Pular para o conteúdo principal

Rock e escambo.*


O rock também é uma troca! É uma troca de energias, de experiências, amizade, irmandade, sensações e ideias. Foi dentro desse propósito, e foi como aconteceu a primeira edição da Rockambo (junção das palavras rock com escambo), festival mensal que sempre traz duas bandas da capital e uma do interior, e o inverso quando ele for ocorrer em sua edição fora da capital baiana, sempre com o intuito em fazer com que os grupos daqui e de fora troquem conhecimento da cena, e agreguem valor a formação musical de cada um dos envolvidos. O fortalecimento do elo entre os grupos nessa experiência também se torna um fator inquestionável dentro deste proposto.

Foi uma noite de quinta, clima agradável e com o público chegando aos poucos. Para um meio de semana, a quantidade de pessoas que presenciaram a festa foi bem significativa tendo em vista que o dia seguinte ainda era uma sexta (algo óbvio, claro, mas a com maioria ali tendo compromisso cedo da manhã isso poderia ser um empecilho para um indivíduo sair de casa e curtir o som). Quem resolveu sair e conferir as apresentações ganhou bastante peso, stoner, riffs de pegadas clássicas e muito fuzz para dentro dos ouvidos. Antes disso, muita conversa sobre política, um pouco da história do underground local e uma imersão no passado do Bahia formaram a atmosfera do lugar.

É justo frisar que a noite foi muito boa para ver ótimas performances dos bateristas das três bandas. Quem abriu a Rockambo foi a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes. Quem chegou cedo e pôde ver a sua passagem de som, viu um pedaço de uma nova canção que os rapazes estão compondo. Vem coisa boa por aí. O duo tocou com muita vontade, dava gosto de ver os rapazes descendo a mão sem piedade nos seus instrumentos. Tão certo assim que um pedaço de uma das luminárias do palco caiu com a vibração da sua música (mas não houve prejuízo, que isso fique claro). Riffs bem encaixados e as viradas de bateria mais do que certeiras naquela noite em especial acordou muita gente. Mulher Kriptonita, A Farsa e as demais já conhecidas por muita gente ali foram executadas em um repertório objetivo e certeiro. Depois deles subiu ao palco a feirense Calafrio. Ainda não conhecia o som dos rapazes e foi bom ver um conjunto que surpreendia no palco fazendo um stoner rock forte e variando com nuances pop radiofônicas. Quarteto entrosado, com o baterista de ótima presença que não parou nem um segundo sequer, mesmo quando deixou cair por duas vezes a baqueta.

O humor leve na figura do vocalista deu uma certa fluidez diferente ao seu show e o uso de um trecho pequeno de uma letra do Raul Seixas em uma de suas canções mostrou que os caras sabem onde estão pisando. Encerrando o evento, a Ronco mandou mais uma vez muito bem no seu stoner pesadíssimo. Soando ainda melhor ao vivo, o trio não pecou na qualidade da sua sonoridade, usou bem os seus recursos de palco e mostrou uma presença serena diante da audiência. Cidade dos Sonhos e a Suicida são sempre bons momentos no seu setlist e o seu baterista mandou muito bem com o seu instrumento contendo, além dos pratos, somente caixa, bumbo e surdo, mas fazendo um som imenso e cheio de energia. Acho que umas três baquetas foram quebradas nessa apresentação e foi empolgante ver isso. A guitarra (com suas texturas) e vocal bem seguros e cozinha entrosada fecharam bem o debut do evento.


Foi realmente uma noite na qual, além das ótimas performances das bandas, os bateristas se destacaram muito. A ideia central da Rockambo é excelente e os músicos envolvidos nesta primeira edição entraram em uma sinergia que fez a coisa acontecer bem. Agora é aguardar a próxima edição e esperar boas novas das versões do interior. Na volta para casa, causos das aventuras no underground compartilhados entre o Josh Homme de Roma e os demais dentro do carro mostraram que o rock é uma diversão que vale a pena.


*Matéria originalmente publicada em 21/03/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…