Pular para o conteúdo principal

Retorno de peso.*


O metal é um dos gêneros musicais mais interessantes e diversificados que já existiu, tendo poder de alcançar a quem quiser e atingir multidões ao redor do mundo. Dentro dele há uma vertente interessante, o doom metal, mais arrastado e sombrio, características presentes desde bandas clássicas tradicionais até as mais recentes e, inclusive, mesmo nas mais modernas. Aqui na Bahia, a banda The Cross segue este caminho doom e ressurge depois de algum tempo com músicas novas.

Formado no início dos anos 1990 e há quase vinte anos sem lançar um trabalho com material novo, o grupo retoma as atividades com um EP intitulado Flames Through Priests contendo duas canções inéditas e mais três faixas bônus, estas últimas sendo as faixas da sua primeira demo tape, The Fall (1993). Mesmo com o longo período distante dos estúdios isso não pareceu fazer mal para a qualidade sonora da banda, que mostrou nesse momento prezar por uma sonoridade de alto nível e composições muito bem cuidadas, com temas longos que representam um verdadeiro prato cheio para seus velhos e novos admiradores.

Flames Through Priests começa sem dó nem piedade com Cursed Priest, faixa com um peso arrastado e o vocal rasgado do Eduardo Slayer, para depois cair na explosão de riffs de guitarra em ataque contínuo sem dar fôlego para o ouvinte, nem mesmo nos momentos mais arrastados e sombrios que conduzem a música pela maior parte do seu tempo. Ainda dentro dela, um trecho interessante com violão antecede o som de guitarras duplas e um pouco mais de peso arrastado com forte influência do Black Sabbath, até chegar em excelentes solos e na sua sequência final não menos soturna. Sweet Tragedy surge com as guitarras em mais evidência, mais densa e com uma melodia mais envolvente, sem perder o peso e com um trabalho vocal ainda bem cuidado.

Em determinado momento da faixa, o dedilhado de uma guitarra e o solo da outra, vocais com efeitos em reverso e bateria e baixo fazendo boas marcações, antecedem a sua passagem mais intensa com mais solos que a conduzem a um final ao mesmo tempo melancólico, brutal e épico. São duas ótimas faixas com quase vinte minutos de música que, se o grupo quisesse, poderia abrir mão de incluir a sua primeira demo remasterizada neste EP como bônus. Por outro lado, é bom que a tenha como extra, pois Flames of Deceit, The Fall e Scars of an Illusion já mostram uma banda com o seu som definido já há muito tempo atrás e não deixa de ser um bom registro para o seu antigo e novo público.

A boa sonoridade de Flames Through Priests é inquestionável, o conjunto soube utilizar bons arranjos e ótimas composições para realizar um trabalho de alta qualidade, com identidade própria mesmo tanto tempo depois do seu último e longínquo registro anterior a este. A diferença do som das três faixas mais antigas com as duas mais novas não chega a comprometer a obra em si, uma vez que os recursos utilizados em ambas, em suas respectivas épocas, são bem distintos e o seu valor musical histórico para banda tem uma grande relevância. Este é um bom EP, forte e intenso, bom para bater cabeça e até escutar sossegado (porque não?). É doom metal de primeira. Aproveite esse retorno da The Cross.

Conheça o som da The Cross: https://soundcloud.com/the-cross-doom-metal



*Matéria originalmente publicada em 27/01/2016.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,