Pular para o conteúdo principal

Para Kubrick filmar.*


            Mais uma noite e mais uma vez o Portal Soterorock foi para a rua cobrir mais um evento rocker aqui na capital baiana. O lugar foi o Teverna Music Bar, o já conhecido espaço de sons ao vivo localizado em um paciente Rio Vermelho já cansado das obras no bairro. A festa era com a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes e a Subaquático, bandas que criavam grandes expectativas só de ver os seus nomes no cartaz (cartaz muito bem elaborado, por sinal).

            Na chegada, com o espaço vazio e ainda sendo arrumado para receber o público, a Subaquático passava o som, deixando o ambiente mais instigado para o início das atividades. As pessoas foram chegando devagar. Mesmo para uma noite de quinta feira esperava-se um número maior de gente na casa. Mas elas apareceram! Antes do som começar, teve o aquecimento com a discotecagem do Bruno Aziz e sua boa trilha cuidadosamente escolhida, que foi o pano de fundo para ótimas conversas musicais.

            A primeira a se apresentar foi a Subaquático e a sua música sincopada, precisa e impressionante. Ver a uma apresentação deles é uma experiência interessante, muito pelo alto nível técnico dos integrantes, pela sensibilidade musical de cada um e também pela quantidade de referência inclusa em seu som. Com um set list formado em sua maioria por temas instrumentais, outras tantas cantadas e algumas versões de outros artistas, a banda agradou bastante a quem foi vê-la e conquistou quem não a conhecia. Com muito rock, muito groove, horas passando de leve pela surf music e horas flertando bem com o psicodelismo, o grupo ia direcionando bem os seus passos durante a performance. Em certos momentos foi como se mergulhasse no cosmos em altíssima velocidade. Sensação boa! O show poderia durar um pouco mais, mas mesmo assim valeu a pena!

            Depois foi a vez da Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes subir no palco e despejar o seu volume sonoro sobre os ouvidos de quem estava presente. O peso característico do grupo, algo sempre marcante nos shows, também estava lá e conseguiu surpreender pessoas que não conhecia o duo. Os irmãos Jende mostraram que cada vez mais estão bem entrosados e alcançando um nível melhor de sua música. Assim Não Dá, Chão Pisado, Psicologia de Sofá e as versões "búfalo" de canções de outros artistas soam mais intensas e impactantes a cada nova audição. É um repertório cada vez mais conhecido e que ganha elogios abertos de desconhecidos. Foram músicas que absorveram bem o impacto do mergulho no espaço causado pela banda anterior. O corpo bateu suavemente no chão, onde ficou e sentiu a terra vibrar com a pisada forte dos animais pesados que corriam em sua direção.


            Essa ótima combinação de sons das duas bandas casou muito bem uma com a outra. Foi uma trilha sonora digna de uma sequência filmada pelo Kubrick! Depois a noite continuou com um pouco mais de som, cerveja, conversas, histórias e dicas de vocabulário. Quem não foi, perdeu.


*Matéria originalmente publicada em 25/08/2015.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho.
Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que tocavam apenas covers de banda…