assim como na capital, o interior também possui suas bandas e suas cenas, com suas rotinas e esforços para manter as suas atividades sem que elas percam o seu ritmo e isso não seria diferente na cidade de Itabuna.

É de lá a banda desta resenha, a Locomotiva. Em atividade desde o ano de 2012 o quinteto faz um som bem fincado no hard rock e no classic rock com pegada blues, porém com uma veia que transita entre o final dos anos oitenta para o início dos anos noventa e com um clima de bar pegando fogo e pé na estrada levantando poeira. Uma referência como o Guns’n Roses é bastante forte no som dos rapazes itabunenses.

A obra começa com Recompensa, uma intro inicial que emula o ambiente de um saloon do velho oeste com o som de muitas vozes conversando e gargalhando, bebidas sendo servidas e atmosfera agitada. No Rastro do Sol começa com velocidade, vocal rasgado e solo de guitarra veloz, sem perder o ritmo até a faixa acabar. Em Álcool e Fogo um slide guitar dita o clima da canção enquanto o vocalista versa sobre como ele e sua parceira representam a combinação quente e perigosa desses dois elementos quando estão juntos. Na Contramão se inicia com um baixo bem pulsante e presente, para depois entrar a banda com um clima hard rock noventista, celebrando as boas memórias compartilhando uma boa bebida com os amigos e em busca de uma boa diversão. Boa faixa! Loucomotiva tem uma intro ao som de um trem acelerado, assim como a música, mesmo nas partes mais groovadas, bons riffs, mais um bom solo de guitarra e cozinha conversando bem. Talvez a melhor do disco. Só Mais uma Dose encerra a obra no mesmo clima em que começou, festejando o fato do final de semana chegar, de cair nas brejas e não parar de se divertir um segundo até a noite acabar, isso tendo uma trilha vigorosa ao fundo.

Nesse primeiro EP da Locomotiva fica evidente a influência da banda do Axl Rose no seu som. Seja nos vocais, nas guitarras, no baixo ou na bateria, a referência está lá, mas isso não é algo ruim. Em alguns momentos a sonoridade deste debut deixa um pouco a desejar, mesmo não comprometendo o desempenho do quinteto de Itabuna que parece ter se entregado de corpo e alma nas gravações. É um som divertido, dá para colocar fácil no repeat e seguir com a festa. É bom rock vindo do interior!



*Matéria originalmente publicada em 23/02/2016.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,