Pular para o conteúdo principal

O Rancho de la Luna é aqui.*


            Existe um "Rancho de la Luna" aqui na Bahia e ele fica em Feira de Santana ou em seus arredores. Para quem não sabe, o Rancho de la Luna é um estúdio (e um rancho, inclusive) que fica em um deserto dentro de uma cidade próxima a Los Angeles, Joshua Tree. Grupos stoners como Kyuss e Queens of the Stone Age passaram por lá e gravaram discos que influenciaram bandas no mundo inteiro. Inclusive por aqui!

            Essa resenha não trata sobre um estúdio e sim sobre o trabalho de um conjunto que parece respirar e assimilar bem a atmosfera dos discos que foram gravados por lá. A banda é a Novelta, e o trabalho é o seu EP de estréia, Quintais Abertos. Antes de ser lançado no primeiro semestre desse ano, os feirenses foram disponibilizando aos poucos na web parte da obra, juntando ao fim seis canções do mais bom stoner rock.

             A referência é explicita e bem processada, sem deixar de lado as influências regionais. O cd começa pisando fundo no pedal do acelerador com Santa Poeira, um stoner de raiz levantando a poeira do caminho e dando o sinal para o ouvinte do que ele terá como experiencia dalí para frente. Santos Populares segue segurando a vibração da sua antecessora com uma boa linha de baixo e com uma pegada mais dançante. Depois aparece Ancorado, um dos melhores momentos do disco. Um épico de seis minutos e doze segundos onde a Novelta traz boa letra, backing vocals pegajosos e um ótimo solo de guitarra no fim, soando como algo bom saído da Desert Sessions. Na sequência, Êxodo traz consigo um pouco de melancolia e retoma a velocidade inicial e segue sem perder seu fôlego até atingir Beira de São Francisco, música de riffs grudentos e texto sobre um cotidiano duro. O EP encerra muito bem com Um Espelho. Trilha forte no disco assim como nos shows da banda, a derradeira faixa começa intensa e encontra seu ápice no bom refrão, e as claphands se ajeitaram bem durante o solo "hommeniano".

            A Novelta e o seu Quintais Abertos não formam um som genérico do stoner rock, eles não utilizam referências vagas de um estilo roqueiro consagrado e firme na cena musical mundial. A sonoridade da gravação e os seus arranjos atestam isso. Há muito mais do que as bandas citadas no inicio desse texto no som dos rapazes. Se você gosta de uma musica de beira de estrada, ou de cair na estrada, essa é uma boa pedida para os ouvidos. Feira de Santana e interior mais uma vez mostrando que tem muito rock de verdade.

Acesse o site da banda:

Vídeo da música Êxodo:



*Matéria originalmente publicada em 02/09/2015.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida