Pular para o conteúdo principal

Que assim seja.*


O Reverendo T está de volta com seus discípulos descrentes em mais uma investida na pregação da sua palavra sagrada e profana com um novo trabalho recém lançado e intitulado de Puta B.O.C.A. Santa. Um disco bem esperado, de um dos artistas mais produtivos do cenário, que sabe misturar bem poesia e música, e que anda sempre muito bem acompanhado nas suas investidas artísticas. É bom escutar sempre um novo disco do Reverendo T & os Discípulos Descrentes (a.k.a. Tony Lopes), pois ouvi-lo de um lançamento para o outro traz uma experiência auditiva interessante, onde se vê um amadurecimento natural na sua sonoridade e textos.

A sua poesia bem ácida e influenciada pelo Charles Bukowski, e os seus vocais sussurrados, continuam bem presentes e muito fortes nesse seu recém EP e, como sempre, ele está bem acompanhado por músicos inventivos catequizados. Estes, deram corpo às almas de suas palavras, conquistando assim novos adeptos através de arranjos interessantes, com um pouco mais de distância do rock convencional, ou da normalidade cômoda das coisas. Isso inclusive no fato de Puta B.O.C.A. Santa ser bem orgânico, mesmo que ainda haja alguma programação aqui e ali.

Nesta ocasião, o disco teve produção, gravação e mixagem feitas pelo músico Heitor Dantas (Baby Lixo), que tocou a maioria dos instrumentos nele, além da participação do Antenor Cardoso na percussão e do Caio de Azevedo no violão cello. Com essas presenças, a primeira faixa, Boca Fechada, surge com uma linha reta de guitarra até explodir em um riff mesclado a batidas ancestrais, finalizando com um gongo e vozes ao fundo, para depois crescer com mais um pouco de percussão e solo de guitarra raivoso e terminar com uma gargalhada insana. No Abandono é uma das faixas mais interessantes, lembra bastante Porno For Pyros, com sua batida de percussão e bateria ecoada em alguns trechos e riffs de guitarras ligeiras em outros momentos, com interlúdio diferenciado constando programação e violão cello, ganhando com isso um certo ar mais psicodélico sessentista, para depois voltar a lisergia noventista do início da trilha.

Em seguida, Pai & Mãe traz a influência do blues na carreira do Reverendo T, trazendo, dessa vez, além da gaita e do violão de aço, elementos de programação e berimbau, que se destacam bem na sua interpretação desse gênero. Pirulitos Lisérgicos tem uma pegada mais industrial, sem ser industrial. Timbal, baixo, solo alucinado de guitarra, alguns samples, coral bradando “pirulito de ácido lisérgico” se misturam em um espiral musical que pode te fazer andar por um corredor se segurando pelas paredes. E ainda traz versos como “pirulitos de ácidos lisérgicos/rodopiando no céu da sua santa boca”. É mais uma que se destaca entre as canções. Encerrando a sequência do EP, Amém tem um perfil mais jazzístico, com canto gregoriano e contrabaixo acústico, que introduz bateria e guitarra sorrateiras caminhando no ritmo da missa, sem pressa, acompanhando o sussurro do reverendo dizendo “eu sou a fé injetada na sua veia/sou a doutrina e a disciplina que impõe/...amém”.

Puta B.O.C.A. Santa chega superando o seu antecessor, algo difícil de se fazer, mantendo a qualidade de sua gravação e de suas letras, continuando a ser mais orgânico e muito interessante aos ouvidos. Há certos momentos em que o ouvinte é pego de surpresa, com soluções musicais imprevisíveis que diverte e chama a atenção pela simplicidade, mesmo havendo certa complexidade nos seus arranjos. Mérito para o artista e seus discípulos musicistas escalados para essa investida. A poesia nas letras sempre ácidas e diretas dão mais vigor a obra, que provoca e também faz bem. E que assim seja!

Escute Puta B.O.C.A. Santa aqui: http://reverendot.bandcamp.com/releases



*Matéria originalmente publicada em 01/09/2016.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida