Pular para o conteúdo principal

Quatro power trios em uma noite incansável.*


Em primeiríssimo lugar: FORA TEMER! Na última sexta aconteceu a segunda data do Festival Soterorock, a primeira no The Other Place, em Brotas, marcando o início do perfil descentralizador de locais de shows de rock na cidade de Salvador que o evento possui. Ameaçava chover quando saí de casa. O tempo estava nublado e frio, e sair da cidade baixa poderia ser uma jornada difícil diante de manifestações contra o golpe que pararam a cidade durante o dia. Driblar estes locais e chegar na casa da festa era o primeiro passo. Dois ônibus depois e com uma garoa se transformando em chuva pesada sobre a minha cabeça, desci a ladeira em frente à igreja Nossa Senhora de Brotas com o passo acelerado para ver o começo de tudo e não me molhar tanto.

Passando dos portões já se via o local com algumas pessoas, chuva e manifestação formam uma mistura indesejada para quem quer chegar a algum lugar, mesmo sendo necessário que ambos existam e aconteçam. Não demorou muito e mais pessoas chegavam ao The Other Place, trocando ideias boas, registrando os momentos, gravando videoclipe (já ansioso para ver o resultado), com cerveja dobrada até às 21:00 horas no ambiente ao céu aberto da casa e com o som do bar que sempre é um bom aquecimento pré show por lá. A chuva caía mais forte, mas as pessoas não paravam de chegar e todas elas curiosas para verem as apresentações que estavam por vir e que, assim como no primeiro dia da festa, foi marcado pela diversidade musical do gênero, superação de performances e estreias de bandas do interior na capital.

A primeira banda a subir no palco foi Os Tios, trio com forte influência oitentista e com instrumentistas de alto nível técnico e feeling apurado para entender a vibração do momento e do lugar. Dentre as canções registradas no seu primeiro trabalho, o grupo tocou algumas faixas do seu próximo cd, Malogrado, que está no status “work in progress”, e alguns covers que casaram bem com a sua identidade musical. Na metade da apresentação o espaço do som estava cheio e aquecido, com os integrantes mandando muito bem em seus instrumentos com muita segurança e mantendo a qualidade do seu som ao vivo. Depois deles a Jack Doido fez a sua apresentação com um gás e energia bem forte e impactante. Dessa vez eles enxugaram bem o seu repertório, tocando somente as composições do seu trabalho de estreia que está prestes a ser lançado e covers de bandas locais, como A Morte te dá as Mãos, da Pancreas, com a participação do Shinna Voxzelicks nos vocais e Remédio da Jato Invisível, com o Alex Costa também contribuindo na voz. Sendo que essa última tem se tornando praticamente um hit da cena roqueira baiana de tanto que ela vem ganhando versões nos shows das bandas daqui. Foi uma apresentação objetiva e empolgada, deixando a casa mais quente do que já estava.

Como o terceiro trio da noite, a Ronco fez um show interessante e redondo, com “começo, meio e fim”, elevando o ápice do evento a um ponto que não havia mais volta. É ótimo ver uma banda evoluir ao vivo em tão pouco espaço de tempo. Em menos de um ano de atividade eles conseguiram alcançar um bom nível técnico em seus shows, com um som volumoso e nítido, agregado a texturas experimentadas durante a performance. Se você que está lendo esta resenha gostaria de saber como tirar um bom som dos seus pedais de guitarra, pedais de baixo e uma sonzeira com uma bateria de kit reduzido, é melhor colar no palco para ver o que os rapazes estão fazendo. Fêmea Fatal, A Suicida e A Melhor são ótimos exemplos disso. Encerrando a noite, a 32 Dentes se apresentou pela primeira vez em Salvador sob este nome. O grupo já havia passado por aqui antes com um outro nome, mas sob este foi a sua primeira experiência na capital, o que deu um sabor maior e uma satisfação maior ainda de ver a sua apresentação. O caminho de Feira de Santana até aqui não tirou a empolgação dos caras no Festival Soterorock e acredito que se deixasse, eles tocariam até o amanhecer. No repertório, músicas do seu EP de estreia, Peleja, e mais outras que ficaram de fora dele. Ainda arriscaram Breed do Nirvana no final, mas ficaram só na jam mesmo. Foi uma boa primeira experiência os vendo ao vivo.


Este segundo dia do festival manteve as expectativas do público, das bandas e organização em alta e acesas, com os quatro power trios incansáveis durante toda a noite, aumentando a curiosidade de muita gente para ver as próximas datas e shows. Não havia mais tanta chuva caindo na cidade e as suas vias estavam mais livres para voltar para casa com tranquilidade e com a alma cheia do bom e velho rock’n roll. Daqui, houve a torcida por mais manifestações. Repito, elas são válidas e devem ser incansáveis, assim como a chuva que cai porque tem que cair. Fora isso, ainda deu tempo para ver um manejo de lightsaber sith/jedi enquanto aguardava o serviço de locomoção de preço mais justo chegar para voltar para casa. Simbora que o rock continua!


*Matéria originalmente publicada em 07/09/2016.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...