Pular para o conteúdo principal

Série "Mais uma Cara do Rock Baiano": Eduardo Slayer, vocalista da The Cross.*


O retorno da nossa série de entrevistas traz desta vez Eduardo Slayer, o vocalista da lendária banda de doom metal baiana. Aqui, ele nos falou sobre como foi lançar a sua primeira demo tape e sobre as influências do grupo, o porque de tanto tempo sem lançar material inédito, sobre o novo EP e a cena local e nacional do metal na atualidade, sobre a tão aguardada apresentação no PDR desse ano e os planos da The Cross para o futuro. Aumente o som e mergulhe na conversa.

SoteroRockPolitano – Gostaria de começar a entrevista falando um pouco sobre o fato da The Cross ser considerada a primeira banda de doom metal da América Latina. A demo tape The Fall é o registro incontestável deste fato. Como foi lança-lo e divulga-lo no início dos anos 1990 e como foi a sua repercussão na época?

Eduardo Slayer – Primeiramente, obrigado por ceder esse espaço para o The Cross. A demo-tape The Fall inicialmente seria um split album com a banda cearense Obskure, porém a gravadora Bazar Musical Records teve problemas financeiros. Resolvi então transformar esse trabalho numa demo-tape e divulga-la em fanzines do Brasil e de várias partes do mundo. A The Fall teve uma repercussão grande pelo fato do som da banda ser bem diferente do que rolava na cena underground de então. Foi nessa época que conseguimos distribuir o nosso material na Europa via a Holy Records, uma gravadora francesa. Paralelo a isso, a Moribund Records distribuiu a gente nos EUA. Foi desse jeito que ficamos conhecidos no exterior.

SRP – O grupo passou por um hiato de duas décadas para gravar um novo registro. Porque o The Cross levou tanto tempo para lançar um trabalho com canções inéditas?

ES – Resolvi terminar a banda em 1998 por causa das constantes mudanças de formação. Não tinha como gravar nada com uma formação tão instável.

SRP – O novo EP, Flames Through Priests, possui duas faixas novas com quase vinte minutos de música, com uma sonoridade pesada e intensa. Nos fale um pouco sobre o seu processo de criação. O que inspirou as novas composições?

ES – Gravamos esse EP depois de quatro meses de ensaio para mostrar a que tínhamos voltado para a cena. O processo de criação foi intenso e sombrio: eu e Elly criamos as músicas, e as letras são minhas. A inspiração de “Sweet Tragedy” foi o vazio e a angústia sentidos pelo homem contemporâneo. Já “Cursed Priest” é um diálogo com um padre dentro de um confessionário, um padre que é questionado sobre a sua falsa fé no cristianismo.

SRP – Mesmo sendo um trabalho de inéditas, a banda incluiu o The Fall (1993) como conteúdo extra no EP. O que levou o grupo a decidir colocá-lo na obra?

ES – Achamos que seria interessante os fãs ouvirem o Flames Through Priests lado a lado com a demo The Fall, para comparar as músicas novas com o material que nos projetou no cenário mundial.

SR – Os antigos e novos admiradores da The Cross podem esperar um disco do conjunto para breve?

ES – Podem sim. O nosso primeiro disco sai em Julho. Ele vai se chamar The Cross. Em Junho sairá um single virtual com duas faixas: “The Skull & The Cross” e um lado B instrumental, “Evil Doom Metal – Part II”.

SRP – Falando agora sobre apresentações, a banda voltou aos palcos agora em Fevereiro no Palco do Rock, um show que foi considerado, de antemão, histórico para o underground baiano. Como foi a apresentação? Vocês registraram esse momento especial de alguma forma?

ES – O show foi realmente fantástico... foi muito bom ter esse momento junto aos verdadeiros fãs do underground. E sim, registramos o show com cinco câmeras. Estamos estudando a possibilidade de lançar esse show em DVD; não temos um nome para ele ainda, mas provavelmente será Live Hell (bem sugestivo, rs). Outra alternativa seria liberar o show gratuitamente no nosso canal do YouTube.

SRP – Há pretensões da banda de cair na estrada depois do show no PDR? Já existe uma agenda de shows do grupo?

ES – Existe várias propostas para shows, mas o foco do The Cross hoje é a gravação do disco.

SRP – Pelas novas faixas se percebe ainda bastante influência de Black Sabbath no som da banda. O que mais a The Cross tem escutado ultimamente? Há algo novo em meio as influências tradicionais do conjunto?

ES – Cada membro da banda tem seus gostos pessoais. Eu, Eduardo Slayer, escuto muita coisa dentro do heavy metal. Sobre influências novas? Temos, mas não seguimos as tendências atuais. Eu particularmente gosto muito de bandas como Isole, Ahab, Novembers Doom, Saturnus e My Dying Bride. Já Elly aprecia o trabalho do Avatarium, Krux, Funeral, Disciples of Doom, Forsaken e Ghost B.C.

SRP – Tendo atuado no início da década de 1990 e retornando agora, como a The Cross enxerga a atual cena baiana e nacional de metal? O que tem se mostrado positivo e negativo no cenário atualmente?

ES – Como ficamos muito tempo afastados da cena de Salvador, pude observar à distância a evolução do underground baiano nesses últimos 20 anos. Posso dizer o seguinte: muita coisa precisa melhorar. Sobre a cena nacional, acho que ela cresceu muito, mas ainda existe, infelizmente, uma mídia bairrista. Temos bandas ótimas que não conseguem espaço por causa disso.

SRP – Encerrando, abro sempre espaço para o entrevistado deixar um recado para os nossos leitores. Se quiser deixar alguma mensagem, fique à vontade!


ES – Primeiro lugar, agradeço a oportunidade de estar aqui com vocês. Segundo, agradecer ao publico que estava em nosso show do Palco do Rock. Espero que vocês gostem do nosso EP, e em Julho sai o nosso disco. Absorvam o doom metal, que para mim é o melhor entre os estilos do heavy metal. Escutem e tirem suas conclusões... Okill? See you in hell!


*Matéria originalmente publicada em 12/02/2016.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…