Pular para o conteúdo principal

Sete pessoas e um segredo.*


Administrar “x” número de integrantes dentro de uma banda de rock não é uma tarefa das mais fáceis. Não é mesmo! Cada cabeça é um universo, com gostos e preferências distintas, referências musicais diversas (o que é algo bom) e compromissos extramusicais que em várias vezes são priorizados por motivos pessoais. Tudo isso e um pouco mais. Você que tem um grupo, ou não, sabe o quanto é puxado tentar marcar ensaio, agendar show e finalizar uma gravação quando se é uma dupla, um trio, um quarteto e, estourando, um quinteto.

Agora, imagine isso quando o conjunto é formado por sete pessoas! Isso mesmo, sete diferentes personalidades e suas possibilidades musicais dentro dos seus dilemas no cotidiano de cada um. É assim com a Cartel Strip Club, que lançou o seu EP de estreia nesse ano de 2015 depois de muita atividade fazendo bastante apresentação, lançando clipe e emplacando música no XIII Festival de Música Educadora FM. Nada Novo Debaixo do Sol surge com três faixas propicias para uma rápida audição.

Ao longo dos treze minutos de música, com composições fortemente influenciadas pela vertente indie dos anos 1990 e muito mais dos anos 2000, o conjunto mostra uma personalidade concisa percebida nos seus shows, mesmo com tanta gente envolvida no processo criativo do grupo. O EP abre com Foreign Boy, música que tem vocal bem dividido entre o vocalista e a vocalista da banda e o revezamento no backing vocal entre ambos, cozinha tranquila, com refrão radiofônico de voz rasgada e solo que segura bem o final da música no final. Depois é a vez de Dita Parlo, a faixa que mais se destaca na obra. Ela tem na sua intro o que parece ser um diálogo entre Walter White (ou o Heisenberg) com o Jesse Pinkman. Nela, a voz da Ana Esther aparece sozinha fazendo bem para a canção que tem um bom som de bateria e guitarras de mãos dadas com backing vocals no melhor estilo The Breeders.

Fechando o EP vem a faixa Seu Nome, canção que participou do XIII Festival de Música Educadora FM e a única cantada em português da banda neste momento. Tem bons instrumentos de sopro e foi feita para tocar no rádio, na novela, no cinema e na série de TV. Sem ser creditada no encarte, a canção Valentina aparece no EP como uma hidden track depois de alguns segundos em silencio ao fim de sua antecessora. Som com vozes e violão, ela é a personificação do indie dos anos 2000/10 dentro da Cartel Strip Club, lembrando bandas como Avi Buffalo.


Mesmo com a quantidade de integrante na banda acredito que esta não tenha sido uma obra difícil de ter sido registrada. Com direito a faixa secreta, o som do grupo não dispara para todos os lados, o que o deixa mais interessante, juntamente com o inglês claro da maioria das composições. Em determinados momentos é tão claro que parece lição de curso de idiomas. O indie rock dá o tom em todas as passagens de Nada Novo Debaixo do Sol, que é uma boa entrada para quem não conhece o som do septeto.


*Matéria originalmente publicada em 07/01/2016.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,