Série "Mais uma Cara do Rock Baiano" - André L. R. Mendes.*


O André L. R. Mendes tem uma incrível história musical. Ex-membro da Maria Bacana (grande expoente do rock baiano da década de 1990) e atuante artista solo da cena local, o cantor e compositor fala nessa interessante entrevista sobre o seu movimentado inicio de carrira com o seu power trio, onde gravou um disco pela gravadora do Dado Villa-Lobos, a sua carreira solo, seu mais recente trabalho, Arquipélago, sobre a cena, suas influencias e muito mais. Essa é uma entrevista que você não pode perder uma linha sequer. Aproveite!

Soterorockpolitano - Conhecendo um pouco a sua carreira musical, fica difícil começar a entrevista de uma outra forma que não seja perguntar sobre a época da Maria Bacana. Como foi a experiência de fazer parte de uma das bandas que mais se destacou nos anos 1990? Nos fale um pouco sobre esse período no qual vocês tocaram fora da Bahia, gravaram um ótimo disco pela Rock It! (Selo do Dado Villa-Lobos) e que, por aqui, abriram shows para grandes nomes do rock nacional como o Ira! e Cassia Eller.
André L. R. Mendes - A Maria bacana foi massa demais... éramos uma banda de hard metal punk rock que cantava em inglês chamada Master Brain... o som era bem parecido com o da Maria Bacana... mas cantar em inglês foi ficando cada vez mais chato pra mim... não fazia sentido... sentia que dava pra fazer em português... eu adorava quando ouvia o disco Brasil do RDP e aquilo falava diretamente comigo... minha língua nativa... depois vieram Engenheiros, Caetano, Legião... me ensinando que dava pra fazer rock em português. Consegui convencer Macello (baterista) e Lelê (baixista) a passar de inglês pra português... e não foi fácil, viu (rsrsrs)... eles estavam semi irredutíveis! Mas então, passamos pro português, mudamos de nome pra Maria Bacana (conservando o MB da Master Brain) e gravamos uma demo... mandamos essa demo pra Deus e pro mundo... Dado foi o primeiro a responder... em exatamente uma semana... ele queria contratar a banda. Ali foi pura emoção... tipo "agora vai rolar!" Éramos uma banda extremamente afiada... eu desde os 10 anos surfava nos finais de semana, mas larguei o esporte pra ensaiar sábado e domingo O DIA TODO. Pois bem... fomos pro Rio e, em pouco tempo, as pessoas que líamos sobre estavam dizendo o quanto éramos massa... Wander Wildner, Dado, o povo do Raimundos, do Planet Hemp, Marina Lima... jornalistas "top"... todo mundo enchendo a nossa bola. Foi uma época que parecia que o caminho estava pavimentado e estava até certa etapa. Gravamos o disco em 7 dias, na madrugada, com Dado e Tom Capone produzindo num dos melhores estúdios do país naquela época... estávamos trabalhando com o mesmo empresário da Legião, da Cássia Eller e Maria Bethânia... o clima de "já ganhou" com relação à banda era incrível. Fizemos festivais grandes, sempre com recepção massa de público e crítica... mas não rolou "investimento" (grana pra jabá) da gravadora (Rock It!)... então o "próximo passo" não aconteceu. Infelizmente era assim e continua sendo: pra "estourar" um artista tem que investir grana pesada. A Rock It! Pediu pra gravarmos um segundo disco e nos negamos... quebramos contrato, uma coisa idiota à se fazer, mas pensávamos: o selo não  "trabalhou bem" o primeiro disco... pra que gravar o segundo por eles? Voltamos pra Salvador, em pouco tempo Lelê deixou a banda, eu e Macello tentamos por um tempo manter a Maria Bacana... mas sem sucesso. A banda é definitivamente nós  três juntos ou não é a Maria bacana. Hoje a banda é uma banda CULT...coisa que eu temia muito na época e que hoje eu encaro numa boa (rsrs).

SRP - Na época que a Maria Bacana gravou o seu disco surgiu um papo de que, no meio de uma das sessões da gravação, a banda conheceu o Renato Russo. Isso é verdade, ou é lenda? Se foi verdade como foi esse momento?
ALRM - Lenda. Renato Russo já estava recluso, doente. Dado disse que ele chegou a ouvir a banda e gostou. Mas não passou disso.

SRP - Me lembro de que havia muita comparação de suas letras com as da Legião Urbana e do som da MB com o Green Day. Isso incomodava a banda na época?
ALRM - Muito (rsrs)! Incomodava muito! Mas hoje eu percebo que era uma coisa que remava à favor da banda... "nova Legião", "Green Day brasileiro"... esses rótulos eram super positivos e, se fôssemos uma banda pragmática, usaríamos isso... mas queríamos ser, simplesmente, a Maria bacana... então ficávamos putos com as comparações. Bobagem de adolescente. Parecia mesmo com as duas bandas, mesmo que não fizéssemos de propósito... influências, né? Mas acredito mesmo que a Maria bacana foi uma banda única na sua sonoridade. Tipo 15 anos depois Dado chegou pra mim dizendo que eu tinha inventado o "emo" (rsrsrs), que a Maria Bacana era a banda avó do emo... eu dei risada e lamentei não ter lucrado com a invenção (rsrsrs)! A sonoridade da banda é a mistura de um cantor e compositor que queria ser James Hetfield mas não rolou, um baterista técnico e um baixista amante do heavy metal clássico, com pitadas de punk rock e letras românticas. Se isso criou o emo... bem... beleza!

SRP - Sobre a sua carreira solo, você já está no seu quinto disco de estúdio e o nome que você deu para cada um deles se relaciona de alguma forma com o mar. Existe uma relação entre os discos? Como se eles fizessem parte de algo maior e conceitual, como se completassem?
ALRM - Exatamente! Eu sempre quero que a última música de um disco tenha conexão com a primeira do próximo disco. Como capítulos de um livro. Bem... são capítulos do livro da minha vida, né? Eu gosto de consumir arte que tenha pessoalidade e faço questão de que a minha arte também seja pessoal. Se você for sincero, as pessoas percebem e recebem aquilo de braços abertos. Eu gosto demais do mar e comparo a nossa vida diária à jornada da navegação rumo ao novo mundo... se jogando rumo ao desconhecido. Tanto que o nome do meu primeiro disco é Bem Vindo à Navegação. Sou eu dizendo isso pra mim mesmo e pra quem se identificar com minha música e queira seguir me ouvindo: "Vamos nessa? Vamos nessa!"

SRP - Sobre esse aspecto da pessoalidade da sua arte, você escolheu sempre o dia do seu aniversário para lançar um álbum novo, não é isso?
ALRM - Isso! É uma forma de pessoalizar ainda mais o projeto de um disco por ano. Sempre vou lembrar quando eu fiz 39 eu lancei o Arquipélago e ele falava do que eu vivi naquele período, o que vivi e o que achava sobre as coisas. Aprendi com John Lennon que quanto mais pessoal, melhor. Você é universal quando fala do seu quintal. Aquilo que é real pra você, assuntos do seu dia a dia.

SRP - Os seus dois trabalhos mais recentes, Surfbudismo (2014) e Arquipélago (2015), tiveram um processo de gravação que foge dos padrões normais, mas cada vez mais comum hoje em dia, que é gravar músicas em dispositivos mobiles ou em programas no computador, com o próprio artista tomando a palavra final sobre a obra (composição, gravação e produção). Como você mesmo afirma, no melhor estilo "selfie" e com um novo olhar sobre o "do it yourself". Como você enxerga essa postura e seus beneficios?
ALRM - Eu acho sensacional. Hoje em dia você não precisa gastar uma grana enorme pra gravar sua música. Você grava em casa mesmo, sem custo, com liberdade total... é o sonho do estúdio de graça 24h por dia. Tem a mesma qualidade de um estúdio profissional? Não! Claro que não, mas é uma ferramenta que possibilita você escoar sua música sem depender de terceiros ou grana... é o ápice do "faça você mesmo". Uma beleza.

SRP - Mesmo utilizando recursos do Ipad você não abre mão de instrumentos orgânicos nas suas gravações, acho isso bom. Não abrir mão disso é importante...
ALRM - É onde eu domino. Violão, guitarra então é o meu lugar seguro. Meu trabalho de compositor sai daí: violão. Então eu tento conservar ele bem presente nos menus discos. Valorizando a canção, a composição.

SRP - No Arquipélago percebo uma intimidade maior entre você e sua própria música, um amadurecimento musical em relação ao que você tem feito nesses últimos anos. O que essa obra traz de especial para os ouvintes?
ALRM - Poxa... é um disco muito especial pra mim. Tentei entregar um disco que falasse de amor "apesar de"... apesar da distância, das perdas, dos problemas... o amor sendo um norte em momentos difíceis da vida. Pessoalmente é o disco que marca a perda da minha mãe, mas a tristeza não é a tônica. É o amor. O que fica, o que move e continua movendo o melhor de todos nós, seres humanos.

SRP - Qual a sua visão sobre o momento atual da cena roqueira daqui? O que você acha que melhorou e o que piorou no cenário local?
ALRM - Acho que já tivemos momentos, especialmente nos anos 1990, que os holofotes eram mais fortes pro rock baiano... depois rolou uma entressafra, mas acho que hoje o holofote tá esquentando de novo... Vivendo do Ócio fazendo carreira, Russo Passopusso, Cascadura lotando todos os shows, muita gente produzindo seus discos. O cenário mudou do que era na época da Maria Bacana mas tá super em sintonia com os dias atuais, que mandam a gente "se jogar" e fazer a nossa música acontecer com as armas que estiverem em nossas mãos.

SRP - Dentre as bandas locais e de fora, o que você tem escutado ultimamente? E o que teve influência na sua formação musical?
ALRM - Eu não sou um cara muito antenado à novidades... sempre foi assim... eu normalmente descubro um artista novo dois anos depois da maioria (rsrsrs)! Mas gente como Lennon, Hetfield, Maiden, Caetano, Chico Buarque, Cobain me ensinaram como fazer música, me ensinaram mais sobre a vida que todos os anos que passei na escola.

SRP - Para encerrar a entrevista gostaria que você deixasse uma mensagem para os nossos leitores, seja lá o que for. Pode ficar a vontade para falar o que mais desejar!

ALRM - Queria primeiramente agradecer o espaço e a atenção que o Portal Soterorock tem comigo em especial você, Leo, sempre atento ao que lanço. Eu agradeço! E gostaria de convidar geral pra galera ouvir a minha música no meu site www.andreLRmendes.com.br e, se gostar, me ajudar a espalhar meu som por aí! Grande abraço!


*Matéria originalmente publicada em 16/09/2015.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas