Pular para o conteúdo principal

Rock e escambo.*


O rock também é uma troca! É uma troca de energias, de experiências, amizade, irmandade, sensações e ideias. Foi dentro desse propósito, e foi como aconteceu a primeira edição da Rockambo (junção das palavras rock com escambo), festival mensal que sempre traz duas bandas da capital e uma do interior, e o inverso quando ele for ocorrer em sua edição fora da capital baiana, sempre com o intuito em fazer com que os grupos daqui e de fora troquem conhecimento da cena, e agreguem valor a formação musical de cada um dos envolvidos. O fortalecimento do elo entre os grupos nessa experiência também se torna um fator inquestionável dentro deste proposto.

Foi uma noite de quinta, clima agradável e com o público chegando aos poucos. Para um meio de semana, a quantidade de pessoas que presenciaram a festa foi bem significativa tendo em vista que o dia seguinte ainda era uma sexta (algo óbvio, claro, mas a com maioria ali tendo compromisso cedo da manhã isso poderia ser um empecilho para um indivíduo sair de casa e curtir o som). Quem resolveu sair e conferir as apresentações ganhou bastante peso, stoner, riffs de pegadas clássicas e muito fuzz para dentro dos ouvidos. Antes disso, muita conversa sobre política, um pouco da história do underground local e uma imersão no passado do Bahia formaram a atmosfera do lugar.

É justo frisar que a noite foi muito boa para ver ótimas performances dos bateristas das três bandas. Quem abriu a Rockambo foi a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes. Quem chegou cedo e pôde ver a sua passagem de som, viu um pedaço de uma nova canção que os rapazes estão compondo. Vem coisa boa por aí. O duo tocou com muita vontade, dava gosto de ver os rapazes descendo a mão sem piedade nos seus instrumentos. Tão certo assim que um pedaço de uma das luminárias do palco caiu com a vibração da sua música (mas não houve prejuízo, que isso fique claro). Riffs bem encaixados e as viradas de bateria mais do que certeiras naquela noite em especial acordou muita gente. Mulher Kriptonita, A Farsa e as demais já conhecidas por muita gente ali foram executadas em um repertório objetivo e certeiro. Depois deles subiu ao palco a feirense Calafrio. Ainda não conhecia o som dos rapazes e foi bom ver um conjunto que surpreendia no palco fazendo um stoner rock forte e variando com nuances pop radiofônicas. Quarteto entrosado, com o baterista de ótima presença que não parou nem um segundo sequer, mesmo quando deixou cair por duas vezes a baqueta.

O humor leve na figura do vocalista deu uma certa fluidez diferente ao seu show e o uso de um trecho pequeno de uma letra do Raul Seixas em uma de suas canções mostrou que os caras sabem onde estão pisando. Encerrando o evento, a Ronco mandou mais uma vez muito bem no seu stoner pesadíssimo. Soando ainda melhor ao vivo, o trio não pecou na qualidade da sua sonoridade, usou bem os seus recursos de palco e mostrou uma presença serena diante da audiência. Cidade dos Sonhos e a Suicida são sempre bons momentos no seu setlist e o seu baterista mandou muito bem com o seu instrumento contendo, além dos pratos, somente caixa, bumbo e surdo, mas fazendo um som imenso e cheio de energia. Acho que umas três baquetas foram quebradas nessa apresentação e foi empolgante ver isso. A guitarra (com suas texturas) e vocal bem seguros e cozinha entrosada fecharam bem o debut do evento.


Foi realmente uma noite na qual, além das ótimas performances das bandas, os bateristas se destacaram muito. A ideia central da Rockambo é excelente e os músicos envolvidos nesta primeira edição entraram em uma sinergia que fez a coisa acontecer bem. Agora é aguardar a próxima edição e esperar boas novas das versões do interior. Na volta para casa, causos das aventuras no underground compartilhados entre o Josh Homme de Roma e os demais dentro do carro mostraram que o rock é uma diversão que vale a pena.


*Matéria originalmente publicada em 21/03/2016.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso