Os rocks foram de verdade.*


Mais uma noite efervescente da cena rocker acontecendo na cidade de Salvador e saí de casa para ver as possibilidades que ela me proporcionava. A última sexta teve muito evento de música rock acontecendo aqui na capital baiana e foi difícil escolher qual lugar ir, mas tinha que ser um e optei por aquele cujo local é fora do Rio Vermelho, bairro boêmio e onde ocorrem shows com mais frequência.

Acredito que não se deve existir uma rigidez quando o assunto é rock’n roll, inclusive quanto a localização onde as coisas acontecem na cidade nesse sentido. Sair um pouco do lugar comum, sair do centro de onde ocorrem os fatos roqueiros daqui, abrir novas possibilidades em cantos diferentes da cidade pode fazer bem para a cena e para quem a acompanha (seja público, banda ou crítica). O lugar em questão foi o The Other Place, situado no bairro de Brotas, na garagem do Hell’s Angels. O evento: Sextas From Hell. Com o espaço aberto, bom serviço de bar e ambiente climatizado na área reservada para os shows, a casa recebeu uma quantidade considerável de público, alguns já frequentadores do lugar e outros fazendo a sua visita pela primeira vez por lá.

O ar livre e o bom tempo permitia bons papos nas mesas da garagem, alguns preferiam jogar uma sinuca ou dardo, uns admiravam as motos estacionadas por lá e outros sentavam no bar para beber algo e ver apresentação de um show famoso do Motorhead que passava na televisão. Foi um bom aquecimento para o início das atividades. Começando com pontualidade, a Bilic (que não tem mais o “Roll” no seu nome) fez uma apresentação no mínimo ousada. Depois de um bom tempo tocando juntos e se entrosando melhor com essa formação mais recente, o conjunto mostrou uma evolução explicita em seu som e uma postura diferente em relação ao seu repertório. Eles abriram com duas canções do seu EP de estreia, sendo que Aqui no Ócio foi tocada diferente, com um andamento mais lento que o normal.

A velocidade original característica dela não faria mal algum ao restante da performance. As músicas que se seguiram foram todas inéditas, novas composições que estão em processo de gravação e que o grupo vem tocando há um bom tempo. Com uma pegada mais psicodélica que lembra bastante o Pink Floyd na fase A Saucerful of Secrets, a Bilic mostrou ter acertado nas suas canções e na sua direção, com bons timbres de guitarra, um baixo pulsante e a bateria bem colocada. O trio teve que lidar por um bom tempo com a tentativa de equalizar melhor os vocais, algumas microfonias indesejadas e eventuais choques no microfone, mas nada que tirasse dele uma qualidade cada vez mais aparente na sua música e de seu amadurecimento artístico.

Em seguida, após um breve intervalo, foi a vez da Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes tocar o seu rock de chão pisado. A sequência de shows que os irmãos Jende vêm fazendo pela capital baiana tem dado a eles um gás extra em suas aparições pelos palcos da cena. A vontade com que cada um tem tocado os seus respectivos instrumentos atestam esse fato e isso tem feito bem para o duo em sua performance e também em sua estética visual. Eles estão em um momento no qual até quando precisam improvisar já basta um olhar entre os dois para a coisa acontecer e tudo tomar forma em som, gestos e impacto musical. A qualidade sonora continua alta e pesada, dava para escuta-los em bom som mesmo com a porta do espaço dos shows fechada.

Muita gente foi para ver novamente a BVEAODE de perto, alguns bateram cabeça com A Farsa, ou “serpentearam” com Mulher Kriptonita e está cada vez mais provado que a versão de Dos Margaritas/Meu Refrigerador Não Funciona é praticamente de autoria própria dos rapazes, de tão diferente que ambas ficam nas mãos deles. O show foi bom e objetivo como sempre, mas rolou pedido atendido de bis e eles tocaram Coroné Antonio Bento, do Tim Maia, e Um Som Para Laio, do Raul Seixas (em versões “búfalos”, diga-se de passagem), duas que estavam fora do repertório há muito tempo. Foram rocks de verdade, mesmo sendo primeiro de abril!


Terminadas as apresentações, o povo ainda ficou à vontade na parte externa do The Other Place, conversando, bebendo e trocando breves ideias com pessoas que não se viam há muitos anos. Ainda teve papo sobre cervejas consumidas a noventa centavos em algum canto dessa Bahia que não sei onde foi e assunto para gerar ótimos insights para soluções de impasses musicais nas decisões internas de bandas. Noite proveitosa em vários sentidos! Descentralizar é importante e abrir ainda mais o leque de opções para a cena rocker baiana também. Isso não faz mal e faz crescer!


*Matéria originalmente publicada em 04/04/2016.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Curumin Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Far From Alaska Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jadsa Castro Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lívia Nery Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Metá Metá Modus Operandi Mopho Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Paul McCartney Pesadelo Pio Lobato Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Quartabê Radioca Raimundo Sodré Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rincon Sapiencia Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Soterorock Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas