Pular para o conteúdo principal

Sete pessoas e um segredo.*


Administrar “x” número de integrantes dentro de uma banda de rock não é uma tarefa das mais fáceis. Não é mesmo! Cada cabeça é um universo, com gostos e preferências distintas, referências musicais diversas (o que é algo bom) e compromissos extramusicais que em várias vezes são priorizados por motivos pessoais. Tudo isso e um pouco mais. Você que tem um grupo, ou não, sabe o quanto é puxado tentar marcar ensaio, agendar show e finalizar uma gravação quando se é uma dupla, um trio, um quarteto e, estourando, um quinteto.

Agora, imagine isso quando o conjunto é formado por sete pessoas! Isso mesmo, sete diferentes personalidades e suas possibilidades musicais dentro dos seus dilemas no cotidiano de cada um. É assim com a Cartel Strip Club, que lançou o seu EP de estreia nesse ano de 2015 depois de muita atividade fazendo bastante apresentação, lançando clipe e emplacando música no XIII Festival de Música Educadora FM. Nada Novo Debaixo do Sol surge com três faixas propicias para uma rápida audição.

Ao longo dos treze minutos de música, com composições fortemente influenciadas pela vertente indie dos anos 1990 e muito mais dos anos 2000, o conjunto mostra uma personalidade concisa percebida nos seus shows, mesmo com tanta gente envolvida no processo criativo do grupo. O EP abre com Foreign Boy, música que tem vocal bem dividido entre o vocalista e a vocalista da banda e o revezamento no backing vocal entre ambos, cozinha tranquila, com refrão radiofônico de voz rasgada e solo que segura bem o final da música no final. Depois é a vez de Dita Parlo, a faixa que mais se destaca na obra. Ela tem na sua intro o que parece ser um diálogo entre Walter White (ou o Heisenberg) com o Jesse Pinkman. Nela, a voz da Ana Esther aparece sozinha fazendo bem para a canção que tem um bom som de bateria e guitarras de mãos dadas com backing vocals no melhor estilo The Breeders.

Fechando o EP vem a faixa Seu Nome, canção que participou do XIII Festival de Música Educadora FM e a única cantada em português da banda neste momento. Tem bons instrumentos de sopro e foi feita para tocar no rádio, na novela, no cinema e na série de TV. Sem ser creditada no encarte, a canção Valentina aparece no EP como uma hidden track depois de alguns segundos em silencio ao fim de sua antecessora. Som com vozes e violão, ela é a personificação do indie dos anos 2000/10 dentro da Cartel Strip Club, lembrando bandas como Avi Buffalo.


Mesmo com a quantidade de integrante na banda acredito que esta não tenha sido uma obra difícil de ter sido registrada. Com direito a faixa secreta, o som do grupo não dispara para todos os lados, o que o deixa mais interessante, juntamente com o inglês claro da maioria das composições. Em determinados momentos é tão claro que parece lição de curso de idiomas. O indie rock dá o tom em todas as passagens de Nada Novo Debaixo do Sol, que é uma boa entrada para quem não conhece o som do septeto.


*Matéria originalmente publicada em 07/01/2016.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…