Rádio Soterorock ao Vivo!

O solo do Eric Clapton não está nos créditos do "Álbum Branco"*


            Neste final de semana, aconteceu a primeira perna soteropolitana do festival potiguar DoSol. Em sua décima segunda edição, o evento se estendeu por mais treze cidades nordestinas além de Salvador, abrangendo cinco estados da região nordeste e nada menos do que 337 bandas e artistas convidados do Brasil e de países europeus. É um festival importante pela sua história, pela fomentação da cena independente nordestina e, agora, pelo seu alcance territorial. Aqui na capital baiana foram duas datas de som que ocorreram no Portela Café, em um lugar que, por conta das intermináveis obras do Rio vermelho, se tornou de complicado acesso para o público desavisado, ou até mesmo mais conhecedor do bairro.

            Mesmo com a bebida cara (seja ela a cerveja, a água, ou o refrigerante), a casa teve algo que funcionou a favor do festival: o fato de possuir dois palcos que serviram muito bem para o reversamento das bandas escaladas, dando um dinamismo melhor entre os shows, não havendo atraso nas apresentações e mantendo um ritmo bom para o andamento da festa, mas só isso. Por falar no lineup, a curadoria acertou bastante nos nomes. Acredito que foi bem justa com a cena rocker local baiana, trazendo grupos ativos por aqui e que fazem o cenário acontecer e ainda faltaram algumas, que acabaram ficando de fora. Particularmente, também escalaria a maioria, só ficaria na dúvida entre uma ou outra por ainda não conhecê-las.

            O festival também foi uma boa oportunidade para isso, para conhecer algumas bandas que ainda não passaram pelo Portal Soterorock. Portanto, estas até então "desconhecidas", merecendo ou não a presença no festival, você poderá tirar as suas conclusões lendo a resenha das performances de cada uma delas logo abaixo. O público compareceu de forma tímida nos dois dias (o segundo deu mais gente), contrariando as expectativas da organização e dos conjuntos, mas isso não cortou a empolgação dos artistas que se apresentaram. E já vou logo afirmando que quem não foi, perdeu muito show bom!

A primeira data, 13/11/2015 - Argentina 1 X 1 Brasil

            Com trinta minutos para cada grupo, a primeira noite do Festival DoSol em terras baianas não poderia começar melhor, tendo em sua abertura o duo de rock de chão pisado, a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes. A banda apresentou o seu repertório com a competência de sempre, mais empolgado ainda por conta do bom momento em que vive e com muita vontade na performance, não decepcionando a quem já conhecia seu som. Mulher Kriptonita e Chão Pisado arrancaram reações empolgantes da audiência. Novamente, muita gente que não conhecia a dupla reagiu bem ao som encorpado e volumoso dos rapazes, que só faltaram derrubar o lugar de tanto peso sonoro. Quem sabe, sabe e, provavelmente, entraram mais algumas personas para o seu crescente exército de seguidores.

            Depois deles, no outro palco, a Falsos Modernos começava seu som sem dar fôlego ao público desacostumado a intervalos inexistentes entre bandas. Este é um dos grupos que não conhecia. Fazendo rock básico, de forte influência da jovem guarda, com um vocalista carismático e com forte pegada pop, os rapazes se mostraram bem entrosados e animou muita gente na pista. Mas um aspecto me chamou negativamente a atenção: a quantidade de covers no seu repertório. Volto a repetir o que já escrevi aqui e farei isso quantas vezes for: a banda monta o seu repertório de acordo com o que acha que deve tocar, sendo só com a suas músicas, ou com a dos outros e com os dois misturados. O problema é que, quando você tem um espaço de trinta minutos dentro de um evento que tem uma visibilidade considerável para artistas independentes e você aposta suas fichas em três covers no seu repertório (quase a metade do setlist), quando poderia ter mais trabalho autoral dentro dele, isso se torna um aspecto negativo para a banda. É perda de tempo para ela, se tornando desinteressante. E foi isso o que ocorreu! Por exemplo, Sanguessuga é uma canção divertidíssima do grupo, mas os rapazes chamaram mais atenção quando tocaram The Dead Billies.

            Depois foi a vez da The Pivos (Camaçari) se apresentar. Essa é mais outra banda que ainda não tinha visto de perto e o seu punk rock rápido e rasteiro funcionou bem para esquentar a noite do DoSol. Foi uma música atrás da outra (a maioria do seu disco de estréia e algumas inéditas), sem perder o fôlego e fazendo muita gente bater cabeça. A energia da banda foi algo que chamou a atenção por ser diferente, com composições velozes e com o trio bem entrosado, falaram o suficiente e entreteu muita gente. Houve até formação de roda de pogo com três indivíduos que pareciam não perceber que o chão estava encharcado de cerveja e escorregadio. A queda de um deles era questão de tempo e quando isso aconteceu, pela reação hilária das pessoas, parecia que muita gente estava esperando isso acontecer. Mas os outros dois continuaram, o som tava massa e porque parar de se divertir?

