Pular para o conteúdo principal

Para começar a semana no pique.*


            Até quase um ano atrás não era comum ter shows de rock aqui na cidade no início da semana. Não era! Organizado pelo Rogerio Bigbross, de agosto passado para cá, acontece todas as terças no Dubliners Irish Pub o evento gratuito Quanto Vale o Show?, onde duas bandas se apresentam para um público que decide o quanto deve pagar pelas apresentações que assistiram.

            Nesta última terça feira houve mais uma edição e fomos conferir as bandas Tentrio e Subaquático. As ruas estavam no seu ritmo normal de um começo de semana, sem aquela sensação fervilhante que costuma envolver a cidade quando vai chegando cada vez mais próximo da sexta. Obras atrapalhando o transito, pessoas saindo do trabalho para tentar chegar em suas casas e para tentar chegar a tempo de ver os shows do início.

            Chegando no lugar a Subaquatico ja havia começado a tocar a sua primeira música e, pela metade da canção que consegui presenciar, ja dava para sentir o que a noite proporcionaria. Formada por integrantes com passagens em bandas como a que acompanhou o espetácuo Ovo, do Cirque du Solei (sim, aquele circo canadense famoso), Catapulta e Sangria, e com o repertório quase todo instrumental, o grupo tocou um setlist sincopado e preciso, com um virtuosismo de encher os olhos de quem se dispôs a sair de casa naquela noite. O som do palco estava bom, o que ajudou mais ainda na performance que contou só com duas ou três canções cantadas, como "Capas de Celular" e uma versão de "Prioridades", do BNegão. Esse foi um dos shows de um retorno discreto do grupo à cena da cidade e o público gostou, pediu bis e ganhou.

            Depois foi a vez da Tentrio subir ao palco e tocar seu repertório instrumental encorpado. Retornando ao cenário depois de um ano parado, com os seus integrantes tocando projetos musicais paralelos, o conjunto também fez um excelente show com um setlist ja conhecido por aqueles que os acompanham. O tempo sem se apresentar não enferrujou a banda, que realizou bons momentos como em "Duna" e como na inspirada sequencia final com "Cachalote" e "Bureau". O som do palco se manteve bom na apresentação do trio, principalmente o da bateria, que estava com uma ótima sonoridade. Um dos bons aspectos de assitir uma banda como a Tentrio é que os seus trabalhos paralelos não se misturam ao som da banda de forma exagerada. Você pode notar o estilo de cada instrumentista, porém cada um deles executa seu instrumento de a cordo com o que a proposta do seu som pede.


            Com a sensação de que as apresentações foram curtas, a noite foi terminando rapidamente mesmo com o público se mantendo no local para papear e beber um pouco mais. O número de pessoas que compareceram foi bom, não lotou a casa, mas pôde ter deixado inveja em qualquer sexta feira ou sábado que ja pude presenciar por esses rocks noites a fora. Foi um agitado e diferente começo de semana!


*Matéria originalmente publicada em 29/07/2015.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…