Pular para o conteúdo principal

Que assim seja.*


O Reverendo T está de volta com seus discípulos descrentes em mais uma investida na pregação da sua palavra sagrada e profana com um novo trabalho recém lançado e intitulado de Puta B.O.C.A. Santa. Um disco bem esperado, de um dos artistas mais produtivos do cenário, que sabe misturar bem poesia e música, e que anda sempre muito bem acompanhado nas suas investidas artísticas. É bom escutar sempre um novo disco do Reverendo T & os Discípulos Descrentes (a.k.a. Tony Lopes), pois ouvi-lo de um lançamento para o outro traz uma experiência auditiva interessante, onde se vê um amadurecimento natural na sua sonoridade e textos.

A sua poesia bem ácida e influenciada pelo Charles Bukowski, e os seus vocais sussurrados, continuam bem presentes e muito fortes nesse seu recém EP e, como sempre, ele está bem acompanhado por músicos inventivos catequizados. Estes, deram corpo às almas de suas palavras, conquistando assim novos adeptos através de arranjos interessantes, com um pouco mais de distância do rock convencional, ou da normalidade cômoda das coisas. Isso inclusive no fato de Puta B.O.C.A. Santa ser bem orgânico, mesmo que ainda haja alguma programação aqui e ali.

Nesta ocasião, o disco teve produção, gravação e mixagem feitas pelo músico Heitor Dantas (Baby Lixo), que tocou a maioria dos instrumentos nele, além da participação do Antenor Cardoso na percussão e do Caio de Azevedo no violão cello. Com essas presenças, a primeira faixa, Boca Fechada, surge com uma linha reta de guitarra até explodir em um riff mesclado a batidas ancestrais, finalizando com um gongo e vozes ao fundo, para depois crescer com mais um pouco de percussão e solo de guitarra raivoso e terminar com uma gargalhada insana. No Abandono é uma das faixas mais interessantes, lembra bastante Porno For Pyros, com sua batida de percussão e bateria ecoada em alguns trechos e riffs de guitarras ligeiras em outros momentos, com interlúdio diferenciado constando programação e violão cello, ganhando com isso um certo ar mais psicodélico sessentista, para depois voltar a lisergia noventista do início da trilha.

Em seguida, Pai & Mãe traz a influência do blues na carreira do Reverendo T, trazendo, dessa vez, além da gaita e do violão de aço, elementos de programação e berimbau, que se destacam bem na sua interpretação desse gênero. Pirulitos Lisérgicos tem uma pegada mais industrial, sem ser industrial. Timbal, baixo, solo alucinado de guitarra, alguns samples, coral bradando “pirulito de ácido lisérgico” se misturam em um espiral musical que pode te fazer andar por um corredor se segurando pelas paredes. E ainda traz versos como “pirulitos de ácidos lisérgicos/rodopiando no céu da sua santa boca”. É mais uma que se destaca entre as canções. Encerrando a sequência do EP, Amém tem um perfil mais jazzístico, com canto gregoriano e contrabaixo acústico, que introduz bateria e guitarra sorrateiras caminhando no ritmo da missa, sem pressa, acompanhando o sussurro do reverendo dizendo “eu sou a fé injetada na sua veia/sou a doutrina e a disciplina que impõe/...amém”.

Puta B.O.C.A. Santa chega superando o seu antecessor, algo difícil de se fazer, mantendo a qualidade de sua gravação e de suas letras, continuando a ser mais orgânico e muito interessante aos ouvidos. Há certos momentos em que o ouvinte é pego de surpresa, com soluções musicais imprevisíveis que diverte e chama a atenção pela simplicidade, mesmo havendo certa complexidade nos seus arranjos. Mérito para o artista e seus discípulos musicistas escalados para essa investida. A poesia nas letras sempre ácidas e diretas dão mais vigor a obra, que provoca e também faz bem. E que assim seja!

Escute Puta B.O.C.A. Santa aqui: http://reverendot.bandcamp.com/releases



*Matéria originalmente publicada em 01/09/2016.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso