Pular para o conteúdo principal

Retorno de peso.*


O metal é um dos gêneros musicais mais interessantes e diversificados que já existiu, tendo poder de alcançar a quem quiser e atingir multidões ao redor do mundo. Dentro dele há uma vertente interessante, o doom metal, mais arrastado e sombrio, características presentes desde bandas clássicas tradicionais até as mais recentes e, inclusive, mesmo nas mais modernas. Aqui na Bahia, a banda The Cross segue este caminho doom e ressurge depois de algum tempo com músicas novas.

Formado no início dos anos 1990 e há quase vinte anos sem lançar um trabalho com material novo, o grupo retoma as atividades com um EP intitulado Flames Through Priests contendo duas canções inéditas e mais três faixas bônus, estas últimas sendo as faixas da sua primeira demo tape, The Fall (1993). Mesmo com o longo período distante dos estúdios isso não pareceu fazer mal para a qualidade sonora da banda, que mostrou nesse momento prezar por uma sonoridade de alto nível e composições muito bem cuidadas, com temas longos que representam um verdadeiro prato cheio para seus velhos e novos admiradores.

Flames Through Priests começa sem dó nem piedade com Cursed Priest, faixa com um peso arrastado e o vocal rasgado do Eduardo Slayer, para depois cair na explosão de riffs de guitarra em ataque contínuo sem dar fôlego para o ouvinte, nem mesmo nos momentos mais arrastados e sombrios que conduzem a música pela maior parte do seu tempo. Ainda dentro dela, um trecho interessante com violão antecede o som de guitarras duplas e um pouco mais de peso arrastado com forte influência do Black Sabbath, até chegar em excelentes solos e na sua sequência final não menos soturna. Sweet Tragedy surge com as guitarras em mais evidência, mais densa e com uma melodia mais envolvente, sem perder o peso e com um trabalho vocal ainda bem cuidado.

Em determinado momento da faixa, o dedilhado de uma guitarra e o solo da outra, vocais com efeitos em reverso e bateria e baixo fazendo boas marcações, antecedem a sua passagem mais intensa com mais solos que a conduzem a um final ao mesmo tempo melancólico, brutal e épico. São duas ótimas faixas com quase vinte minutos de música que, se o grupo quisesse, poderia abrir mão de incluir a sua primeira demo remasterizada neste EP como bônus. Por outro lado, é bom que a tenha como extra, pois Flames of Deceit, The Fall e Scars of an Illusion já mostram uma banda com o seu som definido já há muito tempo atrás e não deixa de ser um bom registro para o seu antigo e novo público.

A boa sonoridade de Flames Through Priests é inquestionável, o conjunto soube utilizar bons arranjos e ótimas composições para realizar um trabalho de alta qualidade, com identidade própria mesmo tanto tempo depois do seu último e longínquo registro anterior a este. A diferença do som das três faixas mais antigas com as duas mais novas não chega a comprometer a obra em si, uma vez que os recursos utilizados em ambas, em suas respectivas épocas, são bem distintos e o seu valor musical histórico para banda tem uma grande relevância. Este é um bom EP, forte e intenso, bom para bater cabeça e até escutar sossegado (porque não?). É doom metal de primeira. Aproveite esse retorno da The Cross.

Conheça o som da The Cross: https://soundcloud.com/the-cross-doom-metal



*Matéria originalmente publicada em 27/01/2016.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção. Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia. Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, ess

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava