Pular para o conteúdo principal

Os rocks foram de verdade.*


Mais uma noite efervescente da cena rocker acontecendo na cidade de Salvador e saí de casa para ver as possibilidades que ela me proporcionava. A última sexta teve muito evento de música rock acontecendo aqui na capital baiana e foi difícil escolher qual lugar ir, mas tinha que ser um e optei por aquele cujo local é fora do Rio Vermelho, bairro boêmio e onde ocorrem shows com mais frequência.

Acredito que não se deve existir uma rigidez quando o assunto é rock’n roll, inclusive quanto a localização onde as coisas acontecem na cidade nesse sentido. Sair um pouco do lugar comum, sair do centro de onde ocorrem os fatos roqueiros daqui, abrir novas possibilidades em cantos diferentes da cidade pode fazer bem para a cena e para quem a acompanha (seja público, banda ou crítica). O lugar em questão foi o The Other Place, situado no bairro de Brotas, na garagem do Hell’s Angels. O evento: Sextas From Hell. Com o espaço aberto, bom serviço de bar e ambiente climatizado na área reservada para os shows, a casa recebeu uma quantidade considerável de público, alguns já frequentadores do lugar e outros fazendo a sua visita pela primeira vez por lá.

O ar livre e o bom tempo permitia bons papos nas mesas da garagem, alguns preferiam jogar uma sinuca ou dardo, uns admiravam as motos estacionadas por lá e outros sentavam no bar para beber algo e ver apresentação de um show famoso do Motorhead que passava na televisão. Foi um bom aquecimento para o início das atividades. Começando com pontualidade, a Bilic (que não tem mais o “Roll” no seu nome) fez uma apresentação no mínimo ousada. Depois de um bom tempo tocando juntos e se entrosando melhor com essa formação mais recente, o conjunto mostrou uma evolução explicita em seu som e uma postura diferente em relação ao seu repertório. Eles abriram com duas canções do seu EP de estreia, sendo que Aqui no Ócio foi tocada diferente, com um andamento mais lento que o normal.

A velocidade original característica dela não faria mal algum ao restante da performance. As músicas que se seguiram foram todas inéditas, novas composições que estão em processo de gravação e que o grupo vem tocando há um bom tempo. Com uma pegada mais psicodélica que lembra bastante o Pink Floyd na fase A Saucerful of Secrets, a Bilic mostrou ter acertado nas suas canções e na sua direção, com bons timbres de guitarra, um baixo pulsante e a bateria bem colocada. O trio teve que lidar por um bom tempo com a tentativa de equalizar melhor os vocais, algumas microfonias indesejadas e eventuais choques no microfone, mas nada que tirasse dele uma qualidade cada vez mais aparente na sua música e de seu amadurecimento artístico.

Em seguida, após um breve intervalo, foi a vez da Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes tocar o seu rock de chão pisado. A sequência de shows que os irmãos Jende vêm fazendo pela capital baiana tem dado a eles um gás extra em suas aparições pelos palcos da cena. A vontade com que cada um tem tocado os seus respectivos instrumentos atestam esse fato e isso tem feito bem para o duo em sua performance e também em sua estética visual. Eles estão em um momento no qual até quando precisam improvisar já basta um olhar entre os dois para a coisa acontecer e tudo tomar forma em som, gestos e impacto musical. A qualidade sonora continua alta e pesada, dava para escuta-los em bom som mesmo com a porta do espaço dos shows fechada.

Muita gente foi para ver novamente a BVEAODE de perto, alguns bateram cabeça com A Farsa, ou “serpentearam” com Mulher Kriptonita e está cada vez mais provado que a versão de Dos Margaritas/Meu Refrigerador Não Funciona é praticamente de autoria própria dos rapazes, de tão diferente que ambas ficam nas mãos deles. O show foi bom e objetivo como sempre, mas rolou pedido atendido de bis e eles tocaram Coroné Antonio Bento, do Tim Maia, e Um Som Para Laio, do Raul Seixas (em versões “búfalos”, diga-se de passagem), duas que estavam fora do repertório há muito tempo. Foram rocks de verdade, mesmo sendo primeiro de abril!


Terminadas as apresentações, o povo ainda ficou à vontade na parte externa do The Other Place, conversando, bebendo e trocando breves ideias com pessoas que não se viam há muitos anos. Ainda teve papo sobre cervejas consumidas a noventa centavos em algum canto dessa Bahia que não sei onde foi e assunto para gerar ótimos insights para soluções de impasses musicais nas decisões internas de bandas. Noite proveitosa em vários sentidos! Descentralizar é importante e abrir ainda mais o leque de opções para a cena rocker baiana também. Isso não faz mal e faz crescer!


*Matéria originalmente publicada em 04/04/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…