Pular para o conteúdo principal

Que assim seja.*


O Reverendo T está de volta com seus discípulos descrentes em mais uma investida na pregação da sua palavra sagrada e profana com um novo trabalho recém lançado e intitulado de Puta B.O.C.A. Santa. Um disco bem esperado, de um dos artistas mais produtivos do cenário, que sabe misturar bem poesia e música, e que anda sempre muito bem acompanhado nas suas investidas artísticas. É bom escutar sempre um novo disco do Reverendo T & os Discípulos Descrentes (a.k.a. Tony Lopes), pois ouvi-lo de um lançamento para o outro traz uma experiência auditiva interessante, onde se vê um amadurecimento natural na sua sonoridade e textos.

A sua poesia bem ácida e influenciada pelo Charles Bukowski, e os seus vocais sussurrados, continuam bem presentes e muito fortes nesse seu recém EP e, como sempre, ele está bem acompanhado por músicos inventivos catequizados. Estes, deram corpo às almas de suas palavras, conquistando assim novos adeptos através de arranjos interessantes, com um pouco mais de distância do rock convencional, ou da normalidade cômoda das coisas. Isso inclusive no fato de Puta B.O.C.A. Santa ser bem orgânico, mesmo que ainda haja alguma programação aqui e ali.

Nesta ocasião, o disco teve produção, gravação e mixagem feitas pelo músico Heitor Dantas (Baby Lixo), que tocou a maioria dos instrumentos nele, além da participação do Antenor Cardoso na percussão e do Caio de Azevedo no violão cello. Com essas presenças, a primeira faixa, Boca Fechada, surge com uma linha reta de guitarra até explodir em um riff mesclado a batidas ancestrais, finalizando com um gongo e vozes ao fundo, para depois crescer com mais um pouco de percussão e solo de guitarra raivoso e terminar com uma gargalhada insana. No Abandono é uma das faixas mais interessantes, lembra bastante Porno For Pyros, com sua batida de percussão e bateria ecoada em alguns trechos e riffs de guitarras ligeiras em outros momentos, com interlúdio diferenciado constando programação e violão cello, ganhando com isso um certo ar mais psicodélico sessentista, para depois voltar a lisergia noventista do início da trilha.

Em seguida, Pai & Mãe traz a influência do blues na carreira do Reverendo T, trazendo, dessa vez, além da gaita e do violão de aço, elementos de programação e berimbau, que se destacam bem na sua interpretação desse gênero. Pirulitos Lisérgicos tem uma pegada mais industrial, sem ser industrial. Timbal, baixo, solo alucinado de guitarra, alguns samples, coral bradando “pirulito de ácido lisérgico” se misturam em um espiral musical que pode te fazer andar por um corredor se segurando pelas paredes. E ainda traz versos como “pirulitos de ácidos lisérgicos/rodopiando no céu da sua santa boca”. É mais uma que se destaca entre as canções. Encerrando a sequência do EP, Amém tem um perfil mais jazzístico, com canto gregoriano e contrabaixo acústico, que introduz bateria e guitarra sorrateiras caminhando no ritmo da missa, sem pressa, acompanhando o sussurro do reverendo dizendo “eu sou a fé injetada na sua veia/sou a doutrina e a disciplina que impõe/...amém”.

Puta B.O.C.A. Santa chega superando o seu antecessor, algo difícil de se fazer, mantendo a qualidade de sua gravação e de suas letras, continuando a ser mais orgânico e muito interessante aos ouvidos. Há certos momentos em que o ouvinte é pego de surpresa, com soluções musicais imprevisíveis que diverte e chama a atenção pela simplicidade, mesmo havendo certa complexidade nos seus arranjos. Mérito para o artista e seus discípulos musicistas escalados para essa investida. A poesia nas letras sempre ácidas e diretas dão mais vigor a obra, que provoca e também faz bem. E que assim seja!

Escute Puta B.O.C.A. Santa aqui: http://reverendot.bandcamp.com/releases



*Matéria originalmente publicada em 01/09/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…