Pular para o conteúdo principal

Sangue não tão novo.*


            Neste último final de semana aconteceu aqui em Salvador a primeira edição do Festival Sangue Novo. Este festival tem a sua origem em um programa de rádio local que tem como proposta divulgar novos artistas da cena musical brasileira e o Portal Soterorock foi até o Museu do Ritmo para saber como foi a festa.

            Foi mais um evento que aconteceu no bairro do Comércio e que utilizou o recurso da meia entrada solidária onde, na doação de um livro, o indivíduo pagava a metade do valor do ingresso. Isso atraiu muita gente. Com a mesma proposta do programa, a grade do festival contou com cinco novos nomes da musica do país, porém não tão novos assim. Além deles, houve ainda a discotecagem do competente dj Mauro Telefunksoul e desfile comemorativo da T Camiseteria, que completou um ano de existência. Me senti em uma verdadeira fashion week.

            Quem abriu as atividades foi a Vivendo do Ócio, banda baiana que recentemente teve uma bem sucedida campanha na web de investimento para a realização do seu terceiro disco. Ainda para pouca gente, os rapazes começaram o show com vontade e bem no início o som do palco teve uma breve falha, mas foi logo contornado. Eles tocaram velhos hits e algumas novas canções que estarão em Selva Mundo, deixando suados os fãs que chegaram cedo para ver a banda. Normalmente as suas apresentações são enérgicas e se as novas canções tocadas no show estiverem no disco como foram apresentadas lá, provavelmente venha algo bom por aí. Depois foi a vez do Dão subir no palco e tocar sua black music. Anunciado como um artista que mistura a este estilo elementos da música brasileira, ele só nos entregou isto da terceira canção em diante. Foi dançante? Com certeza! Mas esperava ver um pouco mais dessa mistura durante a sua apresentação, o que não aconteceu. Um ponto alto do show foi a sua versão de voz e violão para Acabou Chorare, onde a maioria das pessoas pararam de conversar para cantar o clássico em uníssono.

            A terceira a se apresentar foi a Márcia Castro. Com seu carisma e como sempre bem animada, ela fez um show igualmente animado e prendeu a atenção do público com canções já bem conhecidas. O show contou com a participação da cantora Marcela Bellas em boa parte da apresentação e de mais três pessoas da platéia para cantar De Pés no Chão. Ainda teve a versão de Malandrinha, do Edson Gomes, e encerrou com o Frevo (pecadinho), faixa do seu primeiro trabalho. Na sequência, o aguardado Filipe Catto executou a sua performance no festival. Ele foi muito bem recebido, porém, mesmo com a boa voz e bem comunicativo, não animou muito a quem já lotava o Museu do Ritmo. O show longo e uma presença de palco tímida cansou, mas mesmo assim teve biz.

            Encerrando o festival, a cantora Céu trouxe novamente para a capital baiana a turnê do disco Caravana Sereia Bloom. De longe foi a atração mais esperada do evento. Ela cantou músicas dos seus três discos, sendo que as mais antigas ganharam roupagens mais próximas do seu som atual. As músicas do seu disco de estréia ficaram muito bem nos novos arranjos, já as faixas do Vagarosa agradam mais na sua forma original. Se não me falhe a memória, este foi o sexto show da cantora em Salvador e não deixou de atender as expectativas de quem foi vê-la. Ainda houve biz com Chegar em Mim e uma versão à capela de Bubuia depois de pedidos insistentes do povo do gargarejo.


            O Festival Sangue Novo cumpriu com o que prometeu dentro da sua ideia original e soma para a cidade como mais um evento anual do circuito alternativo de Salvador. Circuito cada vez menos com cara de "alternativo", o que é bom. Ao fim, só restava comemorar o empate com cara de goleada do Bahia e partir para o Rio Vermelho para ver o que acontecia por lá.


*Matéria originalmente publicada em 02/09/2015.

Popular Posts

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…