Pular para o conteúdo principal

Pode ser venenoso, mas dessa forma faz bem.*


Enquanto escrevo esse texto venta bastante e faz frio, muito frio nesta noite da cidade de Salvador, igualmente como na noite anterior. A chuva ameaça cair e somente uma xícara de café consegue me aquecer do vento que assobia de leve e quase de maneira fantasmagórica por entre as frestas da janela do meu quarto. Acredito que o produtor e multi-instrumentista André Virgo Araújo não poderia ter escolhido um dia melhor para lançar o primeiro registro do Amor Cianeto, seu mais recente projeto, que tem uma atmosfera sombria e que não se desprende de sensações verdadeiras.

Intitulado de Cinzas, esse primeiro disco do Amor Cianeto é de uma banda de um homem só, onde o músico executa todos os instrumentos que você escuta nele, assim como as camadas de vozes e, óbvio, as texturas de guitarra que chamam a atenção e dão um brilho extra às faixas. Vale ressaltar também que esta é mais uma investida que atesta o talento e a percepção musical requintada do homem por trás desse trabalho e a maneira como ele consegue assimilar e colocar em prática o que escuta ao seu redor. Sempre há tempo para descobrir o que é que a Bahia tem.

O EP abre com a sua faixa título, com clima soturno e de sonoridade oitentista, mas que traz um certo balanço e provoca uma vontade estranha de dançar. A guitarra grudenta e o teclado idem fazendo algumas texturas cristalizadas marcam presença de maneira forte e que se intensificam no seu êxtase dentro do seu minuto final, se estendendo de maneira bonita e com uma mudança suave da melodia da canção e do vocal até o seu fade out. A palavra “feliz” repetida várias vezes em seu termino ganha um tom tristonho em decorrência da história do seu texto. Trilha singela e profunda. Em Ela me Falou, canção mais longa do trabalho, começa com uma marcação de bumbo e bastante teclado, alguns pontuais e outros atmosféricos, mas que preparam o campo para a temática nublada, com doses de psicose e pensamentos de sangue, para, na sequência explodir com os demais instrumentos com bastante dramaticidade e intensidade. Com Corais, o disco ganha uma sequência interessante. Esta é mais animada, começando diferenciada com punch certeiro de rock e refrão de bom potencial, as texturas na música passeiam por ela de uma maneira que faz a faixa ganhar mais vida.

O som constante de um sonar cai muito bem com a letra psicodélica, onde o destino dos protagonistas será a sua conversão em corais “em pedras debaixo do cais” de uma ilha. Diria que é uma música fabulosa. Refém surge como uma balada, com temática de despedida de alguém que partiu para uma outra jornada, sem ser mais refém da vida e do tempo (por que não?). Aqui, o solo de guitarra é um ponto alto da faixa e dá para imaginar as palmas acompanhando o sintetizador durante o seu refrão. O Etilista fecha o disco como um um tipo de valsa sombria com boa sonoridade de guitarra, cozinha tranquila e teclados pontuais. A temática de um personagem suicida sendo observado por uma testemunha ocular, que narra com detalhes o fato de forma minuciosa e com palavras bem escolhidas, amarra mais a canção e pode deixar os mais sensíveis em prantos. Um bom desfecho para um trabalho de sonoridade acima da média.

Amor Cianeto é sombrio, mas também é muito acessível. As temáticas das letras versam sobre paixão, amor, morte, psicose, depressão e suicídio, mas em meio a isso, há muita dose de sentimento verdadeiro e de certa positividade, sendo assim uma mistura difícil de se escrever e que foi muito bem-feita nesta empreitada. A música se sobressai muito nesse disco, as melodias são bem estruturadas e chamam a atenção para as nuances e as mudanças sutis em boa parte das canções. Cada instrumento ganha destaque nos momentos certos e isso é um bom mérito do André Virgo Araújo. Do lado de fora da janela escuto o que parece ser passos, mas é só a chuva voltando a cair devagar. Este EP pode se tratar de um amor venenoso, mas certamente vai fazer bem aos ouvidos.

Conheça o som da Amor Cianeto.


*Matéria originalmente publicada em 24/06/2016.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso