Pitfall da vida real e o rock salvando a noite.*


Tinha um bom tempo que não via o Rio Vermelho daquela forma. O Largo da Dinha cheio de gente, como outrora. Muita conversa, muita bebida, alegria, som alto, som de todos os tipos bem alto. Forró, voz e violão, som “mecânico” de carro e o som da multidão conversando nas mesas dos bares, dentro e fora dos recintos, com as luzes fortes que vinham dos postes novos que batiam no chão novo (muito bonito, por sinal) e que se vacilar doía as vistas com os reflexos que voltavam das calçadas. O famoso bairro boêmio estava do seu jeito para uma noite de sábado. Mas tem um porém! O caminho de lá do largo em direção ao Taverna Music Bar está um real pandemônio para quem faz isso a pé. Uma verdadeira aventura.

Até chegar na casa onde aconteceu o som foi preciso andar no meio da rua, tomar fino de ônibus, ser quase atropelado por um carro dando ré, ver estabelecimentos gritando para dizer que estavam em funcionamento, trator parado em frente a estabelecimento comercial, mais buraco para pular, outros para não cair, mais um ou dois finos de outros carros e motos e uma volta em torno de um nada só para entrar com o tênis cheio de barro no local do evento para ver Pâncreas, Jack Doido, Ronco e Madame Rivera (banda que substituiu de última hora a Declinium). O responsável por essa algazarra na região não conseguiu estragar a noite.

O lugar estava nitidamente cheio no último sábado e com a atmosfera fervilhando no ambiente, com bons papos, encontros com novos e velhos amigos e um som que mantinha uma boa vibe entre as pessoas até a primeira banda começar a tocar. Quem abriu a festa foi a Pâncreas, que fez mais uma vez um bom show com bastante empolgação e calor humano. O grupo estava com uma formação inusitada dessa vez, com dois baixistas se revezando por conta do músico oficial ter se ausentado por compromissos pessoais. Teve Rio Acima, eu Quero Você Pra Mim, Remédio com a participação do Alex e da Sioux (ambos da Jato Invisível) e uma homenagem a uma das funcionárias do Taverna com um Parabéns Para Você bem caloroso. Foi mais divertido do que a apresentação anterior que presenciei e com bastante energia. Se ainda não viu, vá ver!

Depois veio a Jack Doido, banda que eu ainda não havia assistido de perto e estava curioso para ver como o trio soava ao vivo! É bem na verdade um som punk com boas doses de grunge, dentro de um repertório de músicas autorais e alguns covers. Os rapazes tiraram um barulho legal dos seus instrumentos e isso com um certo grau de intimidade com eles. A performance do baterista chamou a atenção pela sua presença vigorosa nas baquetadas bem dadas nas peças da bateria e pela técnica em tocar sem sapatos, mas com as meias. Dando sequência, a Ronco fez uma apresentação firme e consistente, cada vez mais entrosada e sabendo utilizar os recursos que tem à disposição de cada um de seus integrantes. Não houve hesitação por parte do trio na execução de suas músicas e o som da casa até favoreceu a apresentação, dando a audiência uma boa oportunidade de ouvir as nuances instrumentais do conjunto. A Suicida e Cidade dos Sonhos estão cada vez melhores.


Quanto a Madame Rivera ficam aqui as minhas sinceras considerações, tive que sair antes deles subirem ao palco, mas espero vê-los em breve. Foi uma noite divertida e empolgante, com muita gente curtindo as bandas e o lugar. Papos sobre a Xuxa e sobre um conto roqueiro em meio a um churrasco que não acabou muito bem no ano passado ainda deram pano para a manga de conversa no intervalo entre uma banda e outra, assim como no caminho de volta para casa dentro de um veículo e não se desviando dele.


*Matéria originalmente publicada em 10/05/2016.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas