Pular para o conteúdo principal

O rock na Bahia é uma labuta pesada!*


Recentemente, a banda Jardim do Silencio lançou na web o seu mais novo EP com três músicas, Carmim. Este compacto é uma amostra do seu próximo disco cheio, Aurora/Depassé, que tem o seu lançamento previsto para o final deste ano. A ideia de lançar um "arauto musical" é interessante, ainda mais que houve uma produção competente e de alta qualidade sobre a obra e sua divulgação.

As imagens da belíssima capa e contra capa foram tiradas no abandonado Cine Teatro Jandaia, assim como a gravação do vídeo clipe de uma das canções. Aliás, o disco todo é dedicado a este lugar que é até mesmo difícil de acreditar que já existiu (existe!) aqui na capital baiana e que o qual a banda aderiu ao movimento Salve o Cine Jandaia, movimento esse que visa tombar e revitalizar o espaço. O grupo ainda sugeriu para aqueles que fossem baixar as músicas, uma forma diferente de remuneração pelo single: você daria uma contribuição voluntária, pagaria o quanto quisesse no download (entre nada e R$20,00), ajudaria a financiar os custos do próximo cd e teria direito a um desconto proporcional no disco que chegará ao fim de 2015.

Mas, mesmo abraçando uma causa nobre em prol da nossa cultura e estimulando uma forma diferente e interessante de fazer alguem investir em seu trabalho, o rock não deixou de ser uma labuta pesada para o conjunto aqui em terras baianas. Eles obtiveram uma resposta quase nula sobre as contribuições, o que comprometeu o andamento das sessões do Aurora/Depassé. Ao mesmo tempo isso não desestimulou o trio que já concluiu as suas gravações junto ao músico/produtor Andre Araujo.

Também contando com o produtor, Carmim traz uma sonoridade acima da média e remete ao som de bandas como Sister of Mercy, Bauhaus, The Cure e Depeche Mode em seus primeiros trabalhos. A faixa título abre bem o disco transmitindo um clima soturno de sombras, com o teclado e sintetizador sobresaindo bastante. Foi justamente essa a escolhida para ganhar o video clipe no Cine Teatro Jandaia. A atmosfera criada na canção casa muito bem com as imagens captadas no lugar, fazendo a imaginação ir longe. "Aurora" é uma bela canção, com guitarra e violão dialogando bem e mantendo a estética sonora do trabalho. O cd encerra com "O Sétimo Dia" que é um pouco mais agitada que as demais, porém mais carregada na temática do EP onde se pode escutar nas letras versos como "imerso na noite fria/passo minhas horas sem sono/cercado em companhia/das sombras de um outono eterno".

Carmim não é um EP ensolarado e nem de longe se dispõe a isso. A noite, as sombras e a melancolia permeiam os onze minutos da obra e, provavelmente, esse aspecto se estenda no próximo álbum cheio. Para quem gosta desta linha de som é um bom aperitivo do que virá. Para quem ainda não conhece é uma boa oportunidade para apreciar essa vertente do cenário rocker baiano, que trabalha bastante e se mantém forte a cada passo.

Conheça o som da Jardim do Silêncio

Vídeo da musica Carmim


*Matéria originalmente publicada em 13/06/2015

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…