Pular para o conteúdo principal

Para Kubrick filmar.*


            Mais uma noite e mais uma vez o Portal Soterorock foi para a rua cobrir mais um evento rocker aqui na capital baiana. O lugar foi o Teverna Music Bar, o já conhecido espaço de sons ao vivo localizado em um paciente Rio Vermelho já cansado das obras no bairro. A festa era com a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes e a Subaquático, bandas que criavam grandes expectativas só de ver os seus nomes no cartaz (cartaz muito bem elaborado, por sinal).

            Na chegada, com o espaço vazio e ainda sendo arrumado para receber o público, a Subaquático passava o som, deixando o ambiente mais instigado para o início das atividades. As pessoas foram chegando devagar. Mesmo para uma noite de quinta feira esperava-se um número maior de gente na casa. Mas elas apareceram! Antes do som começar, teve o aquecimento com a discotecagem do Bruno Aziz e sua boa trilha cuidadosamente escolhida, que foi o pano de fundo para ótimas conversas musicais.

            A primeira a se apresentar foi a Subaquático e a sua música sincopada, precisa e impressionante. Ver a uma apresentação deles é uma experiência interessante, muito pelo alto nível técnico dos integrantes, pela sensibilidade musical de cada um e também pela quantidade de referência inclusa em seu som. Com um set list formado em sua maioria por temas instrumentais, outras tantas cantadas e algumas versões de outros artistas, a banda agradou bastante a quem foi vê-la e conquistou quem não a conhecia. Com muito rock, muito groove, horas passando de leve pela surf music e horas flertando bem com o psicodelismo, o grupo ia direcionando bem os seus passos durante a performance. Em certos momentos foi como se mergulhasse no cosmos em altíssima velocidade. Sensação boa! O show poderia durar um pouco mais, mas mesmo assim valeu a pena!

            Depois foi a vez da Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes subir no palco e despejar o seu volume sonoro sobre os ouvidos de quem estava presente. O peso característico do grupo, algo sempre marcante nos shows, também estava lá e conseguiu surpreender pessoas que não conhecia o duo. Os irmãos Jende mostraram que cada vez mais estão bem entrosados e alcançando um nível melhor de sua música. Assim Não Dá, Chão Pisado, Psicologia de Sofá e as versões "búfalo" de canções de outros artistas soam mais intensas e impactantes a cada nova audição. É um repertório cada vez mais conhecido e que ganha elogios abertos de desconhecidos. Foram músicas que absorveram bem o impacto do mergulho no espaço causado pela banda anterior. O corpo bateu suavemente no chão, onde ficou e sentiu a terra vibrar com a pisada forte dos animais pesados que corriam em sua direção.


            Essa ótima combinação de sons das duas bandas casou muito bem uma com a outra. Foi uma trilha sonora digna de uma sequência filmada pelo Kubrick! Depois a noite continuou com um pouco mais de som, cerveja, conversas, histórias e dicas de vocabulário. Quem não foi, perdeu.


*Matéria originalmente publicada em 25/08/2015.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,