Pular para o conteúdo principal

O ronco é de algum som, só não é o do sono.*


Fuzz, fuzz, fuzz e mais fuzz. Um sonho de fuzz, talvez até uma terra cheia desse efeito que cai tão bem nos ouvidos de quem escuta um bom rock’n roll com a mão avassaladora do stoner. Melhor ainda quando se tem isso na medida certa, na dose que se deve utilizar dentro das timbragens da guitarra e do quanto um riff vai pedir. É por esse caminho que a banda baiana Ronco faz a sua estreia em o seu EP homônimo.

Banda relativamente nova na cena, a Ronco fez a sua primeira aparição no Vandex TV, web programa que apresenta sempre um grupo do estado com performances ao vivo e com entrevistas entre uma música e outra. A partir dali o conjunto passou a se apresentar com uma boa regularidade, tanto na capital quanto no interior, e tem obtido um bom retorno em seus shows. Esse seu primeiro trabalho traz cinco faixas dentro da vertente stoner, com algumas boas nuances do estilo, porém, não tão somente preso a esse gênero, deixando espaço em sua música para arranjos mais setentistas.

Com quase vinte minutos de som, o debut do trio formado por Thiago Guimarães (vocal/guitarra), Turan Dias (baixo/vocais) e Bispo Filho (bateria/vocais) começa com Cidade dos Sonhos, canção introduzida por uma distorção fuzz em fade in de boas-vindas para depois entrar com um peso arrastado e uma letra que fala de uma certa cidade dos sonhos, onde o personagem da história é guiado pelas curvas de uma mulher irresistível e de aroma sedutor, onde a diversão não tem pressa de passar. O baixo grave e o bumbo de pedal duplo, ambos lembrando em alguns momentos algo do Them Croocked Vultures, fazem também uma boa base no bom solo de guitarra no final da faixa. Fêmea Fatal surge um pouco mais alegre, com riffs que lembram o QOTSA na fase Lullabies to Paralyse e com o trecho do solo se destacando dentro dela.

A terceira música se inicia com uma marcha surreal e uma passagem de guitarra dedilhada ao fundo que amarra bem esse surrealismo, Prozac traz uns sussurros e notas alongadas de guitarra que aparecem de surpresa deixando o clima mais viajante. A Suicida tem boas linhas de baixo, um meio de canção com texturas psicodélicas que acabam caindo para uma inesperada levada dançante, bem distinta do restante do disco. Pra Voar encerra o EP com uma faixa de roupagem acústica, sendo essa uma das mais interessantes da obra, muito pelo fato de se propor ser diferente dentro do tipo de som que rolou antes de chegar nela. Violão, slide guitar e bandolim levantam bem o voo neste último momento do compacto.

A Ronco fez uma boa estreia e mostra que é mais uma interessante banda de stoner rock aqui da Bahia, um gênero muito popular aqui por essas terras e que ainda não tem tantos adeptos o executando, isso em relação ao número dos seus admiradores. O disco em si foi bem gravado, com o grave bem presente nos instrumentos e com uma voz diferente, sem soar parecida com algo que já seja conhecido por aí. Isso é um aspecto bom e interessante, pois nada melhor do que dar uma identidade própria dentro de um estilo conhecido como esse. Há também os aspectos setentistas do grupo, onde se pode perceber um pouco de The Clash e de Led Zeppelin em certas passagens, e um pouco mais das bandas que citei logo mais acima no texto durante todo o EP. Um barulho bom (com bastante fuzz) é sempre bem recebido e, neste caso, um barulho que não vem do sono.

Links:

Conheça o som da Ronco aqui: https://soundcloud.com/roncorock



*Matéria originalmente publicada em 26/01/2016.

Popular Posts

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…