Pular para o conteúdo principal

Rock no Vacachorro.*


Mais uma vez o Portal Soterorock se jogou noite adentro para ver o movimento rocker da cidade na noite do último sábado. O nosso intuito foi ver as bandas que se apresentariam no evento “Show Colaborativo”, ocorrido no Largo da Dinha, mais especificamente ao lado do famoso Vacachorro. Mas já cedo no local, ainda deu tempo para ver parte das atrações do evento “Noite Vazia”, no Irish Pub.

Ainda faltavam tocar as bandas Van der Vous e HAO, sendo elas um bom aquecimento para as bandas que tocaram na rua. A primeira executou um show muito bom, como de costume de suas apresentações, sendo que se mostrou bem mais a vontade como um trio em relação a sua última aparição. A segunda tocou seu som muito influenciado por bandas como o Red Hot Chilli Peppers e Blind Melon, ainda agregando um intrigante saxofone ao seu som. Começaram com um instrumental longo e depois partiram para mais uma autoral cantada (e com o tal saxofone), deixando o pub com um clima similar ao longínquo ano de 1994.

Saindo em direção ao Vacachorro, já nas quadras do Rio Vermelho já dava para se ouvir o som da Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes. Som forte e volumoso! E olhe que é um som feito por apenas duas pessoas: os irmãos Jende. Ainda não tinha visto uma apresentação dos rapazes e eles não desapontaram. Tocaram músicas do primeiro EP, músicas novas e uma versão cheia de personalidade da canção “Dos Margaritas”, do Paralamas do Sucesso. Tudo muito redondo e certeiro, como bons atiradores de elite da cidade baixa que são. Depois teve a The Honkers, que fez mais uma ótima apresentação e eu já nem sei mais como escrever sobre eles quanto a isso, de tanto show bom que já vi a banda fazer.

Mas esse foi intenso. Eu deveria esperar que fosse assim, Thiago (baixista da banda) estava usando um boné do Nhô Caldos, antiga e desaparecida casa de shows daqui e esse era um sinal. Além da sequencia forte de musicas, teve Rodrigo Sputter com modelito sensualizante conseguindo domar o Vacachorro depois de conseguir monta-lo e um grande final com dois bateristas antes do bis.

Depois deles os alagoanos do Super Amarelo mandaram bem o seu indie rock, agradando a gregos e a troianos. O som da banda pode ser mais bem definido como se o Sonic Youth e o Superchunk fizessem uma conexão cósmica com a guitarra peculiar dos britânicos do Blur. Se saíram bem em seu primeiro show em Salvador e com certeza venderam algumas cópias do seu cd. Fechando a noite se apresentou a Charlie Chaplin. Havia bem uns sete anos que não via um show deles, mas continuam animados. Agora com dois bateristas o som ficou mais pulsante e enérgico, deixando muita gente que conhecia o som deles mais exaltada e cantando junto com o grupo. Eles fecharam bem a noite.

O “Show Colaborativo” foi uma iniciativa do coletivo Tomanacara e envolveu pessoas que bem intencionaram fazer som para suas bandas e para o público daqui (o lugar estava cheio). Durante os intervalos das apresentações ou de uma música para outra, pedia-se uma colaboração de quem o pudesse fazer com a quantia de R$ 10 (dez reais), para custos com equipamento e logística. Quem pôde colaborar, colaborou. E pagou bem!


Na volta para casa, fui pensando com os meus botões sobre esse evento. Acho válida a iniciativa e o gesto de fazer acontecer a musica que você acredita, mesmo que seja no meio da rua e acho que isso acontecerá mais vezes. Mas por quanto tempo esses artistas terão que se expressar dessa forma? Esse evento também expõe uma das precariedades da nossa cena local, que é a falta de casas voltadas para esse tipo de som. Só há uma, na verdade, e quando se procura uma pauta livre se esbarra em datas e horários preenchidos. Além das citadas nessa resenha, imagine quantas bandas não gostariam de se apresentar em condições melhores? Enquanto isso não muda a cena grita, mesmo que o grito seja no vácuo!

*Matéria originalmente publicada em 26/04/2015

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida