Pular para o conteúdo principal

Rock e primavera.*


            Na última sexta feira a estação das flores finalmente chegou e para celebrar a sua presença as bandas Cartel Strip Club e Callangazoo se apresentaram no evento Primavera Rock, que aconteceu no Dubliners Irish Pub. Com bandas que combinam bem com a atmosfera da estação, fui conferir o que cada uma delas preparava para a festa.

            A chegada foi bem no momento marcado para começar o som, mas houve um certo atraso e isso acabou dando espaço para bons papos e até mesmo uma inesperada batalha de poemas onde o "desafiante" (um rapaz que apareceu do nada) saiu vencido por ter recitado uma obra de um outro autor, enquanto o "desafiado" (Leo Abreu, baterista da Callangazoo), recitou dois da própria autoria. Dois a um de virada no placar final e o derrotado ainda saiu queixando para o seu oponente um copo de cerveja.

            Ainda com pouco público no local a banda Cartel Strip Club abriu a noite com o seu indie de fácil assimilação. O septeto tocou um repertório totalmente autoral e com músicas cantadas em português e em inglês. Não foi muito diferente da sua apresentação anterior no Pelourinho, mas se diferenciou pela qualidade sonora do palco onde dava para escutar melhor as letras e cada instrumento. O bom ritmo do show foi se mantendo mesmo nos momentos em que guitarristas e baixista reversavam os seus instrumentos, porém houve uma quebra nesse ritmo quando o baterista resolveu ir ao banheiro no meio da apresentação. Isso já foi quase no fim e não comprometeu a performance do conjunto.

            Na sequência e encerrando a noite, a Callangazoo subiu ao palco para tocar o seu rock ensolarado e dar boas vindas a primavera. Já havia muito tempo em que devia uma visita no som dos rapazes e foi uma boa primeira experiência. A banda bem entrosada é muito fiel as suas gravações, tocando um setlist focado, em sua maioria, nas suas canções autorais de seus cinco trabalhos lançados. Foi percebido também que o grupo sabe utilizar covers a seu favor, tocando versões próprias de músicas de outros artistas que se encaixaram bem na apresentação. Teve de Raul Seixas a Mutantes, todos eles possuindo conexões com Tereza Surpresa, Brinquedo e Dipatchara, que foram canções que se destacaram no repertório dançante e groovado do quarteto. No final teve muita gente dançando, suando e pedindo bis. Quem não foi desta vez não deixe de ir na próxima.

            Terminada a festa, o caminho de casa era longo e precisava ser seguido. Sabia que veria alguma reprise do Rock in Rio quando chegasse. Dito e certo. A tv não passou nem dois minutos ligada. Foi bem melhor ter saído de casa.


*Matéria originalmente publicada em 22/09/2015.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um