Pular para o conteúdo principal

Se atente ao Home Pocket/Clipoems Rock.*


No último domingo a maresia deu lugar ao bom e velho rock’n roll em prol de uma interessante e diferente experiência. Fui conferir de perto a gravação de mais uma edição do Home Pocket/Clipoems Rock, programa idealizado e capitaneado pelo Arthur Caria e Candido Martinez e que conta com o auxílio do Fernando Udo e do Mark Mesquita, e visa registrar apresentações ao vivo de bandas/artistas dentro do estúdio e divulga-los na web.

Ainda no início de sua trajetória, pelo programa já passaram a cantora Daniela Dangel e a banda Pancreas e contou desta vez com a participação do duo Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes. Os vídeos são postados aos poucos pelas redes sociais e despertam uma certa curiosidade pela próxima captação a ser upada. A qualidade audiovisual é muito bem tratada. Por trás das câmeras há um empenho para se fazer a coisa bem-feita, com o esmero necessário para o visual do local ficar bem e para a equalização do som ficar impecável. Isso sem falar do bom humor entre os componentes da equipe que chega a desafiar constantemente as leis da física!

O estúdio é relativamente pequeno, mas tem o espaço suficiente para comportar grupos com números distintos de integrantes e ainda há espaço para uma plateia de tamanho razoável. O vermelho adotado no cenário e a iluminação dão um clima especial às sessões e uma atmosfera mais vibrante. Assistir a performance de uma banda depois dos preparos finais antes do take inicial é outro aspecto a ser levado muito em conta. O som do estúdio é de alta qualidade e, neste caso, a banda em questão aproveitou muito bem isso e não teve problema para fazer o seu rock a todo volume. A BVEAODE executou boa parte do seu repertório que vem tocando, mas aqui de uma forma mais límpida, com destaques para canção com arranjos levemente modificados, a versão de Dos Margaritas, Mulher Kriptonita e encerrando com Psicologia de Sofá, esta com uma introdução mais psicodélica, sendo assim a melhor passagem do setlist. O peso das composições foi triplicado nesta ocasião, se tornando mais denso e volumoso do que já é e sem perder nada do que foi cantado e tocado na bateria e na guitarra. Ali dentro a música da banda não disputava espaço com mais nada, eram só a dupla e as suas canções de uma maneira exclusiva e realmente diferente de se apreciar. Foi o rock certeiro dos irmãos Jende aguçando os sentidos de forma mais vívida.

O Home Pocket/Clipoems Rock está apenas no começo do seu caminho e há mais bandas por vir pela frente que serão gravadas. Esta é uma iniciativa válida e que fortalece muito a cena, divulgando grupos e registando com qualidade as suas apresentações ao vivo, levando os conjuntos ao conhecimento de quem ainda não os viu de perto. Dentro de algumas semanas você poderá conferir esta apresentação da Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes na internet, a fanpage do programa vai atualizando o seu progresso. É só se ligar!

Fanpage do Home Pocket/Clipoems Rock.

Veja quem já passou por lá:

Música Nada Mais, da Daniela Dangel

Música A Morte te dá as Mãos, da banda Pancreas



 *Matéria originalmente publicada em 02/02/2016.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...