Série "Mais uma Cara do Rock Baiano": Suzi Almeida, Invena.*


A série "Mais uma Cara do rock Baiano" retorna mais uma vez aqui no Portal Soterorock e traz uma entrevista com Suzi Almeida, nova vocalista da banda Invena. Aqui ela fala um pouco sobre a sua relação com o rock, a sua entrada na Invena, a cena local e sua opinião sobre o machismo no rock. Agora é só ligar um som, se ajeitar onde estiver e acompanhar essa entrevista bacaníssima.

Soterorock - Gostaria de começar a entrevista com você me falando um pouco sobre a sua influência musical. O que mais te influenciou a querer fazer rock?
Suzi Almeida - Meu histórico de rock iniciou na adolescência com a Legião Urbana. Eu ouvia muito. Consequentemente o rock nacional dos anos 80 e 90 me levaram a querer conhecer mais sobre outras vertentes. Neste mesmo período ouvia Guns, Scorpions, Beatles e por aí vai. Quando vim morar em Salvador em 2001 eu não tinha mais dúvidas em fazer esse estilo. Muitas vozes femininas como Cranberries, Janis Joplin, Roxette me influenciam também.

SR - Sei que antes de entrar na Invena você fez parte de um grupo chamado Biossonoros. Qual era a proposta da banda? Além dela você fez parte de mais algum outro projeto musical?
SA - A banda era composta por três estudantes de biologia,  por isso este nome.  Nossa proposta era algo mais acústico, com influências do soul, blues e do pop rock nacional. Cantei numa banda que tinha um estilo mais reggae. O som era estilo lual, meio acústico também, não havia bateria. Nesta eu dividia a voz com Ricardo, que era o vocalista principal da banda onde a maior parte das músicas ele que compôs.

SR - Os outros dois ex-integrantes continuam na música?
SA - Sim. Um deles tem um projeto com músicas evangélicas, acho que tocam outros estilos também. O outro no momento não está com banda.

SR - Como foi para você assumir os vocais de uma banda que vinha de uma boa temporada de shows e de um constante crescimento da sua popularidade? E como foi a sua adaptação ao trabalho do grupo?
SA - Inicialmente fui convidada a fazer uma participação especial numa música da banda, na qual eles gostariam de colocar uma voz feminina. A produção me enviou um cd e sinalizou qual a música que eles gostariam da minha participação ("Memórias"). Quando ouvi as músicas da banda gostei de cara. E aí fiz uma versão com minha voz e violão da música e enviei. A banda amou e um tempo depois eles me convidaram a fazer um teste pra banda tendo em vista que estavam sem vocalista. Fiz o teste, fui aprovada,  e a banda me recebeu muito bem, com muito carinho e disposição para mudar tom de várias músicas já que se tratou de uma substituição de voz masculina para feminina. Acho que a nossa maior dificuldade foi neste aspecto, de ter que modular algumas músicas. No geral, o retorno do público tem sido positivo, graças a Deus!

SR - Soube que a Invena está em processo de gravação do novo disco. O que esperar da banda para esse novo cd? Será um trabalho só com inéditas, ou vocês irão incluir canções antigas?
SA - Inéditas e antigas. Estamos vindo com novidades. A começar pelo fato de ter na frente da banda agora uma voz feminina, né? Rsrs. Mas vem coisa boa por aí sim.  Podem aguardar.

SR - Alguns dizem que o rock é um estilo musical machista, muito por conta da sua origem e pela quantidade de homens fazendo essa música. Você concorda com isso? Já sofreu algum tipo de resistência dentro do estilo?
SA - Discordo. O rock expressa vários tipos de sentimentos. Fala-se de amor, política, religião, de quase tudo. E nessa área as mulheres também conquistam seu espaço. Olha quantas bandas conceituadas tanto no cenário nacional quanto internacional são compostas por mulheres! Eu até o momento não tive nenhum tipo de objeção de alguém por cantar rock. Mas não acho difícil de isso acontecer uma vez que o rock possui várias vertentes e com isso algum estilo ter mais resistência por vozes femininas, vai saber? Rs.

SR - A cena local vive uma boa fase, com grupos fazendo shows constantes e gravando materiais com alta qualidade. Como você enxerga o cenário roqueiro local nesse momento?
SA - Vejo o nosso cenário Rock ganhando mais espaço atualmente. Muitas bandas boas surgindo, muita coisa nova e de qualidade. Percebo uma fase boa e que vem crescendo ainda mais. Acho que o Rock soteropolitano está finalmente conquistando o espaço que merece.

SR - Quais bandas daqui da Bahia e de fora (inclusive as gringas) que você tem mais escutado ultimamente? O que tem te chamado mais a atenção?
SA - Ultimamente das bandas de Salvador tenho ouvido muito a Maglore. Mas  gosto de outras também. No geral, estou numa fase meio indie nacional. Tô ouvindo muita coisa nacional e Internacional. Tiê, Tiago Iorc, Sia, The Cardigans etc..

SR - No final da entrevista sempre abro um espaço para o entrevistado deixar uma mensagem para os nossos leitores. Qual é a sua para eles?

SA - Quando penso em uma mensagem, é inevitável não pensar em música que pra mim tem um poder enorme de comunicação. Por isso vou encerrar com uma frase de uma música do Renato Russo, pode até ser meio clichê, mas ele tinha um dom incrível de conseguir se expressar nas suas letras. Então vai... "Quem pensa por si mesmo é livre e ser livre é coisa muito séria! Não se pode fechar os olhos, não se pode olhar pra trás sem se aprender alguma coisa pro futuro".


*Matéria originalmente publicada em 08/09/2015.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas