Pular para o conteúdo principal

O rock na Bahia é uma labuta pesada!*


Recentemente, a banda Jardim do Silencio lançou na web o seu mais novo EP com três músicas, Carmim. Este compacto é uma amostra do seu próximo disco cheio, Aurora/Depassé, que tem o seu lançamento previsto para o final deste ano. A ideia de lançar um "arauto musical" é interessante, ainda mais que houve uma produção competente e de alta qualidade sobre a obra e sua divulgação.

As imagens da belíssima capa e contra capa foram tiradas no abandonado Cine Teatro Jandaia, assim como a gravação do vídeo clipe de uma das canções. Aliás, o disco todo é dedicado a este lugar que é até mesmo difícil de acreditar que já existiu (existe!) aqui na capital baiana e que o qual a banda aderiu ao movimento Salve o Cine Jandaia, movimento esse que visa tombar e revitalizar o espaço. O grupo ainda sugeriu para aqueles que fossem baixar as músicas, uma forma diferente de remuneração pelo single: você daria uma contribuição voluntária, pagaria o quanto quisesse no download (entre nada e R$20,00), ajudaria a financiar os custos do próximo cd e teria direito a um desconto proporcional no disco que chegará ao fim de 2015.

Mas, mesmo abraçando uma causa nobre em prol da nossa cultura e estimulando uma forma diferente e interessante de fazer alguem investir em seu trabalho, o rock não deixou de ser uma labuta pesada para o conjunto aqui em terras baianas. Eles obtiveram uma resposta quase nula sobre as contribuições, o que comprometeu o andamento das sessões do Aurora/Depassé. Ao mesmo tempo isso não desestimulou o trio que já concluiu as suas gravações junto ao músico/produtor Andre Araujo.

Também contando com o produtor, Carmim traz uma sonoridade acima da média e remete ao som de bandas como Sister of Mercy, Bauhaus, The Cure e Depeche Mode em seus primeiros trabalhos. A faixa título abre bem o disco transmitindo um clima soturno de sombras, com o teclado e sintetizador sobresaindo bastante. Foi justamente essa a escolhida para ganhar o video clipe no Cine Teatro Jandaia. A atmosfera criada na canção casa muito bem com as imagens captadas no lugar, fazendo a imaginação ir longe. "Aurora" é uma bela canção, com guitarra e violão dialogando bem e mantendo a estética sonora do trabalho. O cd encerra com "O Sétimo Dia" que é um pouco mais agitada que as demais, porém mais carregada na temática do EP onde se pode escutar nas letras versos como "imerso na noite fria/passo minhas horas sem sono/cercado em companhia/das sombras de um outono eterno".

Carmim não é um EP ensolarado e nem de longe se dispõe a isso. A noite, as sombras e a melancolia permeiam os onze minutos da obra e, provavelmente, esse aspecto se estenda no próximo álbum cheio. Para quem gosta desta linha de som é um bom aperitivo do que virá. Para quem ainda não conhece é uma boa oportunidade para apreciar essa vertente do cenário rocker baiano, que trabalha bastante e se mantém forte a cada passo.

Conheça o som da Jardim do Silêncio

Vídeo da musica Carmim


*Matéria originalmente publicada em 13/06/2015

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Como na profundidade do cosmo. Por Leonardo cima.

Bem no começo desse ano, em janeiro, antes de toda essa agonia que nos encontramos, de pandemia e quarentena, a banda soteropolitana Vernal lançou o seu mais recente trabalho, Epicteto. Essa ressalva inicial do período desse lançamento se faz presente pelo fato de trazer uma recordação recente, de se botar na praça algo novo e poder circular livremente por aí pelas gigs e se esbarrar com os seus autores em um palco tocando as suas canções. Digo isso de maneira geral, até. As produções da cena continuaram e continuam em meio a quarentena, mas esse sabor de presenciar as coisas de perto já começa a pesar, de certa maneira, e visitar esse disco da Vernal também é visitar esse período de cerca de dois meses e meio, ou três (quase!), de liberdade sem restrições que ainda gozávamos. Olhando mais para dentro desse momento, o trio estava vivendo uma boa projeção na cena, com boa frequência de shows e aparição em canais de comunicação alternativa, alguns deles em seus passos iniciai

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,