Pular para o conteúdo principal

Para o rock baiano, o ano começa bem antes do carnaval.*


O ano mal começou e a jornada rocker na Bahia se iniciou logo com a primeira edição do Festival Sol Vermelho, ocorrido no Dubliners Irish Pub já no segundo dia de janeiro. O evento que contou com nove bandas da cena local foi um start interessante, pois tocaram por lá nomes já conhecidos do cenário e outros que estão dando os primeiros passos em suas carreiras. A festa também teve o intuito de promover a campanha de financiamento coletivo que está sendo realizado pela Van der Vous, a banda anfitriã.

Com essa grande quantidade de conjuntos na grade, o som foi marcado para começar no meio da tarde, porém, sofreu um atraso de aproximadamente duas horas para se iniciar. A caminhada sob o sol quente e sobre as novas calçadas de parte do Rio Vermelho, que chega doía as vistas com o reflexo da luz, serviu só para contemplar a paisagem e nada mais.

Iniciando os trabalhos, a banda Espúria se apresentou desfalcada do seu vocalista. Mesmo sem ele e um pouco insegura, o grupo apresentou canções próprias que mesclam influências grunge e new rock. Boas composições autorais, mas os rapazes mostraram que elas precisam de um pouco mais de tempo de ensaio para matura-las. Depois foi a vez da Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes tocar o seu rock cheio e volumoso, de bateria firme e guitarras com riffs pesadíssimos. Vinda de um ano excelente e prometendo muito mais para esse que chega, a BVEAODE fez um dos melhores shows da noite tocando o seu repertório bem conhecido pela maioria das pessoas no lugar (e tinha muita gente para vê-los), tomando conta de todo o espaço que as suas músicas poderiam preencher dentro do pub. Desta vez, infelizmente, a apresentação foi rápida, mas até neste caso foi bom, pois o duo tocou com um entusiasmo acima da média. As vezes menos quer dizer mais e esse foi um desses casos.

Seguindo a programação, depois de mais de meia hora de preparo do palco, subiram ao palco três bandas/artistas em uma única apresentação. MAPA, Aurata e Prime Squad compartilharam o tablado de uma vez só, se revezando em suas respectivas músicas e auxiliando na execução de uma das outras. Isso talvez tenha ocorrido pelo fato das três seguirem uma mesma vertente musical, contendo muito de música eletrônica, programação e guitarras distorcidas. É um som interessante, tendo como referências Beach House, Bonobo e ambiente rock. Mesmo assim, o caráter experimental da performance e o tempo de mais de uma hora de show acabou se tornando excessivo e cansativo, e à medida que a apresentação avançava, em um certo momento, parecia que só eles estavam se divertindo ali. O que inicialmente chamou a atenção se tornou penoso. Dessa vez mais significou menos.

Como quarta banda do line up, a Cartel Strip Club fez seu show com nova formação. De cozinha nova e com dois integrantes a menos, o agora quinteto fez bem a sua parte e mostrou seu indie rock autoral leve e bem ensaiado. Parece que os três integrantes principais do grupo não tiveram trabalho para integrar os novos colegas na banda e nem de ajustar as novas músicas com eles. Bem entrosados, o grupo tocou bem as músicas do seu EP e outras que não entraram nele, sempre com o destaque para o bom uso da divisão dos vocais nas músicas. Na sequência, a Bilic Roll fez um show empolgado. Com um breve problema na caixa do baixo no início da apresentação, o trio tocou as músicas do seu primeiro trabalho e novas canções. Mais bem ensaiada, o conjunto de Lauro de Freitas mostrou energia de sobra e uma pegada diferente nas novas composições, com temas mais longos e outros psicodélicos (sem perder a essência rock), com a bateria mais segura, baixo mais presente e guitarra com bons efeitos. A divisão de vocais entre o guitarrista e o baixista também foi outro aspecto que chamou a atenção. Os ensaios às oito da manhã e depois de uma noite de farra estão fazendo bem para os caras.

Como penúltima atração da noite, a Van der Vous não demorou muito de subir ao palco e não demorou tanto em cima dele. Estava curioso para saber como a banda ficou depois das mudanças em sua formação e percebi uma banda ligeiramente diferente. Ela continua competente da forma que era antes, mas um novo integrante sempre traz um ar de novidade e nessa ocasião, como não poderia deixar de ser diferente, o seu novo baterista imprimiu o seu estilo nas músicas do grupo. Mesmo sendo versátil e ágil no instrumento, as velhas canções perderam um pouco do peso característico de outrora, mas foi plantada a curiosidade para ver novas canções com a sua assinatura. Bons solos e uma jam instrumental formaram bons momentos na noite do conjunto. Depois de se apresentarem, o cansaço bateu forte e me fez voltar para casa mais cedo, portanto, ficam aqui as sinceras considerações a Ronco pela minha ausência no seu show.


O rock não deixa criar limo nas pedras da Bahia e não espera o carnaval passar para dar continuidade a sua trajetória. Na verdade, antes, durante e depois dos festejos de momo ele está sempre dando as caras, e isso é cada vez mais presente na cultura local. Esse foi um bom ponta pé inicial para o ano de 2016.


*Matéria originalmente publicada em 07/01/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…