Pular para o conteúdo principal

Rock e escambo.*


O rock também é uma troca! É uma troca de energias, de experiências, amizade, irmandade, sensações e ideias. Foi dentro desse propósito, e foi como aconteceu a primeira edição da Rockambo (junção das palavras rock com escambo), festival mensal que sempre traz duas bandas da capital e uma do interior, e o inverso quando ele for ocorrer em sua edição fora da capital baiana, sempre com o intuito em fazer com que os grupos daqui e de fora troquem conhecimento da cena, e agreguem valor a formação musical de cada um dos envolvidos. O fortalecimento do elo entre os grupos nessa experiência também se torna um fator inquestionável dentro deste proposto.

Foi uma noite de quinta, clima agradável e com o público chegando aos poucos. Para um meio de semana, a quantidade de pessoas que presenciaram a festa foi bem significativa tendo em vista que o dia seguinte ainda era uma sexta (algo óbvio, claro, mas a com maioria ali tendo compromisso cedo da manhã isso poderia ser um empecilho para um indivíduo sair de casa e curtir o som). Quem resolveu sair e conferir as apresentações ganhou bastante peso, stoner, riffs de pegadas clássicas e muito fuzz para dentro dos ouvidos. Antes disso, muita conversa sobre política, um pouco da história do underground local e uma imersão no passado do Bahia formaram a atmosfera do lugar.

É justo frisar que a noite foi muito boa para ver ótimas performances dos bateristas das três bandas. Quem abriu a Rockambo foi a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes. Quem chegou cedo e pôde ver a sua passagem de som, viu um pedaço de uma nova canção que os rapazes estão compondo. Vem coisa boa por aí. O duo tocou com muita vontade, dava gosto de ver os rapazes descendo a mão sem piedade nos seus instrumentos. Tão certo assim que um pedaço de uma das luminárias do palco caiu com a vibração da sua música (mas não houve prejuízo, que isso fique claro). Riffs bem encaixados e as viradas de bateria mais do que certeiras naquela noite em especial acordou muita gente. Mulher Kriptonita, A Farsa e as demais já conhecidas por muita gente ali foram executadas em um repertório objetivo e certeiro. Depois deles subiu ao palco a feirense Calafrio. Ainda não conhecia o som dos rapazes e foi bom ver um conjunto que surpreendia no palco fazendo um stoner rock forte e variando com nuances pop radiofônicas. Quarteto entrosado, com o baterista de ótima presença que não parou nem um segundo sequer, mesmo quando deixou cair por duas vezes a baqueta.

O humor leve na figura do vocalista deu uma certa fluidez diferente ao seu show e o uso de um trecho pequeno de uma letra do Raul Seixas em uma de suas canções mostrou que os caras sabem onde estão pisando. Encerrando o evento, a Ronco mandou mais uma vez muito bem no seu stoner pesadíssimo. Soando ainda melhor ao vivo, o trio não pecou na qualidade da sua sonoridade, usou bem os seus recursos de palco e mostrou uma presença serena diante da audiência. Cidade dos Sonhos e a Suicida são sempre bons momentos no seu setlist e o seu baterista mandou muito bem com o seu instrumento contendo, além dos pratos, somente caixa, bumbo e surdo, mas fazendo um som imenso e cheio de energia. Acho que umas três baquetas foram quebradas nessa apresentação e foi empolgante ver isso. A guitarra (com suas texturas) e vocal bem seguros e cozinha entrosada fecharam bem o debut do evento.


Foi realmente uma noite na qual, além das ótimas performances das bandas, os bateristas se destacaram muito. A ideia central da Rockambo é excelente e os músicos envolvidos nesta primeira edição entraram em uma sinergia que fez a coisa acontecer bem. Agora é aguardar a próxima edição e esperar boas novas das versões do interior. Na volta para casa, causos das aventuras no underground compartilhados entre o Josh Homme de Roma e os demais dentro do carro mostraram que o rock é uma diversão que vale a pena.


*Matéria originalmente publicada em 21/03/2016.

Popular Posts

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”