Pular para o conteúdo principal

O violão, a lua e o bom cheiro do café.*


Havia muito tempo que não assistia a um show do André L. R. Mendes, muito tempo mesmo. Da minha memória, o último que me recordo de ter visto foi uma apresentação que ele fez ao lado dos seus companheiros de Maria Bacana quando a banda abriu o show Veneno Vivo, da Cássia Eller, na Concha Acústica do TCA no já longínquo ano de 1996. Bem próximo de lá, no Hauss Kafee, vinte anos depois, o compositor fez o show de estreia do seu disco, Todas As Cores, e confesso logo de cara o quanto foi bom ver o músico novamente em cima do palco, empunhando o seu instrumento.

O local escolhido para o lançamento do seu mais recente trabalho foi bem adequado para a proposta do seu som. Um ambiente acolhedor, ao ar livre, diferente dos locais onde acontecem shows de rock por aqui, um café com paredes com um amarelo ouro predominando pelo ambiente, deixando o artista e o público tranquilos. O cheiro do café espalhado pelo lugar tornou árdua a resistência em degustar um cappuccino e um expresso, que foi logo pedido por mim enquanto bons papos iam acontecendo, com mais pessoas chegando e com o clima da cidade ajudando nessa hora (não havia uma nuvem de chuva no céu como na noite anterior). Fez lua!

Às 20:00 horas em ponto, o cantor e compositor André L. R. Mendes subiu ao palco da casa e deu início a algo esperado por muita gente presente por lá. Com o filme Boyhood sendo projetado ao fundo do começo ao fim da sua apresentação, ele começou a sua performance com Naturalmente, uma das canções do disco que lançara naquela noite. De certa maneira surpreendente, a segunda música escolhida foi uma da sua antiga banda, Maria Bacana. Luvas ganhou um belo arranjo no violão, tendo uma introdução veloz, para enfim chegar no seu andamento original desse clássico da cena local. No seu primeiro contato com a audiência de cima do tablado, afirmou que o palco é sua casa, mas que estava longe dela por um tempo e aproveitou a deixa para introduzir a faixa Casas, do seu penúltimo trabalho, Arquipélago. Depois, executou Cine Perfeição, Não Chora, Menina e Naufrágios, sendo fiel a sequência exata delas que se encontra no Todas As Cores e então partiu para As Velhas Ondas, faixa que abre o seu interessante disco Amor Atlântico.

Após este ponto do show, foi chamado ao palco o baterista Thiago Jende (Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes) para fazer uma participação espacial em uma sequência mais veloz do seu repertório e que contou com mais duas músicas do MB, Olhos e Primavera, além de Amsterdã (que versa sobre como o ser humano nunca está plenamente satisfeito com as coisas) e de uma faixa da sua primeira investida solo (Bem-Vindo à Navegação), Pelo Mundo com Você. Já com uma distorção suave presente em seu violão, retomou a sequência com Intimidade e Vida, ambas do seu mais recente trabalho, as ligando com Em Paz do seu debut, que viria a ser a última música da noite, mas que contou com Marcelo Medeiros (baterista da MB) na percussão.

O improviso atestou a química entre os dois e acabou se esticando para mais uma música da Maria Bacana, Por Aí, agora também com o Lelê (baixista) na divisão dos vocais. Tem coisas que o tempo não consegue apagar! Ainda teve bis com Tchau Jornal, música que critica o uso mau tendencioso dos grandes meios de comunicação por aqui, composta em 2011 e ainda muito atual, O Martelo do Tempo, mais uma do seu penúltimo disco (e uma das mais aguardadas) e alguns covers, que serviram para mostrar um pouco das suas influências (teve de Caetano Veloso a Nirvana), com um bom destaque para O Mundo Anda Tão Complicado (Legião Urbana) e um desfecho definitivo com Caroline, do Maria Bacana.


Foi uma apresentação bem interessante do André L. R. Mendes, com um setlist bem montado e organizado de maneira que ele pôde visitar bem a sua já longa carreira solo, sem deixar de contemplar o seu passado musical e suas influências, em um formato acústico ainda pouco explorado por artistas daqui. Acredito que ele deveria fazer mais apresentações. Dava para perceber a intimidade dele com seu instrumento e a maneira como ficou à vontade se apresentando, usando os recursos que escolheu para fazer a sua música e obtendo uma resposta positiva do público a muita canção executada naquela noite. Além do fato das suas composições soarem muito bem de perto! A vontade boa de tocar ao vivo chegou a tirar um pouco do seu sangue, mas nada que o fizesse mal. Muito pelo contrário. Fez bem e marcou uma ótima e diferente noite de rock.


*Matéria originalmente publicada em 14/10/2016.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um