Série "Mais uma Cara do Rock Baiano": Eduardo Slayer, vocalista da The Cross.*


O retorno da nossa série de entrevistas traz desta vez Eduardo Slayer, o vocalista da lendária banda de doom metal baiana. Aqui, ele nos falou sobre como foi lançar a sua primeira demo tape e sobre as influências do grupo, o porque de tanto tempo sem lançar material inédito, sobre o novo EP e a cena local e nacional do metal na atualidade, sobre a tão aguardada apresentação no PDR desse ano e os planos da The Cross para o futuro. Aumente o som e mergulhe na conversa.

SoteroRockPolitano – Gostaria de começar a entrevista falando um pouco sobre o fato da The Cross ser considerada a primeira banda de doom metal da América Latina. A demo tape The Fall é o registro incontestável deste fato. Como foi lança-lo e divulga-lo no início dos anos 1990 e como foi a sua repercussão na época?

Eduardo Slayer – Primeiramente, obrigado por ceder esse espaço para o The Cross. A demo-tape The Fall inicialmente seria um split album com a banda cearense Obskure, porém a gravadora Bazar Musical Records teve problemas financeiros. Resolvi então transformar esse trabalho numa demo-tape e divulga-la em fanzines do Brasil e de várias partes do mundo. A The Fall teve uma repercussão grande pelo fato do som da banda ser bem diferente do que rolava na cena underground de então. Foi nessa época que conseguimos distribuir o nosso material na Europa via a Holy Records, uma gravadora francesa. Paralelo a isso, a Moribund Records distribuiu a gente nos EUA. Foi desse jeito que ficamos conhecidos no exterior.

SRP – O grupo passou por um hiato de duas décadas para gravar um novo registro. Porque o The Cross levou tanto tempo para lançar um trabalho com canções inéditas?

ES – Resolvi terminar a banda em 1998 por causa das constantes mudanças de formação. Não tinha como gravar nada com uma formação tão instável.

SRP – O novo EP, Flames Through Priests, possui duas faixas novas com quase vinte minutos de música, com uma sonoridade pesada e intensa. Nos fale um pouco sobre o seu processo de criação. O que inspirou as novas composições?

ES – Gravamos esse EP depois de quatro meses de ensaio para mostrar a que tínhamos voltado para a cena. O processo de criação foi intenso e sombrio: eu e Elly criamos as músicas, e as letras são minhas. A inspiração de “Sweet Tragedy” foi o vazio e a angústia sentidos pelo homem contemporâneo. Já “Cursed Priest” é um diálogo com um padre dentro de um confessionário, um padre que é questionado sobre a sua falsa fé no cristianismo.

SRP – Mesmo sendo um trabalho de inéditas, a banda incluiu o The Fall (1993) como conteúdo extra no EP. O que levou o grupo a decidir colocá-lo na obra?

ES – Achamos que seria interessante os fãs ouvirem o Flames Through Priests lado a lado com a demo The Fall, para comparar as músicas novas com o material que nos projetou no cenário mundial.

SR – Os antigos e novos admiradores da The Cross podem esperar um disco do conjunto para breve?

ES – Podem sim. O nosso primeiro disco sai em Julho. Ele vai se chamar The Cross. Em Junho sairá um single virtual com duas faixas: “The Skull & The Cross” e um lado B instrumental, “Evil Doom Metal – Part II”.

SRP – Falando agora sobre apresentações, a banda voltou aos palcos agora em Fevereiro no Palco do Rock, um show que foi considerado, de antemão, histórico para o underground baiano. Como foi a apresentação? Vocês registraram esse momento especial de alguma forma?

ES – O show foi realmente fantástico... foi muito bom ter esse momento junto aos verdadeiros fãs do underground. E sim, registramos o show com cinco câmeras. Estamos estudando a possibilidade de lançar esse show em DVD; não temos um nome para ele ainda, mas provavelmente será Live Hell (bem sugestivo, rs). Outra alternativa seria liberar o show gratuitamente no nosso canal do YouTube.

SRP – Há pretensões da banda de cair na estrada depois do show no PDR? Já existe uma agenda de shows do grupo?

ES – Existe várias propostas para shows, mas o foco do The Cross hoje é a gravação do disco.

SRP – Pelas novas faixas se percebe ainda bastante influência de Black Sabbath no som da banda. O que mais a The Cross tem escutado ultimamente? Há algo novo em meio as influências tradicionais do conjunto?

ES – Cada membro da banda tem seus gostos pessoais. Eu, Eduardo Slayer, escuto muita coisa dentro do heavy metal. Sobre influências novas? Temos, mas não seguimos as tendências atuais. Eu particularmente gosto muito de bandas como Isole, Ahab, Novembers Doom, Saturnus e My Dying Bride. Já Elly aprecia o trabalho do Avatarium, Krux, Funeral, Disciples of Doom, Forsaken e Ghost B.C.

SRP – Tendo atuado no início da década de 1990 e retornando agora, como a The Cross enxerga a atual cena baiana e nacional de metal? O que tem se mostrado positivo e negativo no cenário atualmente?

ES – Como ficamos muito tempo afastados da cena de Salvador, pude observar à distância a evolução do underground baiano nesses últimos 20 anos. Posso dizer o seguinte: muita coisa precisa melhorar. Sobre a cena nacional, acho que ela cresceu muito, mas ainda existe, infelizmente, uma mídia bairrista. Temos bandas ótimas que não conseguem espaço por causa disso.

SRP – Encerrando, abro sempre espaço para o entrevistado deixar um recado para os nossos leitores. Se quiser deixar alguma mensagem, fique à vontade!


ES – Primeiro lugar, agradeço a oportunidade de estar aqui com vocês. Segundo, agradecer ao publico que estava em nosso show do Palco do Rock. Espero que vocês gostem do nosso EP, e em Julho sai o nosso disco. Absorvam o doom metal, que para mim é o melhor entre os estilos do heavy metal. Escutem e tirem suas conclusões... Okill? See you in hell!


*Matéria originalmente publicada em 12/02/2016.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas