Pular para o conteúdo principal

Rock verdadeiro.*


Mais outra noite de vento frio e chuva na capital baiana e mais uma boa oportunidade de se livrar do edredom e sair de casa para conferir mais um som de rock autoral. Dessa vez fui conferir um evento que já havia visitado anteriormente, o Rock Squad, evento periódico do gênero na cena, que se encontrava na sua segunda edição e que tem como princípio movimentar o cenário local sempre levando ao palco quatro bandas locais, tendo nos seus cartazes temas referentes a ficção científica no cinema. Dessa vez, os cartazes foram recheados por referências a Star Trek e as atrações foram mais aguardadas do que blockbusters em fim de semana de estreia.

Na chegada, o lugar ainda estava um pouco vazio, uma das bandas passava o som e se preparava para o início da sua apresentação. O público foi chegando aos poucos e o ambiente foi ficando mais agradável com rostos familiares circulando pelo lugar se misturando com outros rostos não conhecidos, o que é algo bem interessante de se ver. Do início ao fim, as conversas giraram em torno da música, da cena e de como nunca ter se identificado com o visual das bandas de hard rock farofa da década de oitenta, menos pelas baladas. Essas sim não passaram despercebidas. O bom humor dos grupos que se apresentaram também foi uma boa marca de um lineup com ótimas performances.

Quem abriu o evento foi a banda Os Tios. Ainda não a conhecia ao vivo e a primeira experiência com o trio foi interessante. O som dos rapazes transita entre o hard rock e o pop das décadas de 1980 e 1990, com vocalista bastante original em sua voz (algo difícil para se ter dentro da proposta do som do conjunto) e com repertório feito com autorais, além de algumas versões de outros artistas. Os músicos se saíram muito bem ao vivo e esquentaram o lugar para quem chegava para ver o evento, tocaram canções do seu primeiro disco, Para Onde as Coisas se Vão..., e músicas novas que estarão no próximo cd a ser lançado ainda esse ano, excelentes por sinal.

O seu show ainda contou com a participação do Emanuel Oliveira (Jack Doido) nos vocais da versão forte de Acrilic on Canvas, da Legião Urbana. Depois deles a Novelta, de Feira de Santana, subiu ao palco do Taverna para executar o seu auto intitulado agreste rock. Assim como na semana anterior, os rapazes despejaram uma apresentação objetiva e cheia de energia, sem canseira e com alguns bons breves diálogos com a audiência, que era mais cheia nessa hora. A empolgação foi grande na performance e o bom entrosamento dos integrantes foi algo extra a se apreciar. Santa Poeira e a nova Estrada formaram dois ótimos momentos na apresentação do quarteto feirense.

De Lauro de Freitas e também com disco novo à caminho, a Jato Invisível mandou bem com o seu punk rock de primeira qualidade. A banda tocou antigas canções do seu repertório e outras novas que vêm aparecendo no seu setlist nas apresentações meias recentes, foi mais uma ótima apresentação da noite com o conjunto concentrado e ao mesmo tempo à vontade no tablado. Ainda teve a participação do Shinna Voxzelicks e Anderson L. (vocais da Pancreas e Os Tios, respectivamente) em Remédio e do Matheus Cazé (vocal da Intrusos) em uma das canções finais. Foram direto e reto, sem firulas e animou quem estava por lá. Encerrando a noite, a Declinium fez mais uma apresentação memorável. Uma das melhores bandas da cena fez mais um show acima da média e conquistou corações e mentes de quem estava no evento.

O repertório do quarteto de Camaçari foi bem interessante, na dose certa para quem foi vê-los novamente, para que estava vendo o grupo pela primeira vez e para si próprio. A boa performance da banda é algo que parece que sempre se fará presente com ela em cima do palco, diante da quantidade de composições que possui e da entrega de cada integrante a sua música. Canções novas foram tocadas nesta ocasião, como Dias Ácidos (com uma pegada psicodélica garageira sessentista) e Velho Homem (essa mais guitar band e com um indivíduo na plateia mais empolgado em querer escuta-la), Marte teve a sua interpretação original revela e Fênix emocionou os seus admiradores mais fervorosos. Foi bonito mais uma vez.


No fim, público e bandas se confraternizaram em cumprimentos de despedida para voltar para casa e de satisfação da alma através da música. Algumas fotos que foram tiradas registraram bons momentos dessa passagem e quem não foi, certamente perdeu uma boa oportunidade de ver quatro ótimas apresentações em uma só noite, com bandas autorais do interior, da capital e região metropolitana. Foi rock verdadeiro no Rock Squad 2 e que venham as próximas edições.


*Matéria originalmente publicada em 13/07/2016.

Popular Posts

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”