            Em seguida o grupo Casillero (Olinda-PE) subiu ao palco e fez a sua primeira aparição em Salvador. Foi o show da noite! O quarteto entrou no tablado ao som de um instrumental épico tenso e não demorou muito para mostrar o seu som, que é uma mistura dos projetos do Jack White, com o QOTSA, além de rock setentista (Led Zeppelin) e mais um pouco de stoner-ocult rock (Uncle Acid & The Deadbeats). De muita personalidade e com punch forte e provocativo, as músicas possuíam o gingado vindo do deserto de Joshua Tree, mas feitas muito mais para apreciação, talvez isso seja um dos motivos para a maioria das pessoas não irem para a frente do palco durante boa parte do show. Foi interessante o uso dos teclados e sintetizadores com os timbres de guitarra de acordes pegajosos, juntos com uma cozinha pulsante e direta. A luz forte daquele palco, que fica bem na cara dos vocalistas (foi quase unânime a reclamação deles sobre isso), impediu o frontman de conseguir enxergar a platéia e o fez mergulhar na escuridão e ceifar com notas de sua guitarra as silhuetas que estavam ao seu alcance, para depois voltar ao palco solando com o seu instrumento atrás de sua cabeça e depois o fazendo com os dentes. Foi uma apresentação interessante, que quem não viu, ou que se dispersou na hora do show, acabou perdendo de assistir. A Casillero abriu por trinta minutos o recipiente onde deixa preso algo que atiça o ambiente quando está solto e depois o prendeu de volta lá para não deixa-lo escapar. Muito bom!

            No outro canto da casa o Enio, dessa vez sem a Maloca, fez uma performance diferente. Sozinho, ele utilizou recursos pouco convencionais, porém, mostrando intimidade com todos eles. Aplicativo de celular para usar samples, pedais que faziam loops de guitarra e de beatbox, e, inclusive, a guitarra foram usados para a sua apresentação que parecia que seria intimista, mas não foi tanto assim. Ele mostrou músicas do seu mais recente disco, Axé, fez música na hora, desconstruiu Canto de Ossanha (Vinicius de Moraes e Baden Powell), teve a participação virtual especialíssima de sua filha nas baterias e ainda rolou uma versão de "Smells Like Billie Jean", que ele pode dizer que é dele de tão diferente e criativa que ficou.

            Encerrando a noite, a The Honkers fez um show sereno da uma forma serena que só a banda sabe ser: sexualmente caótica. Foi a velha The Honkers de sempre, mandando bem no seu rock garageiro, com o pé no acelerador e reservando alguns momentos para músicas um pouco mais calmas. Foram quarenta minutos de muito suor, pulos e coros nos clássicos da banda. Houve também um momento especial na performance. O baterista original da banda, Dimmy Drummer, e o segundo guitarrista da ordem cronológica do grupo, Bruno Pizza, subiram ao palco para tocar duas canções, uma delas She'll be My Little One. Foi bacana ter visto o revival de uma formação que não tocava junto desde 2008. Foi uma boa apresentação de encerramento dessa primeira noite do Dosol, que gerava boas expectativas para o próximo lineup. Na chegada de casa ainda corri para ver na web quanto foi o jogo do Brasil contra a Argentina. Foi empate e só deu a seleção adversária na partida. Como amante de futebol e brasileiro, torço para que a seleção se classifique, mas seria uma boa também se isso não acontecesse.

A segunda data, 14/11/2015 - A dança frenética dos lunáticos das cornetas ensandecidas

            A segunda noite do festival teve um numero maior de pessoas do que antes e ela começou com a Teenage Buzz e o seu britpop noventista estreando novo integrante na banda. O show ficou um pouco mais corrido por conta de um certo atraso, mas isso contou a favor dos rapazes, que tiveram que correr contra o relógio, fazendo uma apresentação mais objetiva, sem perder tempo falando o que não era necessário embora ainda se falou muito nessa ocasião. O som estava bem equalizado e permitiu o teclado aparecer com mais evidência dessa vez, soando melhor com os outros instrumentos e fazendo as canções do Generation Dreams ganharem mais corpo.

            Depois, a Lo Han se apresentou para um público aquecido e calibrado para acompanhar o seu hard rock clássico setentista há muito tempo seguido por fãs do grupo. Com um disco lançado recentemente, feito totalmente por canções autorais e produzido pelo bluesman Alvaro Assmar a banda contou com o próprio em uma das guitarras durante toda a performance. O conjunto abriu mão dos covers sempre presentes em seus shows e escolheu tocar só musicas próprias no festival e deixou isso muito aberto e respeitavelmente claro para quem pediu um desses clássicos. E funcionou! Muito! A Lo Han agradou bastante, fazendo uma apresentação segura, com destaques para Sex, Drugs and Music (dessa vez sem a dança do Thiago Mac), The Fallen Butterfly, e a ótima The World Will Change Your Mind, uma balada setentista influenciada pelos teclados do Deep Purple, guitarras do Pink Floyd e arranjos vocais do Led Zeppelin. Essa emocionou!

            Como a terceira atração da segunda noite e estreando nos palcos baianos e mundiais, o Du Txai e os Indizíveis fizeram um som interessante. Um power trio bem entrosado, resultado dos anos de boa convivência musical entre o próprio Du Txai e o Cadinho (baixo) dentro do Cascadura, contendo um baterista com um kit simples (bumbo, caixa, surdo, um prato de condução e symbal) e fazendo um rock direto, a banda mostrou em sua música influencias fortes de artistas e bandas da década de 1990 como Jeff Buckley e Smashing Pumpkins, além de algumas referencias indies inglesas. O show acabou quando se esperava que que ele não acabasse. Surpreenderam muita gente e deixaram um gosto de quero mais no final.

            Como uma das atrações mais esperadas do festival, a Plastico Lunar fez um show redondo, priorizando as musicas do seu mais novo cd, Dias Difíceis no Suriname. Uma pegada mais rock e mais direta não fez mal ao grupo, porém os temas mais psicodélicos foram os mais saborosos no show dos sergipanos, contando com o virtuosismo dos instrumentistas, principalmente do baterista, que não titubeou uma vez sequer nas viradas mais arriscadas do seu instrumento. Formato Cereja foi pedida, atendida e recebida com euforia. Teve gente que suou bastante nesse show. Sem perder o ritmo, a penúltima atração da festa foi a Inventura (Alagoinhas). No embalo de ter tocado em Londrina na noite anterior, o trio aportou em Salvador e executou com empolgação o seu repertório quase todo feito por músicas do seu primeiro trabalho, com exceção para a versão de Augusta (Tom Zé). Foi um show com um speed bacana, em meia hora de pouca conversa e muita música.

            Encerrando o Festival DoSol, Os Jonsóns tocaram o seu rock dançante e bem humorado para os que ficou até a última música. Essa apresentação teve um elemento não muito bom para os fãs do grupo: a saída de Leo do Trompete, o trompetista da banda. Com a baixa amigável por questões pessoais, o músico recebeu uma homenagem surpresa quando ele foi surpreendido por cornetas distribuídas para o público para serem tocadas ao sinal do vocalista. Mas o povo não se deu de emoção e de zoação que, nos intervalos de cada música, as cornetas eram sopradas com vontade e criatividade. Foi mais um momento divertido o cornetaço em "protesto/homenagem" a saída do músico. E teve muita música na ponta da língua do povo no repertório dos caras. Dia Triste abriu a performance deles, que ainda teve Batedora de Vinis, as músicas do seu mais recente EP, Riffmania, a misteriosa Cabeça de Peixe e encerrando com Chula. Foi uma performance de uma banda entrosada e descolada e que não perde a manha de fazer o seu som e de se relacionar com seu público. Foi massa, teve som bom, danças inimaginavelmente criativas e cornetadas diversas. Foi o show da "dança frenética dos lunáticos das cornetas ensandecidas" que fechou bem o Festival DoSol em terras baianas.


            Foram duas noites ótimas de rock para quem quis e para quem pôde comparecer na festa. Volto a afirmar que o lineup foi muito justo com a maioria das bandas, incluindo boa parte daquelas que estão em grande atividade na cena local. Lamento o fato da marca do Festival DoSol não ter sido o suficiente para levar mais pessoas para prestigiar os grupos e o evento, mas espero que ele ocorra no ano que vem novamente e que proporcione bons momentos roqueiros como foram nestas duas ocasiões. Quem foi viu e quem não foi, ouviu alguém dizer, ou leu alguém escrever sobre ele. Nesse caso é melhor ser testemunha ocular. Vai que, para se tomar conhecimento oficial dele, um acontecimento rocker como esse precise viajar no tempo quarenta anos para entrar em uma "nota de gravação", de uma edição comemorativa e remasterizada de aniversário, como foi com solo do Clapton no Álbum Branco dos Beatles. Imagine o privilégio de quem viu isso! Pois bem.


*Matéria originalmente publicada em 17/11/2015.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas