Pular para o conteúdo principal

Rock e primavera.*


            Na última sexta feira a estação das flores finalmente chegou e para celebrar a sua presença as bandas Cartel Strip Club e Callangazoo se apresentaram no evento Primavera Rock, que aconteceu no Dubliners Irish Pub. Com bandas que combinam bem com a atmosfera da estação, fui conferir o que cada uma delas preparava para a festa.

            A chegada foi bem no momento marcado para começar o som, mas houve um certo atraso e isso acabou dando espaço para bons papos e até mesmo uma inesperada batalha de poemas onde o "desafiante" (um rapaz que apareceu do nada) saiu vencido por ter recitado uma obra de um outro autor, enquanto o "desafiado" (Leo Abreu, baterista da Callangazoo), recitou dois da própria autoria. Dois a um de virada no placar final e o derrotado ainda saiu queixando para o seu oponente um copo de cerveja.

            Ainda com pouco público no local a banda Cartel Strip Club abriu a noite com o seu indie de fácil assimilação. O septeto tocou um repertório totalmente autoral e com músicas cantadas em português e em inglês. Não foi muito diferente da sua apresentação anterior no Pelourinho, mas se diferenciou pela qualidade sonora do palco onde dava para escutar melhor as letras e cada instrumento. O bom ritmo do show foi se mantendo mesmo nos momentos em que guitarristas e baixista reversavam os seus instrumentos, porém houve uma quebra nesse ritmo quando o baterista resolveu ir ao banheiro no meio da apresentação. Isso já foi quase no fim e não comprometeu a performance do conjunto.

            Na sequência e encerrando a noite, a Callangazoo subiu ao palco para tocar o seu rock ensolarado e dar boas vindas a primavera. Já havia muito tempo em que devia uma visita no som dos rapazes e foi uma boa primeira experiência. A banda bem entrosada é muito fiel as suas gravações, tocando um setlist focado, em sua maioria, nas suas canções autorais de seus cinco trabalhos lançados. Foi percebido também que o grupo sabe utilizar covers a seu favor, tocando versões próprias de músicas de outros artistas que se encaixaram bem na apresentação. Teve de Raul Seixas a Mutantes, todos eles possuindo conexões com Tereza Surpresa, Brinquedo e Dipatchara, que foram canções que se destacaram no repertório dançante e groovado do quarteto. No final teve muita gente dançando, suando e pedindo bis. Quem não foi desta vez não deixe de ir na próxima.

            Terminada a festa, o caminho de casa era longo e precisava ser seguido. Sabia que veria alguma reprise do Rock in Rio quando chegasse. Dito e certo. A tv não passou nem dois minutos ligada. Foi bem melhor ter saído de casa.


*Matéria originalmente publicada em 22/09/2015.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...