Pular para o conteúdo principal

Pitfall da vida real e o rock salvando a noite.*


Tinha um bom tempo que não via o Rio Vermelho daquela forma. O Largo da Dinha cheio de gente, como outrora. Muita conversa, muita bebida, alegria, som alto, som de todos os tipos bem alto. Forró, voz e violão, som “mecânico” de carro e o som da multidão conversando nas mesas dos bares, dentro e fora dos recintos, com as luzes fortes que vinham dos postes novos que batiam no chão novo (muito bonito, por sinal) e que se vacilar doía as vistas com os reflexos que voltavam das calçadas. O famoso bairro boêmio estava do seu jeito para uma noite de sábado. Mas tem um porém! O caminho de lá do largo em direção ao Taverna Music Bar está um real pandemônio para quem faz isso a pé. Uma verdadeira aventura.

Até chegar na casa onde aconteceu o som foi preciso andar no meio da rua, tomar fino de ônibus, ser quase atropelado por um carro dando ré, ver estabelecimentos gritando para dizer que estavam em funcionamento, trator parado em frente a estabelecimento comercial, mais buraco para pular, outros para não cair, mais um ou dois finos de outros carros e motos e uma volta em torno de um nada só para entrar com o tênis cheio de barro no local do evento para ver Pâncreas, Jack Doido, Ronco e Madame Rivera (banda que substituiu de última hora a Declinium). O responsável por essa algazarra na região não conseguiu estragar a noite.

O lugar estava nitidamente cheio no último sábado e com a atmosfera fervilhando no ambiente, com bons papos, encontros com novos e velhos amigos e um som que mantinha uma boa vibe entre as pessoas até a primeira banda começar a tocar. Quem abriu a festa foi a Pâncreas, que fez mais uma vez um bom show com bastante empolgação e calor humano. O grupo estava com uma formação inusitada dessa vez, com dois baixistas se revezando por conta do músico oficial ter se ausentado por compromissos pessoais. Teve Rio Acima, eu Quero Você Pra Mim, Remédio com a participação do Alex e da Sioux (ambos da Jato Invisível) e uma homenagem a uma das funcionárias do Taverna com um Parabéns Para Você bem caloroso. Foi mais divertido do que a apresentação anterior que presenciei e com bastante energia. Se ainda não viu, vá ver!

Depois veio a Jack Doido, banda que eu ainda não havia assistido de perto e estava curioso para ver como o trio soava ao vivo! É bem na verdade um som punk com boas doses de grunge, dentro de um repertório de músicas autorais e alguns covers. Os rapazes tiraram um barulho legal dos seus instrumentos e isso com um certo grau de intimidade com eles. A performance do baterista chamou a atenção pela sua presença vigorosa nas baquetadas bem dadas nas peças da bateria e pela técnica em tocar sem sapatos, mas com as meias. Dando sequência, a Ronco fez uma apresentação firme e consistente, cada vez mais entrosada e sabendo utilizar os recursos que tem à disposição de cada um de seus integrantes. Não houve hesitação por parte do trio na execução de suas músicas e o som da casa até favoreceu a apresentação, dando a audiência uma boa oportunidade de ouvir as nuances instrumentais do conjunto. A Suicida e Cidade dos Sonhos estão cada vez melhores.


Quanto a Madame Rivera ficam aqui as minhas sinceras considerações, tive que sair antes deles subirem ao palco, mas espero vê-los em breve. Foi uma noite divertida e empolgante, com muita gente curtindo as bandas e o lugar. Papos sobre a Xuxa e sobre um conto roqueiro em meio a um churrasco que não acabou muito bem no ano passado ainda deram pano para a manga de conversa no intervalo entre uma banda e outra, assim como no caminho de volta para casa dentro de um veículo e não se desviando dele.


*Matéria originalmente publicada em 10/05/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…