O violão, a lua e o bom cheiro do café.*


Havia muito tempo que não assistia a um show do André L. R. Mendes, muito tempo mesmo. Da minha memória, o último que me recordo de ter visto foi uma apresentação que ele fez ao lado dos seus companheiros de Maria Bacana quando a banda abriu o show Veneno Vivo, da Cássia Eller, na Concha Acústica do TCA no já longínquo ano de 1996. Bem próximo de lá, no Hauss Kafee, vinte anos depois, o compositor fez o show de estreia do seu disco, Todas As Cores, e confesso logo de cara o quanto foi bom ver o músico novamente em cima do palco, empunhando o seu instrumento.

O local escolhido para o lançamento do seu mais recente trabalho foi bem adequado para a proposta do seu som. Um ambiente acolhedor, ao ar livre, diferente dos locais onde acontecem shows de rock por aqui, um café com paredes com um amarelo ouro predominando pelo ambiente, deixando o artista e o público tranquilos. O cheiro do café espalhado pelo lugar tornou árdua a resistência em degustar um cappuccino e um expresso, que foi logo pedido por mim enquanto bons papos iam acontecendo, com mais pessoas chegando e com o clima da cidade ajudando nessa hora (não havia uma nuvem de chuva no céu como na noite anterior). Fez lua!

Às 20:00 horas em ponto, o cantor e compositor André L. R. Mendes subiu ao palco da casa e deu início a algo esperado por muita gente presente por lá. Com o filme Boyhood sendo projetado ao fundo do começo ao fim da sua apresentação, ele começou a sua performance com Naturalmente, uma das canções do disco que lançara naquela noite. De certa maneira surpreendente, a segunda música escolhida foi uma da sua antiga banda, Maria Bacana. Luvas ganhou um belo arranjo no violão, tendo uma introdução veloz, para enfim chegar no seu andamento original desse clássico da cena local. No seu primeiro contato com a audiência de cima do tablado, afirmou que o palco é sua casa, mas que estava longe dela por um tempo e aproveitou a deixa para introduzir a faixa Casas, do seu penúltimo trabalho, Arquipélago. Depois, executou Cine Perfeição, Não Chora, Menina e Naufrágios, sendo fiel a sequência exata delas que se encontra no Todas As Cores e então partiu para As Velhas Ondas, faixa que abre o seu interessante disco Amor Atlântico.

Após este ponto do show, foi chamado ao palco o baterista Thiago Jende (Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes) para fazer uma participação espacial em uma sequência mais veloz do seu repertório e que contou com mais duas músicas do MB, Olhos e Primavera, além de Amsterdã (que versa sobre como o ser humano nunca está plenamente satisfeito com as coisas) e de uma faixa da sua primeira investida solo (Bem-Vindo à Navegação), Pelo Mundo com Você. Já com uma distorção suave presente em seu violão, retomou a sequência com Intimidade e Vida, ambas do seu mais recente trabalho, as ligando com Em Paz do seu debut, que viria a ser a última música da noite, mas que contou com Marcelo Medeiros (baterista da MB) na percussão.

O improviso atestou a química entre os dois e acabou se esticando para mais uma música da Maria Bacana, Por Aí, agora também com o Lelê (baixista) na divisão dos vocais. Tem coisas que o tempo não consegue apagar! Ainda teve bis com Tchau Jornal, música que critica o uso mau tendencioso dos grandes meios de comunicação por aqui, composta em 2011 e ainda muito atual, O Martelo do Tempo, mais uma do seu penúltimo disco (e uma das mais aguardadas) e alguns covers, que serviram para mostrar um pouco das suas influências (teve de Caetano Veloso a Nirvana), com um bom destaque para O Mundo Anda Tão Complicado (Legião Urbana) e um desfecho definitivo com Caroline, do Maria Bacana.


Foi uma apresentação bem interessante do André L. R. Mendes, com um setlist bem montado e organizado de maneira que ele pôde visitar bem a sua já longa carreira solo, sem deixar de contemplar o seu passado musical e suas influências, em um formato acústico ainda pouco explorado por artistas daqui. Acredito que ele deveria fazer mais apresentações. Dava para perceber a intimidade dele com seu instrumento e a maneira como ficou à vontade se apresentando, usando os recursos que escolheu para fazer a sua música e obtendo uma resposta positiva do público a muita canção executada naquela noite. Além do fato das suas composições soarem muito bem de perto! A vontade boa de tocar ao vivo chegou a tirar um pouco do seu sangue, mas nada que o fizesse mal. Muito pelo contrário. Fez bem e marcou uma ótima e diferente noite de rock.


*Matéria originalmente publicada em 14/10/2016.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas