Pular para o conteúdo principal

Série "Mais uma Cara do Rock Baiano": Eduardo Slayer, vocalista da The Cross.*


O retorno da nossa série de entrevistas traz desta vez Eduardo Slayer, o vocalista da lendária banda de doom metal baiana. Aqui, ele nos falou sobre como foi lançar a sua primeira demo tape e sobre as influências do grupo, o porque de tanto tempo sem lançar material inédito, sobre o novo EP e a cena local e nacional do metal na atualidade, sobre a tão aguardada apresentação no PDR desse ano e os planos da The Cross para o futuro. Aumente o som e mergulhe na conversa.

SoteroRockPolitano – Gostaria de começar a entrevista falando um pouco sobre o fato da The Cross ser considerada a primeira banda de doom metal da América Latina. A demo tape The Fall é o registro incontestável deste fato. Como foi lança-lo e divulga-lo no início dos anos 1990 e como foi a sua repercussão na época?

Eduardo Slayer – Primeiramente, obrigado por ceder esse espaço para o The Cross. A demo-tape The Fall inicialmente seria um split album com a banda cearense Obskure, porém a gravadora Bazar Musical Records teve problemas financeiros. Resolvi então transformar esse trabalho numa demo-tape e divulga-la em fanzines do Brasil e de várias partes do mundo. A The Fall teve uma repercussão grande pelo fato do som da banda ser bem diferente do que rolava na cena underground de então. Foi nessa época que conseguimos distribuir o nosso material na Europa via a Holy Records, uma gravadora francesa. Paralelo a isso, a Moribund Records distribuiu a gente nos EUA. Foi desse jeito que ficamos conhecidos no exterior.

SRP – O grupo passou por um hiato de duas décadas para gravar um novo registro. Porque o The Cross levou tanto tempo para lançar um trabalho com canções inéditas?

ES – Resolvi terminar a banda em 1998 por causa das constantes mudanças de formação. Não tinha como gravar nada com uma formação tão instável.

SRP – O novo EP, Flames Through Priests, possui duas faixas novas com quase vinte minutos de música, com uma sonoridade pesada e intensa. Nos fale um pouco sobre o seu processo de criação. O que inspirou as novas composições?

ES – Gravamos esse EP depois de quatro meses de ensaio para mostrar a que tínhamos voltado para a cena. O processo de criação foi intenso e sombrio: eu e Elly criamos as músicas, e as letras são minhas. A inspiração de “Sweet Tragedy” foi o vazio e a angústia sentidos pelo homem contemporâneo. Já “Cursed Priest” é um diálogo com um padre dentro de um confessionário, um padre que é questionado sobre a sua falsa fé no cristianismo.

SRP – Mesmo sendo um trabalho de inéditas, a banda incluiu o The Fall (1993) como conteúdo extra no EP. O que levou o grupo a decidir colocá-lo na obra?

ES – Achamos que seria interessante os fãs ouvirem o Flames Through Priests lado a lado com a demo The Fall, para comparar as músicas novas com o material que nos projetou no cenário mundial.

SR – Os antigos e novos admiradores da The Cross podem esperar um disco do conjunto para breve?

ES – Podem sim. O nosso primeiro disco sai em Julho. Ele vai se chamar The Cross. Em Junho sairá um single virtual com duas faixas: “The Skull & The Cross” e um lado B instrumental, “Evil Doom Metal – Part II”.

SRP – Falando agora sobre apresentações, a banda voltou aos palcos agora em Fevereiro no Palco do Rock, um show que foi considerado, de antemão, histórico para o underground baiano. Como foi a apresentação? Vocês registraram esse momento especial de alguma forma?

ES – O show foi realmente fantástico... foi muito bom ter esse momento junto aos verdadeiros fãs do underground. E sim, registramos o show com cinco câmeras. Estamos estudando a possibilidade de lançar esse show em DVD; não temos um nome para ele ainda, mas provavelmente será Live Hell (bem sugestivo, rs). Outra alternativa seria liberar o show gratuitamente no nosso canal do YouTube.

SRP – Há pretensões da banda de cair na estrada depois do show no PDR? Já existe uma agenda de shows do grupo?

ES – Existe várias propostas para shows, mas o foco do The Cross hoje é a gravação do disco.

SRP – Pelas novas faixas se percebe ainda bastante influência de Black Sabbath no som da banda. O que mais a The Cross tem escutado ultimamente? Há algo novo em meio as influências tradicionais do conjunto?

ES – Cada membro da banda tem seus gostos pessoais. Eu, Eduardo Slayer, escuto muita coisa dentro do heavy metal. Sobre influências novas? Temos, mas não seguimos as tendências atuais. Eu particularmente gosto muito de bandas como Isole, Ahab, Novembers Doom, Saturnus e My Dying Bride. Já Elly aprecia o trabalho do Avatarium, Krux, Funeral, Disciples of Doom, Forsaken e Ghost B.C.

SRP – Tendo atuado no início da década de 1990 e retornando agora, como a The Cross enxerga a atual cena baiana e nacional de metal? O que tem se mostrado positivo e negativo no cenário atualmente?

ES – Como ficamos muito tempo afastados da cena de Salvador, pude observar à distância a evolução do underground baiano nesses últimos 20 anos. Posso dizer o seguinte: muita coisa precisa melhorar. Sobre a cena nacional, acho que ela cresceu muito, mas ainda existe, infelizmente, uma mídia bairrista. Temos bandas ótimas que não conseguem espaço por causa disso.

SRP – Encerrando, abro sempre espaço para o entrevistado deixar um recado para os nossos leitores. Se quiser deixar alguma mensagem, fique à vontade!


ES – Primeiro lugar, agradeço a oportunidade de estar aqui com vocês. Segundo, agradecer ao publico que estava em nosso show do Palco do Rock. Espero que vocês gostem do nosso EP, e em Julho sai o nosso disco. Absorvam o doom metal, que para mim é o melhor entre os estilos do heavy metal. Escutem e tirem suas conclusões... Okill? See you in hell!


*Matéria originalmente publicada em 12/02/2016.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida