Pular para o conteúdo principal

Portais dimensionais e o rock dentro e fora da galáxia.*


Sábado passado foi mais um dia de rock no Pelourinho com as bandas The Honkers e HAO, mais especificamente no Largo Pedro Arcanjo e com entrada gratuita. O Pelô sempre tem rendido bons momentos para o rock local, dando opções na agenda da cidade para quem gosta desse tipo de música. Opção tanto para o lugar e opção para ver boas apresentações dos grupos locais.

O centro histórico estava bem agitado nessa ocasião. Muita gente circulando no Terreiro de Jesus e as demais ruas com uma movimentação típica de final de semana. Muito som acontecendo nas outras praças, mas o que interessava mesmo era a que estávamos nos dirigindo e que estava prestes a acontecer. Mal foi o acesso ao largo e em dez minutos a The Honkers começou a sua apresentação, como sempre, insana.

Já escrevi bastante sobre os caras por aqui, mas o fato importante de ser citado é que parece que, mesmo com dezessete anos de idade, o conjunto parece que está em início de carreira. Com um baterista substituto (Rodrigo Gagliano tocou no lugar do Tripa TP, pois ele teve que viajar), a The Honkers foi explosiva do início ao fim, tocando as músicas já muito conhecidas de público local. Das mais agitadas até as mais leves, o vocalista Rodrigo Sputter não parou um segundo fazendo as suas estripulias mirabolantes, como botar o microfone dentro da cueca, lamber o sapato e a guitarra de um dos guitarristas, fazer a sua performance epiléptica em This is an Old World e realizar um pole dance no corrimão da escada de acesso ao palco (com direito a projeção da própria sombra na parede, que ajudou a quem não pôde vê-lo fazer isso atrás das PAs). Devil Girl, People Love to Hate e Where do I Go? tiveram uma energia diferente naquela noite. Foi um ótimo show, com o baterista dando uma pegada diferente e forte para as canções e com toda a banda, literalmente, suando a camisa e deixando muita gente satisfeita no final da performance.

Depois deles, a HAO subiu ao palco para se apresentar e ela tinha um pequeno desafio na noite, que era o de manter o clima bom que a banda anterior deixou no lugar. Não é fácil fazer um show de rock depois de uma apresentação como a da The Honkers, mas é possível sim e eles fizeram o dever de casa. A HAO é um grupo jovem e tem como influencia forte na sua música o rock noventista norte americano, porém com alguns elementos diferentes. A introdução do show teve um instrumental com saxofone e swing, e se seguiu por Groova Lua, uma das canções do seu mais recente EP, A Imoralidade das Rosas. Teve muito violão duelando bem com a guitarra, música flamenca, efeitos bem utilizados na voz, bateria e baixo bem entrosados e banda bem entrosada. E esta foi a base da apresentação, com quase todas as músicas do seu último trabalho sendo executadas e algumas do seu debut, deixando o Largo Pedro Arcanjo com cara de Seattle-Califórnia-Salvador no início dos anos 1990.

Foi tanta referência musical desse período no show da HAO, que parecia que acharam uma fenda dimensional no meio do Pelô, que transportava todo mundo ali para aquela época, uma época em que a seleção brasileira ainda nem era tetracampeã mundial, onde se pôde ver latinhas de Skol Beats Spirit se transformarem em garrafas de Malt 90 com seus rótulos verdes nas mãos de quem estava bebendo e há quem tenha visto um jovem Chris Cornell vagando pelo lugar em meio às pessoas. Coisas de uma boa música. A épica Maya trouxe a diferença para a apresentação com seus mais de dez minutos de duração e, com a influência flamenca nela, fechou o portal dimensional que foi aberto durante a apresentação quase grungenesca. Foi um ponto alto na noite. Depois dela, mais uma música de influência clara de RATM, provando que o Chris Cornell não voltou ao seu tempo antes do portal ser fechado. Foi uma ótima apresentação de uma banda que, aos poucos, vem galgando uma boa trajetória no cenário daqui e mostrou estar bem à vontade em um palco maior e com uma qualidade de som melhor.


No fim, só restava esticar mais um pouco pelo Pelourinho esquentado. O bar do Nego Fua começando a ficar cheio (é o único lugar a ficar aberto depois das 23:30) e a degustação de abarás, cocadas e espetinhos ajudou a dar forma ao papo sobre teorias da conspiração, alienígenas, criação do mundo, como você pode estar sendo observado neste exato momento sem se dar conta disso e sobre como é bom saber que Plutão existe. O rock também viaja pelas galáxias.


*Matéria originalmente publicada em 30/11/2015.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um