Pular para o conteúdo principal

Sons que Ecoam: Boogarins (GO).*


Das novas bandas do cenário independente brasileiro a Boogarins talvez seja uma das mais bem-sucedidas delas. Oriunda do estado de Goiás, ela faz parte da vertente do rock nacional que mais cresce nos últimos anos, o rock psicodélico. Considerados um dos maiores expoentes da neo psicodelia brasileira, os goianos lançaram o seu primeiro disco intitulado As Plantas que Curam em 2013.

Com um som inteligente, cru e com bastante textura, antenado na sua época e no passado sessentista lisérgico e com boa influência de artistas como Tame Impala - até arrisco em dizer que eles superam os australianos em alguns momentos (Lucifernadis, Erre, Doce e Paul são bons exemplos dentro do cd) - eles têm propagado a sua música pelo território nacional e global, lançando o seu debut por selo de fora do país e gerando grande impacto positivo nos entusiastas do estilo, naqueles que gostam de boa música e nos estrangeiros antenados no que acontece no mundo da música.

Toda essa repercussão gerada somente com um disco lançado criou uma expectativa muito grande pelo seu segundo álbum. Lançado no ano passado, Manual ou Guia Livre de Dissolução dos Sonhos foi bem recebido por público e crítica de forma intensa. Como reflexo do seu trabalho ao longo do período de atividades entre a sua estreia até chegar ao seu mais recente cd, de cara o quarteto fez a sua divulgação inicial com uma turnê pelos E.U.A. e pela Europa dias após ao seu lançamento oficial. Um passo adiante no seu som foi dado nessa ocasião e algo se fortaleceu em sua sonoridade. Mais calejada e com mais personalidade nesse momento, a Boogarins continua com uma relação mais profunda com o psicodelismo e se desprende mais das referências musicais encontradas no seu disco de estreia.

Esse novo trabalho é mais requintado e começa com Truques, uma pequena instrumental que faz boa liga com Avalanche, faixa de boas guitarras e que beira o limite entre a tranquilidade e a euforia. Tempo surge calma, silenciosa e explosiva, uma mistura difícil de fazer, porém viciante. 6000 Dias (ou mantra dos 20 anos) foi uma das escolhidas para iniciar a divulgação do novo trabalho e leva o ouvinte a uma viagem boa, adicionando a ela uma pegada pop, ótimos solos de guitarra e um fade out que traz uma sensação de infinito. Mario de Andrade/Selvagem dá uma ideia de ter nela duas músicas em uma, começando mais alegre e do seu meio para o final ela insere o ouvinte em decolagem até planar em velocidade por entre as nuvens.

Falsa Folha de Rosto é uma das mais psicodélicas do disco, com mais texturas de guitarra, possuindo boa linha de baixo e ecos na voz. Benzin (composta em parceria com os conterrâneos da Carne Doce) pinta mais cores de verão no disco com sua levada mais contente, mas não deixa de fora as surpresas que o quarteto sempre traz nas canções. San Lorenzo é o tema instrumental da obra e tem uma estranheza pegajosa boa de se ouvir, como se anunciasse o final da tarde chegando. Cuerdo, Sei Lá e Auchma formam uma ótima sequência final o cd. A primeira, cantada pelo baixista, é mais atmosférica e envolvente, a segunda tem uma pegada mais “para frente”, mais sessentista e com ótimas vocalizações, e a última encerra o álbum de maneira mais intimista e não menos universal, com a característica voz suave e ótima letra.

Manual é um viciante ótimo disco, que parece que foi feito para ser escutado do final da tarde até o anoitecer, mas claro, é música para qualquer hora. É muito bom escutar um cd desses feito por músicos brasileiros, com personalidade, sonoridade de qualidade e maturidade musical. Não chega a ser uma surpresa encontrarmos um grupo tão bom quanto o Boogarins tendo a sua origem o Brasil. Goiás sempre foi um berço de ótimas bandas de rock, dos mais variados estilos e não surpreende mesmo o fato do conjunto ter vindo de lá. Para quem gosta de psicodelia com assinatura brasileira é uma ótima banda para se ouvir.

Link para o site do Boogarins: http://www.boogarins.com/



*Matéria originalmente publicada em 29/01/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…