Pular para o conteúdo principal

Pitfall da vida real e o rock salvando a noite.*


Tinha um bom tempo que não via o Rio Vermelho daquela forma. O Largo da Dinha cheio de gente, como outrora. Muita conversa, muita bebida, alegria, som alto, som de todos os tipos bem alto. Forró, voz e violão, som “mecânico” de carro e o som da multidão conversando nas mesas dos bares, dentro e fora dos recintos, com as luzes fortes que vinham dos postes novos que batiam no chão novo (muito bonito, por sinal) e que se vacilar doía as vistas com os reflexos que voltavam das calçadas. O famoso bairro boêmio estava do seu jeito para uma noite de sábado. Mas tem um porém! O caminho de lá do largo em direção ao Taverna Music Bar está um real pandemônio para quem faz isso a pé. Uma verdadeira aventura.

Até chegar na casa onde aconteceu o som foi preciso andar no meio da rua, tomar fino de ônibus, ser quase atropelado por um carro dando ré, ver estabelecimentos gritando para dizer que estavam em funcionamento, trator parado em frente a estabelecimento comercial, mais buraco para pular, outros para não cair, mais um ou dois finos de outros carros e motos e uma volta em torno de um nada só para entrar com o tênis cheio de barro no local do evento para ver Pâncreas, Jack Doido, Ronco e Madame Rivera (banda que substituiu de última hora a Declinium). O responsável por essa algazarra na região não conseguiu estragar a noite.

O lugar estava nitidamente cheio no último sábado e com a atmosfera fervilhando no ambiente, com bons papos, encontros com novos e velhos amigos e um som que mantinha uma boa vibe entre as pessoas até a primeira banda começar a tocar. Quem abriu a festa foi a Pâncreas, que fez mais uma vez um bom show com bastante empolgação e calor humano. O grupo estava com uma formação inusitada dessa vez, com dois baixistas se revezando por conta do músico oficial ter se ausentado por compromissos pessoais. Teve Rio Acima, eu Quero Você Pra Mim, Remédio com a participação do Alex e da Sioux (ambos da Jato Invisível) e uma homenagem a uma das funcionárias do Taverna com um Parabéns Para Você bem caloroso. Foi mais divertido do que a apresentação anterior que presenciei e com bastante energia. Se ainda não viu, vá ver!

Depois veio a Jack Doido, banda que eu ainda não havia assistido de perto e estava curioso para ver como o trio soava ao vivo! É bem na verdade um som punk com boas doses de grunge, dentro de um repertório de músicas autorais e alguns covers. Os rapazes tiraram um barulho legal dos seus instrumentos e isso com um certo grau de intimidade com eles. A performance do baterista chamou a atenção pela sua presença vigorosa nas baquetadas bem dadas nas peças da bateria e pela técnica em tocar sem sapatos, mas com as meias. Dando sequência, a Ronco fez uma apresentação firme e consistente, cada vez mais entrosada e sabendo utilizar os recursos que tem à disposição de cada um de seus integrantes. Não houve hesitação por parte do trio na execução de suas músicas e o som da casa até favoreceu a apresentação, dando a audiência uma boa oportunidade de ouvir as nuances instrumentais do conjunto. A Suicida e Cidade dos Sonhos estão cada vez melhores.


Quanto a Madame Rivera ficam aqui as minhas sinceras considerações, tive que sair antes deles subirem ao palco, mas espero vê-los em breve. Foi uma noite divertida e empolgante, com muita gente curtindo as bandas e o lugar. Papos sobre a Xuxa e sobre um conto roqueiro em meio a um churrasco que não acabou muito bem no ano passado ainda deram pano para a manga de conversa no intervalo entre uma banda e outra, assim como no caminho de volta para casa dentro de um veículo e não se desviando dele.


*Matéria originalmente publicada em 10/05/2016.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...