Pular para o conteúdo principal

O Rancho de la Luna é aqui.*


            Existe um "Rancho de la Luna" aqui na Bahia e ele fica em Feira de Santana ou em seus arredores. Para quem não sabe, o Rancho de la Luna é um estúdio (e um rancho, inclusive) que fica em um deserto dentro de uma cidade próxima a Los Angeles, Joshua Tree. Grupos stoners como Kyuss e Queens of the Stone Age passaram por lá e gravaram discos que influenciaram bandas no mundo inteiro. Inclusive por aqui!

            Essa resenha não trata sobre um estúdio e sim sobre o trabalho de um conjunto que parece respirar e assimilar bem a atmosfera dos discos que foram gravados por lá. A banda é a Novelta, e o trabalho é o seu EP de estréia, Quintais Abertos. Antes de ser lançado no primeiro semestre desse ano, os feirenses foram disponibilizando aos poucos na web parte da obra, juntando ao fim seis canções do mais bom stoner rock.

             A referência é explicita e bem processada, sem deixar de lado as influências regionais. O cd começa pisando fundo no pedal do acelerador com Santa Poeira, um stoner de raiz levantando a poeira do caminho e dando o sinal para o ouvinte do que ele terá como experiencia dalí para frente. Santos Populares segue segurando a vibração da sua antecessora com uma boa linha de baixo e com uma pegada mais dançante. Depois aparece Ancorado, um dos melhores momentos do disco. Um épico de seis minutos e doze segundos onde a Novelta traz boa letra, backing vocals pegajosos e um ótimo solo de guitarra no fim, soando como algo bom saído da Desert Sessions. Na sequência, Êxodo traz consigo um pouco de melancolia e retoma a velocidade inicial e segue sem perder seu fôlego até atingir Beira de São Francisco, música de riffs grudentos e texto sobre um cotidiano duro. O EP encerra muito bem com Um Espelho. Trilha forte no disco assim como nos shows da banda, a derradeira faixa começa intensa e encontra seu ápice no bom refrão, e as claphands se ajeitaram bem durante o solo "hommeniano".

            A Novelta e o seu Quintais Abertos não formam um som genérico do stoner rock, eles não utilizam referências vagas de um estilo roqueiro consagrado e firme na cena musical mundial. A sonoridade da gravação e os seus arranjos atestam isso. Há muito mais do que as bandas citadas no inicio desse texto no som dos rapazes. Se você gosta de uma musica de beira de estrada, ou de cair na estrada, essa é uma boa pedida para os ouvidos. Feira de Santana e interior mais uma vez mostrando que tem muito rock de verdade.

Acesse o site da banda:

Vídeo da música Êxodo:



*Matéria originalmente publicada em 02/09/2015.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso